Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 979 / 2018

11/07/2018 - 18:38:02

Era a minha última esperança

JORGE MORAIS

Apesar de o Brasil ser um país desacreditado praticamente em tudo e, especialmente pela falta de políticas públicas - gestão - e pela boa parte de seus políticos, alguns segmentos ainda merecem a nossa confiança. Posso citar sem medo de errar as Forças Armadas, o Corpo de Bombeiros Militar, a Polícia Federal e, até pouco tempo, o Supremo Tribunal Federal, mesmo com algumas mazelas lá existentes. Mas, no geral, podia-se acreditar que no final seria feita, verdadeiramente, justiça.

Mas, lamentavelmente, não é isso o que estamos presenciando. Me parece que todo o esforço de juízes que atuaram no caso do Mensalão e, agora, da Operação Lava Jato e todos os seus desdobramentos, está indo ralo abaixo. São decisões tomadas por ministros como Gilmar Mendes, que acabou com a obrigatoriedade do diploma para jornalistas e tem profunda ligação com o PSDB de Aécio Neves, Dias Toffoli, ex-advogado do Partido dos Trabalhadores, indicado pelo Lula para o STF, amigo da Dilma Rousseff, e mais alguns outros, que estão manchando a imagem da Corte.

Você pode até perguntar: será que só quem está com a verdade são os outros ministros? É possível que não, até porque há quem diga que não tem ninguém “santo” ali. Agora, depois de tantas provas contra o ex-ministro José Dirceu, do rombo escandaloso provocado por ele como auxiliar direto e mais próximo de Lula e Dilma, 32 anos de cadeia é muito para Gilmar Mendes mandar soltar esse bandido? A essa altura, com tantas provas documentais e depoimentos de pessoas envolvidas nos esquemas de desvios de recursos públicos, é impossível imaginar que esse tempo de prisão é exagerado?

Só na cabeça de pessoas comprometidas com essas gangued do PT e do PSDB que ficam procurando chifre em cabeça de cavalo para mandar soltar esses bandidos. Agora, se não fosse a esperteza do ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato, o presidente que está preso teria sido solto também. Com a justiça em recesso, os novos pedidos dos milionários advogados do Lula somente serão levados a discussão e julgamento, se é que vão mesmo, em agosto, após as férias desses senhores e senhoras.

Fico imaginando como está, neste momento, a cabeça dos juízes e desembargadores que estão julgando e condenando esses “senhores”, que ficaram milionários às custas do nosso sacrificado dinheiro, fruto dos nossos impostos. Fico imaginando o juiz Sérgio Moro ter que ficar calado, porque não pode comentar nada que seja decidido pelo STF, senão aqueles senhores, que representam a maior Corte de justiça do país, vão engolir o Moro vivo. E o que dizer dos desembargadores do TRF-4, de Porto Alegre, que fizeram o julgamento em segunda instância e mandaram colocar o Lula na prisão. O que deve estar pensando o juiz Marcelo Bretas, do Rio de Janeiro.

É por tudo isso e outras coisas mais, que passei a desacreditar na justiça brasileira. Eu, que tinha tanta esperança de continuar vendo o Brasil ser passado a limpo, não acredito mais. A sujeira vai ser jogada para baixo do tapete e não adiantou nada a luta dos juízes e desembargadores já citados e o dinheiro gasto pela Polícia Federal para montar as suas operações e levar preso essa gente toda que, agora, está sendo mandada para casa pelo Supremo Tribunal Federal. É lamentável. Como diz minha colega Alari: “só Deus na causa”. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia