Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 985 / 2018

22/08/2018 - 09:56:38

Candidatos que só sabem roubar

JOSÉ ARNALDO LISBOA

O mundo está louco! Pelos sinais que aos poucos estão aparecendo nós já estamos bem perto do fim do mundo. Vejam que as grandes florestas estão sendo consumidas pelo fogo, como aconteceu na Itália, na Grécia e nos Estados Unidos. Milhares de pessoas estão sendo queimadas pelo fogo, além das mansões, casas, matas, animais e parques. Tudo está sendo devorado pelas chamas infernais, com labaredas gigantes. Aviões com substâncias químicas e fortes jatos de água já não conseguem apagar logo as chamas. Os bombeiros que sempre estão preparados para enfrentar o fogo, se sentem sem equipamentos e sem treinamentos para dominá-lo. Tudo faz crer que estamos no fim do mundo.

Paralelamente a tudo isso, está faltando água para o povo beber, como no Nordeste e no Sul do Brasil, com as secas que antes não existiam. Está faltando água nos grandes reservatórios para movimentar grandes turbinas das hidroelétricas. Estamos no fim do mundo!

Além do fogo, as enchentes estão aparecendo em todas as partes, como aconteceu no dilúvio. Recentemente, vimos monumentos, casas, árvores e carros serem carregados pelas águas e pontes caírem. Muitas pessoas estão sendo mortas e carregadas pelas águas, com enchentes nunca vistas, antes. Nos últimos dias, aconteceu uma enorme enchente na França, com castelos, mansões, casas, monumentos e carros sendo levados pelas correntezas. Estamos sem condições de barrar as forças da natureza. 

Antes a gente ouvia bonitos boleros, sambas, valsas, pagodes e baiões, mas já não existem bonitas músicas e nem bonitas letras. As rádios e as televisões já não apresentam as músicas como antigamente, pois, até nas danças, a gente só ouve gritarias e muitas safadezas com mulheres seminuas e letras nojentas. Acabou-se o que era bonito para vermos e aproveitarmos dos divertimentos que existem. Até a música que, antes era sublime, acabou-se, dando lugar a desmantelos e presepadas. Os pagodes são sem ritmos e sem artes. O forró já não é o mesmo, animado como antes. Inventaram ritmos loucos! 

Já estamos na era da bagunça, com mulheres casando com mulheres e homens casando com homens. Já não sabemos numa casa quem é o dono ou a dona da casa ou se são duas mulheres ou dois homens. Antes, era muito bonito sabermos que um pai e uma mãe possuíam vários filhos e várias filhas, porém, hoje em dia, não sabemos se os filhos são dos dois homens ou das duas mulheres. O papai e a mamãe já não existem, já que não sabemos quem é o pai ou a mãe. Quando os filhos adotados souberem que seu pai é uma “bicha” ou um “sapatão”, vão acontecer fugas, vinganças, rejeições ou crimes. Vai ser o fim do mundo.

Sei não!!! Estamos num mundo muito diferente do mundo de anos passados. Até os estilos de governos estão diferentes, pois existiam os reinados, as ditaduras e as democracias, mas as democracias passaram a ser “roubalharias”, quando o povo escolhe seus representantes para que eles roubem o dinheiro do povo que o elegeu. Hoje em dia são roubos, roubos e roubos!!! 

Em tempo – A senhorita Sílvia Ataíde de Melo disse que continua me lendo todas as sextas-feiras, no EXTRA. Que bom! Obrigado, ilustre leitora!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia