Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 983 / 2018

05/08/2018 - 08:08:48

Entre mistérios e certezas, MDB, PSDB e PP realizam convenção neste domingo

Odilon Rios Especial para o EXTRA
Renan pai e Renan Filho oficializam candidaturas pela reeleição ao Senado e governo no domingo

Termina neste domingo, 5 de agosto, o prazo para que os partidos apresentem os seus candidatos na disputa eleitoral de 2018. Nos bastidores, o momento é de afrouxar programas partidários e dar espaço ao pragmatismo: ganhar ou ganhar nas urnas passa a ser prioridade.

Três grandes partidos realizam suas convenções na data-limite do calendário eleitoral: MDB, PSDB e PP.

O MDB apresenta o governador Renan Filho para a reeleição; o senador Renan Calheiros também disputando a vaga que ocupa hoje em Brasília e o deputado Isnaldo Bulhões para federal. E fecha o baú de alianças que vai carregar nas proporcionais também para ajudar a reeleger, na Assembleia, Ricardo Nezinho, pai do Escola Livre, que criminaliza professor falando sobre política, religião ou sexualidade em sala de aula. Objetivo é tornar Nezinho viável eleitoralmente em 2020, na disputa pela Prefeitura de Arapiraca contra Rogério Teófilo.

O PSDB apresenta Rodrigo Cunha na disputa ao Senado; ao Governo, é provável que seja o vereador de Maceió, Eduardo Canuto; a federal, não é certeza se Pedro Vilela, sobrinho do ex-governador Teotonio Vilela Filho, vai em busca de mais 4 anos em Brasília.

No PP, tudo é óbvio. Será a família De Lira: Benedito ao Senado; Arthur a deputado federal. 

O Rede lançou a ex-vereadora Heloísa Helena para deputada federal.

O PSOL terá Basile Christopoulos ao Governo; ao Senado, Cícero Albuquerque; a estadual, o ex-candidato do partido em 2016 à Prefeitura de Maceió, Gustavo Pessoa. O PCB tem Osvaldo Maciel.

O deputado federal Maurício Quintella (PR) - que disputa o Senado - ganhou importante aliado: os Beltrão, capitaneados pelo deputado federal Marx Beltrão. Somando as 5 prefeituras alagoanas gerenciadas por um sobrenome Beltrão em Alagoas, Quintella terá, ao menos, 102.981 votos.

E o segundo voto; o primeiro? Para Renan Calheiros (MDB).

O PR de Quintella também quer eleger o deputado estadual Sérgio Toledo a federal.

O PV, na coligação que fechou nas proporcionais (com PT e PC do B), deve eleger o vereador de Maceió Sílvio Camelo para a Assembleia Legislativa e puxar mais dois: Othoniel Pinheiro (PT) e Jairo Campos (PC do B), as maiores apostas neste cenário. O PT lançou candidato único a federal: Paulão.

O PRTB, que tem entre seus candidatos a federal o ex-prefeito de Traipu, Eduardo Tavares, resiste em fechar aliança com o PTB, chefiado pelo deputado estadual Antônio Albuquerque. Tavares decide até domingo se deixa mesmo a disputa, isto se AA for agregado na coligação. O deputado foi considerado, pela Polícia Federal, um dos líderes da organização criminosa que desviou R$ 300 milhões da Assembleia Legislativa.

O PTB quer AA na Assembleia e o filho dele, Nivaldo Albuquerque, em Brasília, na Câmara; o PMN, a reeleição de Francisco Tenório na Assembleia e a filha dele, Olívia, como deputada federal; o PDT mira a reeleição de Ronaldo Lessa a federal e Inácio Loiola na Assembleia; o PSB quer reeleger João Henrique Caldas em Brasília; o PSD busca reeleger Dudu Holanda e Gilvan Barros Filho a deputado estadual; Marcelo Victor também busca a reeleição na Casa, pelo Solidariedade.

Perfil do eleitorado 

A briga pelo eleitor leva em conta também o perfil de quem vai às urnas este ano.

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a maioria dos eleitores alagoanos (66,17% ou 1.447.703 pessoas) tem entre 25 e 59 anos.  Menos de 2% dos votantes tem menos de 18 anos- o voto opcional. São 43.298.

Quando se olha os maiores de 60 anos- a chamada terceira idade- existe um peso significativo. São 14,31% dos eleitores. Ou 313.234 votos.

Como é de se esperar- porque se repete em todo o país- a maioria é do sexo feminino: 53,2% 46,7% são declarados homens.

Quanto ao grau de escolaridade, o alagoano que vai às urnas em outubro tem, majoritariamente, o ensino fundamental incompleto. Ou: menos de 9 anos de estudo. São 27,2 % dos eleitores. Ou 595.608.

É seguido por uma massa de analfabetos ou apenas aqueles que leem e escrevem: 25,6% (560.874); 17,8% declararam possuir o ensino médio completo; 14,9% tem o ensino médio incompleto; e, apenas 5,7% possuem o ensino superior.

Entre os analfabetos e aqueles que apenas leem e escrevem o próprio nome, existem diferenças, mostra o TSE. A maioria dos analfabetos é mulher (51,4%). Já entre os que leem e escrevem, maioria (50,2%) é homem.

Nos últimos 10 anos (junho de 2008 a junho de 2018), o eleitorado de Alagoas cresceu 10,6%. Em 2008, o estado tinha 1.976.838 votantes. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia