Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 982 / 2018

29/07/2018 - 17:12:00

Materiais apreendidos de políticos de Alagoas estão em Brasília

Segundo perito da PF, operação vai continuar após as eleições

José Fernando Martins [email protected]
Perito da PF, Clênio Belluco passou por Maceió para falar da Lava Jato

A Operação Lava Jato já dura mais de quatro anos e é conhecida como a maior operação de combate a corrupção do Brasil, com destaque em noticiários nacionais e internacionais. Os desdobramentos da operação já renderam mais de 50 fases, incluindo em Alagoas, envolvendo doleiros, políticos e a estatal Petrobras. Em passagem por Maceió, o professor do Instituto de Pós-Graduação e Graduação (Ipog) e perito da Polícia Federal, Clênio Belluco, respondeu perguntas do EXTRA sobre a polêmica investigação. 

Sobre as ações da Lava Jato no estado, Belluco informou que, apesar de não ter conhecimento profundo dos desdobramentos, houve material apreendido relativo a políticos de Alagoas e inerentes a investigações ainda em andamento. O material coletado pelos agentes federais, geralmente, é devolvido para o presidente do inquérito que em determinada fase remete para Justiça. 

“No caso da Lava Jato, os materiais ficam em Curitiba (PR), exceto aqueles cujos investigados têm foro privilegiado. Esses são investigados pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e os materiais ficam em Brasília. Embora não tenha trabalhado diretamente em Curitiba, apenas em Brasília, posso dizer que tudo surpreende na Lava Jato. A quantidade de veículos importados, de dinheiro em espécie, de computadores e mídias superando 1,2 petabytes de documentos, de dados financeiros nacionais e internacionais. Tudo é surpreendente”, informou.

E o perito ainda acredita na sobrevivência da Lava Jato após as eleições presidenciais. “Não há como parar a maior operação policial de combate a corrupção no mundo. Ainda que haja tentativas nesse sentido, as instituições como a Polícia Federal, o Ministério Público e a Justiça Federal vêm cumprindo de maneira firme suas competências institucionais. Cabe destacar, entretanto, que a Lava Jato não é permanente, em determinado momento ela vai acabar. Mas já terá cumprido um papel histórico na política do país”.

e documentais como periciais. Esse conjunto de provas foi avaliado e julgado por um juiz competente para tal e ratificado pelo respectivo tribunal. Não há que se falar em falta de provas”.

A Lava Jato, muitas vezes, foi acusada de ser contra o PT e uma das responsáveis pela crise que levou o país à recessão. Essa tese também é repudiada pelo perito. “É um absurdo. A operação Lava Jato investiga crimes de corrupção entre outros, e não partidos. O que acontece é que determinados partidos se envolveram em um esquema bilionário de corrupção, e por isso, os envolvidos serão julgados. Quanto à recessão pela qual o país passou, não tem nada a ver com a Lava Jato, e sim com os desajustes da política econômica e fiscal nos últimos anos. Não faz o menor sentido atribuir a crise econômica a uma atuação legítima das instituições que buscam o combate nocivo da corrupção. É justamente o contrário, a corrupção é que deve ter contribuído para a crise pela qual passamos”.

Avaliação 

Ainda segundo o profissional, a perícia da Polícia Federal está entre as melhores do mundo, estando no mesmo nível que a do FBI, dos EUA. “Nos últimos anos a gestão pericial foi modernizada e conseguimos desenvolver bastante em termos de equipamentos, capacitação e procedimentos”.

E finalizou: “Gstaria de destacar que a Operação Lava Jato da Polícia Federal é um evento que toda a sociedade brasileira deve apoiar. O objetivo é, e sempre foi, apurar crimes e não perseguir pessoas e partidos. Obviamente que ao apurar crimes se chega aos autores e, no caso, se chegou a políticos e seus partidos também. Cada ente deve ser responsabilizado pelos seus atos com base na lei.  A lei é para todos”.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia