Alagoas, 27 de maio de 2019 24º min 28º máx
WhatsApp (82) 9.9982-0322
Coisas de Alagoas

Banco pede a prisão dos diretores da falida cooperativa dos usineiros

Redação

07/05/2019 11h11 - Atualizado em 07/05/2019 11h11

Banco pede a prisão dos diretores da falida cooperativa dos usineiros
Foto: Divulgação

 O banco Daycoval pediu a prisão dos diretores da falida cooperativa dos usineiros de Alagoas por calote e formação de quadrilha. 

O banco alega ter emprestado R$ 140 milhões à Copertrading Comércio de Exportação e Importação, que deu em garantia a compra antecipada de açúcar das usinas associadas à cooperativa. Mas o banco não recebeu o açúcar nem o empréstimo. 

Após o calote, o Dayvocal pediu em juízo o direito de integrar a lista dos credores da massa falida da cooperativa, cujas 7 usinas associadas entraram em regime de recuperação judicial. 

Aí vem a surpresa maior: o juiz não só indeferiu o pedido como condenou o banco a pagar R$ 14 milhões em honorários aos advogados da cooperativa. Com essa decisão, o banco passou de credor a devedor. 

O magistrado é o mesmo que concedeu a recuperação judicial da Copertrading Comércio, Exportação e Importação S.a. - Usina Cansanção de Sinimbú S/A - Mecânica Pesada Continental S.a. - Penedo Agro Industrial S.a. - Companhia Açucareira Usina Capricho S.a. - Industrial Porto Rico S.a. - Usinas Reunidas Seresta S/A - Destilaria Autônoma Porto Alegre S.a. e à Companhia Açucareira Central Sumauma .

Detalhe: após a estranha sentença contra o banco, o juiz se aposentou e foi morar em Gramado, na serra gaúcha. 

O imbróglio já chegou ao CNJ.

Comentários
Curta o EXTRA no Facebook
Confira o nosso canal no YouTube
Siga-nos no Twitter
Siga-nos no Instagram Seguir 14.5k
Notamos que você possui
um ad-blocker ativo!

Produzir um conteúdo de qualidade exige recursos.

A publicidade é uma fonte importante de financiamento do nosso conteúdo.

Para continuar navegando, por favor desabilite seu bloqueador de anúncios.

publicidade