Alagoas, 20 de maio de 2022 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
SILÊNCIO E OMISSÃO

Venda da Braskem ignora bilionária dívida social e ambiental em Maceió

Coluna Sururu

22/01/2022 12h12 - Atualizado em 22/01/2022 12h12

Braskem em Maceió
Extra/ArquivoBraskem em Maceió

A Petrobras e a Odebrecht irão vender a totalidade de suas ações na Braskem em bolsas de valores. Com isso, a petroquímica passará a ser uma corporação, sem controle definido; companhia sem dono.

A petrolífera estatal é dona de 38,3% do capital da Braskem e a Odebrecht – que agora se chama Novonor – detém 36,4% do capital da mineradora.

A imprensa e as agências de avaliação de risco têm destacado a decisão como positiva para o mercado, e mais ainda para os dois maiores acionistas da Braskem – Petrobras e Novonor – que injetarão alguns bilhões de dólares em seus caixas com a venda do con[1]trole acionário da petroquímica.

Até agora, no entanto, nada se falou sobre a bilionária dívida social e ambiental produzida pela mineração de sal-gema em Maceió durante 40 anos de atividades da Braskem no estado. Um passivo tão grande que dificilmente será quitado.

Apesar de ser destaque em vários jornais e sites nacionais, a venda da Braskem não mereceu qualquer análise em Alagoas. Nenhum órgão público e nem os “defensores” das milhares de vítimas do afundamento de parte da cidade se escalou para condenar ou defender a questão. Nenhuma palavra se ouviu até agora.

Onde estão Ministério Público Federal, Justiça Federal, Procuradoria de Justiça de Alagoas e Defensoria Pública Federal e Estadual? Afinal são eles os avalistas do acordo com a Braskem para indenização das vítimas, ainda não concluído.

Nem o poder público ou qualquer liderança se manifestou até agora, mesmo que fosse para tranquilizar centenas de comerciantes e milhares de famílias enxotadas de suas casas e que perderam a paz e a razão e viver. O silêncio dos políticos – nada inocentes – certamente será cobrado nas urnas eleitorais e o das autoridades nos tribunais da justiça.

Leia a coluna na íntegra na edição atual do Jornal Extra!

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade