Acompanhe nas redes sociais:

23 de Fevereiro de 2019

Outras Edições

Edição nº 1004 / 2019

11/01/2019 - 18:01:46

Revolução dos pequenos desafia usinas de Alagoas

Odilon Rios Especial para o EXTRA
Terras de usinas arrendadas pela Prefeitura de Capela viraram riqueza para pequenos agricultores - Foto: Odilon Rios

A crise do setor sucroalcooleiro está mudando a imagem dos canaviais. Aos poucos, o que os olhos testemunharam por séculos - incluindo a queima da palha da cana, terra arrasada pela destruição do meio ambiente e o semi-escravagismo herdado do Brasil colonial- vai sendo substituído por agricultores familiares e uma extraordinária produção de abacaxi, inhame, macaxeira, melancia, feijão, laranja, batata doce e outras culturas em áreas dominadas pelos canaviais.

A colheita ainda é muito modesta se comparada à grandeza das lavouras da cana, mas as terras antes dominadas quase na sua totalidade pelo imenso deserto verde testemunham uma reação inédita na história de Alagoas, cujo objetivo converge a um modelo de policultura (o oposto da monocultura).

Capela é um dos muitos exemplos. A Prefeitura arrendou 4 áreas das usinas Capricho e João de Deus, as duas fechadas. Entregou tarefas de terras a pequenos agricultores, muitos deles fornecedores de cana-de-açúcar endividados por atrasos nos pagamentos das usinas. Em parceria com a Emater, o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), eles produzem macaxeira, inhame, feijão, milho e verduras. O PAA, do Estado, e o PNAE compram a produção, que também abastece a feira do município e ainda é transportada, com ajuda da Prefeitura, para a Ceasa, em Maceió. Desafio do município, diz o secretário de Agricultura, Luiz Antônio de Almeida Silva, o Tonho da Pimenta, é organizar o cultivo de culturas de ciclo mais longo, como macaxeira, inhame, folhas (alface, couve, pimentão, tomate) à beira do Rio Paraíba. Também foram distribuídos 30 mil alevinos. Um dos projetos é a construção de uma casa de farinha para aproveitar a produção de mandioca; uma casa de bolo e uma fábrica de sacola ecológica, com os restos da macaxeira. “É um produto que se decompõe em menos tempo e preserva a natureza”, diz o secretário.

Toda a produção hoje é feita sem uso de agrotóxicos e também beneficia trabalhadores rurais sem-terra que ocupam áreas ociosas enquanto esperam que as terras sejam destinadas à reforma agrária.

Gedalva dos Santos é uma das atendidas. “Antes eu bebia bastante e não tinha emprego. Hoje, eu tenho terra e produzo batata doce, feijão e macaxeira”. A produção é comprada pelo município. Ela planta em 2 tarefas de terra.

Em Pilar, 700 famílias são atendidas pela Secretaria de Agricultura no programa “Plantando o Futuro”. Os moldes são semelhantes aos de Capela: as famílias recebem lotes com dois mil metros quadrados para plantar hortaliças e legumes. A produção vai para as escolas. O governo cedeu o trator, a grade aradora e os equipamentos. Outras cidades seguem caminhos semelhantes. Ano passado foram R$ 14,8 milhões investidos do Fundo de Erradicação e Combate à Pobreza (Fecoep) destinados à agricultura familiar. Em 3 anos e 5 meses foram entregues 223 tratores para este mesmo fim.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia