Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Só no site :: Geral

27/06/2018 - 09:44:01

Sacolinha de amido de mandioca se dissolve na água quente

Catraca Livre
Foto: Divulgação

Parece apenas uma sacolinha comum, dessas de plástico. Mas a da Avani Eco, uma empresa de Bali, na Indonésia, é totalmente biodegradável, pois é feita de amido de mandioca. Não é tóxica e pode ser reciclada com papel.

Para provar que a sacolinha é mesmo natural, o inventor do produto, o biólogo Kevin Kumala, costuma aparecer em vídeos, como este da Make a Change World, dissolvendo um pedaço da sacola em um copo de água morna, para bebê-la em seguida.

Em tempo: esse bioplástico se desfaz apenas em água morna, portanto não tem problema andar na chuva com a sacola, carregando suas compras!

Na natureza, o material desaparece em alguns meses, diferentemente das sacolinhas comuns. O plástico feito à base de petróleo leva centenas de anos para desaparecer – tempo suficiente para poluir solo e água de rios e mares. Sem falar nos danos que provocam em animais que confundem os pedaços de plástico com comida.

A sacolinha pequena (para 3 kg) custa 405 rupias indonésias (R$ 1), mas os pedidos devem ser superiores a 5.000 unidades. O frete é negociado de acordo com destino e o modal de transporte.

Firme no objetivo de eliminar o lixo gerado pelo plástico, a Avani produz outros itens, como talheres, copos e embalagens para comida, feitos com fibras de cana-de-açúcar ou madeira certificada, que são vendidos para hotéis e restaurantes.

Os canudos, por exemplo, são de papel e recebem uma camada interna de cera à base de plantas, que os tornam resistentes.

A novidade mais recente da empresa é um pote para salada, feito de fontes renováveis, como amido de milho, que é biodegradável e compostável.

Os moradores de Bali parecem ter mesmo despertado para a necessidade de combater o uso irresponsável do plástico. Tem até duas jovens que criaram o projeto “Bye Bye Plastic Bags” na ilha.

O governo de Bali está empenhado em acabar com as sacolinhas plásticas na ilha até 2018.


Com iniciativas como a da Avani e dessas jovens, quem sabe eles realmente conseguem alcançar esse objetivo.

Tudo isso, é claro, não tira a importância de reduzir, reutilizar e reciclar o que se consome. Mas utilizar matérias-primas mais sustentáveis certamente ajuda a diminuir os impactos gerados pelas atividades humanas no meio ambiente.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia