Alagoas, 17 de outubro de 2019 23º min 27º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
CORRIDA VIL AO METAL

Juízes abandonam afazeres para lecionar em faculdades

Magistrados estão abusando desse direito especial em Alagoas

Redação

22/09/2019 10h10 - Atualizado em 30/09/2019 11h11

Prédio do Tribunal de Justiça de Alagoas, no bairro do Centro, em Maceió
DivulgaçãoPrédio do Tribunal de Justiça de Alagoas, no bairro do Centro, em Maceió

A Constituição permite aos juízes a prerrogativa de acumular o exercício da magistratura com a atividade de professor, mas em Alagoas os magistrados estão abusando desse direito especial em detrimento da sociedade que lhes paga o salário.

Na corrida para aumentar a renda, os juízes que atuam em comarcas do Interior estão abandonando seus deveres diários para se deslocar à Capital onde faturam boa grana ensinando em cursos e faculdades. Em alguns desses cursos, o corpo docente é totalmente formado por juízes de direito.

O salário de um magistrado é de R$ 27 mil, mas sua renda pode dobrar se somados os penduricalhos mais os ganhos como professor. O problema é que essa atividade paralela está levando o juiz a negligenciar na prestação de serviços à comunidade, que é o seu dever constitucional.

Com a palavra a Corregedoria-Geral de Justiça do TJ, que já tem muitos problemas com magistrados para cuidar.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir </html>
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade