Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 979 / 2018

11/07/2018 - 18:24:22

GABRIEL MOUSINHO

A incerteza preocupa

A oposição ainda não apresentou um candidato para disputar a eleição com Renan Filho, mas, no fundo, essa indecisão e incerteza preocupam. O Palácio dos Martírios marcha com precaução, porque a eleição ainda não está ganha, embora tenha dado passos largos para a reeleição do atual governador.

Mesmo que a indecisão da apresentação de um nome forte para puxar o bloco majoritário e consequentemente proporcional tenha desgastado a oposição, esse clima é visto com prudência pelos palacianos.

Embora seja muito difícil recuperar o tempo perdido, já se viu por aí que uma eleição pode ser decidida do dia para a noite. É complicado, é. Mas nada impossível, acreditam lideranças do bloco oposicionista.

As especulações de que é esse ou aquele candidato têm embolado o meio de campo, complicando a escolha de quem vai disputar a eleição para o governo do Estado. O prefeito Rui Palmeira, por exemplo, disse esta semana que ainda não existe candidato definido e isso só será possível com o apoio irrestrito dos partidos de oposição. Por enquanto, é ter paciência, se é que ainda existe, e esperar.

Mágoa antiga

O ex-deputado José Thomaz Nonô, raposa velha da política alagoana, está fora da disputa do cargo de governador, mas apoia a maioria que indicar um nome para enfrentar Renan Filho. Nonô ainda não esqueceu o que aconteceu quando mantinha o desejo de disputar o governo: Téo Vilela, então governador, fez acordo com Renan Calheiros e deu no que deu.

Rejeição 1

Falta pouco para o deputado Marx Beltrão anunciar sua desistência de disputar uma das duas vagas ao Senado. Mas também, pudera. Nem o senador Renan Calheiros nem o governador Renan Filho admitiram aceitar a indicação de Marx Beltrão para o cargo de vice-governador, demonstrando total rejeição ao seu nome.

Rejeição 2

Também é público e notório que nem o senador Renan nem o governador também nunca aceitaram a candidatura de Marx Beltrão ao Senado. Ou seja, Marx sempre esteve distante das prioridades políticas de pai e filho. 

Ensinamento

Diz um velho ditado que um amigo magoado é pior do que um inimigo. Mesmo Marx Beltrão desistindo de sua intenção de se candidatar ao Senado, ninguém sabe sobre a reação das suas bases que historicamente sempre votaram nos Calheiros e que agora se decepcionaram com a ausência de reciprocidade da turma do Palácio dos Martírios.

Indicadores

Pesquisas para consumo interno de candidatos revelam que mesmo com a desistência da candidatura de Marx Beltrão ao Senado, os seus votos não migram para Renan Calheiros e sim para Rodrigo Cunha e Benedito de Lira.

Sem                   adversário

A ausência de adversário para disputar o governo do Estado tem deixado o governador Renan Filho como franco favorito. O mesmo, entretanto, não se pode dizer do senador Renan Calheiros, já que a candidatura de Rodrigo Cunha está disparada e na mesma velocidade de Benedito de Lira. Renan pode ganhar a eleição, mas não será tão fácil como imaginam seus assessores.

Alto lá

Se a oposição tivesse um candidato competitivo para disputar o governo, com certeza daria muita preocupação ao governador Renan Filho. Circulam informações nas redes sociais que pelo menos 35% dos maceioenses não votariam nele para o governo.

Só pra relembrar

Na eleição em que Geraldo Bulhões ganhou de Renan Calheiros, em 1990, quando Collor era presidente, falou-se em fraude eleitoral. Mas os números jogam contra essa desconfiança. No segundo turno, Geraldo Bulhões ganhou as eleições obtendo 424 mil e 480 votos, enquanto Renan só obteve 218 mil e 945 votos. Fraudar mais de 200 mil votos é dose.

Pra nada

O novo Instituto Médico Legal foi inaugurado com pompas, mas, pelos noticiários, ainda não está em funcionamento. Falta pessoal especializado para assumir novas funções e colocar o “elefante” para operar.

Gastando milhões

Enquanto o governo do Estado gasta milhões com propaganda nos órgãos de comunicação, com apenas 10% dessa dinheirama os estoques de medicamentos seriam repostos e macas seriam adquiridas principalmente para o Hospital Geral do Estado. 

Obras nas grotas

Com olho nas eleições de outubro, o governador Renan Filho meteu o pé no acelerador para construir escadarias em grotas na periferia de Maceió. Já está sendo chamado de rei das grotas.

Pesquisa furada

Em Arapiraca a tendência é de que Benedito de Lira e Rodrigo Cunha sejam os dois candidatos ao Senado mais votados no município. Renan chegaria em terceiro, ao contrário do que vem sendo divulgado recentemente.

Outros destinos

O fundo de auxílio à pobreza, o conhecido Fecoep, criado pelo ex-governador Ronaldo Lessa e que sangra os contribuintes todos os meses, também serve para outras atividades. Agora, por exemplo, serviu para construir um polo de confecções em Coruripe e inaugurado pelo governador Renan Filho. Só nessa obra o Fecoep utilizou recursos da ordem de R$ 531.741,75.

Outro hospital

Ninguém sabe onde o Estado vai buscar dinheiro para estruturar e manter diversos hospitais que estão sendo construídos pelo governo por aí afora. Agora, a vez é do alto sertão alagoano, mais precisamente em Delmiro Gouveia. Ali, serão investidos quase R$ 33 milhões somente para construir a obra, com 123 leitos e capacidade para 7.763 atendimentos mensais. Tudo perfeito, mas quem vai manter esse baita hospital?

Em ascensão

Empunhando uma bandeira em defesa do Rio São Francisco, o ex-prefeito de Traipu, Eduardo Tavares, tem sentido o crescimento de sua pré-campanha para deputado federal. Tavares, que tem realizado várias ações para a preservação do Velho Chico, rio de integração nacional, acredita que com esforço e objetividade o rio poderá ser revitalizado para o bem-estar da população ribeirinha. O ex-prefeito se notabilizou pela realização de uma administração séria e dinâmica em Traipu.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia