Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 982 / 2018

31/07/2018 - 09:47:43

Meio Ambiente

Sofia Sepreny

Protetor solar no Havaí

O Havaí se tornou o primeiro lugar do mundo a banir a venda e a distribuição de protetor solar que contenha duas substâncias químicas nocivas aos recifes de coral - a oxibenzona e o metoxicinamato de octila. O governador do estado, David Ige, sancionou a lei no começo deste mês e afirmou: “Ao assinar essa medida hoje, nós nos tornamos os primeiros no mundo a estabelecer esse tipo de legislação dura a fim de proteger ativamente o nosso ecossistema marinho dos químicos tóxicos”. 

As duas substâncias químicas causam uma série de prejuízos, como a mortalidade de corais em desenvolvimento, o esbranquiçamento dos corais (um sinal de estresse) e danos genéticos. Empresas fabricantes de protetores afirmam que uma medida como esta compromete a saúde, a segurança e o bem-estar de milhões de moradores do Havaí e turistas pois é cientificamente comprovado que a exposição à radiação ultravioleta do sol causa câncer de pele. E usar o protetor solar é uma das formas mais efetivas de se proteger dessa radiação

Animais marinhos

Um golfinho foi encontrado morto no último fim de semana na praia de Sonho Verde em Paripueira. De acordo com Instituto Chico Mendes, o animal teria encalhado e não resistiu. Ainda no mesmo fim de semana uma equipe do Biota esteve na orla da praia Ponta Verde para afastar banhistas que se aproximavam e tocavam em um peixe-boi que nadava próximo à areia. Segundo a coordenação de monitoramento do órgão, o animal corria o risco de encalhar já que os banhistas não deixavam o peixe-boi retornar para as águas mais profundas.

Cadastro de animais 

A Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Câmara dos Deputados aprovou um projeto de lei que determina a criação do Cadastro Nacional de Animais Domésticos. Pela proposta, a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios deverão criar e manter, a partir dos órgãos responsáveis por meio ambiente, saúde pública e produção rural, o Cadastro dos Animais Domésticos sob sua jurisdição. 

De acordo com o autor do projeto, a criação do cadastro vem atender a diferentes demandas de diferentes setores da sociedade a exemplo de: animais abandonados poderão ter seus donos encontrados, caso sejam portadores de chip que os identifique. O controle de zoonoses será bastante mais eficaz, tendo como um de seus instrumentos o referido cadastro. Os dados poderão alimentar pesquisas científicas sobre as mais diversas áreas e a sociedade, que cada dia mais se preocupa com o bem estar animal, poderá exercer o controle social, detectando irregularidades ou incongruências das informações prestadas.

Poda em Rio Largo

A poda drástica em um canteiro central da cidade de Rio foi suspensa no Loteamento dos Eucaliptos. O resultado foi conquistado após a reclamação de moradores que entraram em contato com a Secretaria do Meio Ambiente preocupados com o excesso do corte. O órgão enviou um representante ao local, que pediu que o serviço fosse interrompido. Por meio da assessoria de comunicação, a prefeitura orientou que a poda fosse controlada, de forma a minimizar qualquer agressão ao meio ambiente.

Sustentabilidade

O Ministério do Meio Ambiente, por meio do Programa Agenda Ambiental na Administração Pública (A3P) realizará em Alagoas dois cursos de “Sustentabilidade na Administração Pública - Região Nordeste”. O curso acontece nos dias 16 e 17 de outubro, em Maceió e nos dias 18 e 19 de outubro, em Arapiraca. O objetivo é promover a implementação de práticas de sustentabilidade, visando a proteção do meio ambiente e economia de recursos.

Morte de ambientalistas

O Brasil é, segundo a organização internacional Global Witness, o país com mais mortes de ambientalistas no mundo com 57 mortes, cerca de 28% do total. No ano anterior, haviam sido 49, pelo mesmo cálculo. Pelo menos 207 ativistas ambientais foram mortos em 2017, segundo levantamento divulgado pela ONG. Foi o ano com mais mortes desde que o estudo começou a ser feito, em 2002. A organização mapeia mortes de defensores do meio ambiente no mundo e observa aumento desses crimes em países em desenvolvimento que ainda mantêm porções significativas de recursos naturais. Os casos compilados são de líderes indígenas, ativistas comunitários e ambientalistas.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia