Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 978 / 2018

04/07/2018 - 09:52:29

Sururu

Da redação

Vitórias e 

derrotas 

1 - Mal teve tempo de comemorar o habeas corpus de Gilmar Mendes que o tirou da prisão, o ex-prefeito Celso Luiz Tenório Brandão é condenado pela Justiça Federal a 28 anos de cadeia por corrupção. 

2 - O ex-prefeito de Canapi passa a ser o primeiro gestor público de Alagoas condenado no escandaloso desvio de recursos do Fundeb, destinados à educação a Educação. 

3 - Além de perder a liberdade e os direitos políticos, Celso Luiz perde também a disputa com Washington Luiz Damasceno Freitas pelo comando político do Sertão. 

4  - Enquanto o ex-prefeito chora pela condenação, o desembargador ri por sua absolvição no CNJ, que o devolveu ao cargo após dois anos afastado de suas atividades por denúncias de improbidade. 

5 - Enquanto o ex-prefeito luta agora para adiar sua volta à prisão, Washington Luiz reassumiu o cargo de desembargador com gosto de vitória. 

6  - Além da disputa política com Celso Luiz, o desembargador de Piranhas tem os seus ini-migos de toga dentro do próprio TJ-AL. Absolvido por 11 votos a 2, o magistrado volta por cima. 

CNJ em ação

Ao completar 13 anos de atuação, o Conselho Nacional de Justiça, órgão de controle disciplinar do Poder Judiciário, contabiliza 87 punições contra magistrados. A aposentadoria compulsória foi a pena aplicada com maior frequência ao longo da história do CNJ. Foram decretadas 55 aposentadorias compulsórias, com vencimentos proporcionais ao tempo de serviço. 

Pena grave

A aposentadoria forçada é a pena mais grave para juízes vitalícios. A vitaliciedade é uma garantia constitucional para juízes que cumprem dois anos no exercício do cargo, mediante avaliação do desempenho funcional. Uma vez vitalícios, os magistrados só podem ser demitidos em consequência de sentença judicial transitada em julgado.

Tiro no pé 

1 - A ira do eleitor alagoano contra a classe política está turbinando a campanha do voto nulo, que vem aumentando a cada eleição, mesmo sendo o voto obrigatório. 

2 - Esse sentimento de vingança ficou patente na eleição de 2014, quando o índice de abstenções chegou a 39,48% no estado, incluindo votos nulos e brancos. 

3 - Especialistas no tema acreditam que o pleito deste ano registrará índices negativos bem mais expressivos, dada a indignação do eleitorado com seus políticos, agravada pela crise econômica do país. 

4 - A desilusão pode crescer ainda mais com a possibilidade de candidatura única ao governo de Alagoas, dado que a falta de disputa eleitoral reduzirá ainda mais os ânimos do eleitorado. 

5 - Mais desiludido ficará o eleitor ao descobrir que sua vingança foi um tiro no próprio pé. Ao anular o voto, estará contribuindo para eleger o pior dos políticos, quando poderia escolher o menos ruim. 

Voto dos grotões

Na falta de uma chapa de oposição em Alagoas, alguns políticos com fichas limpas alimentam a ideia de formar um grupo suprapartidário para atuar em defesa da cidadania. 

A meta é ganhar apoio e adesão do eleitorado consciente alinhado com a Lava Jato para somar esforços na luta por uma Alagoas menos corrupta. 

Difícil é eleger alguém desse grupo num estado onde o chamado voto consciente não faz um vereador. Sem falar que a Lava Jato passará ao largo dos grotões de Alagoas. 

Collor vem aí

Fernando Collor está fora da eleição presidencial mas não descarta a possibilidade de participar da disputa estadual. 

Segundo seus assessores, o senador está em Alagoas para analisar com seu grupo político os prós e os contra de uma candidatura ao governo. 

Com mais de 4 anos de mandato de senador pela frente, Collor tem até dia 15 de agosto para decidir se vai ou não ao embate eleitoral com Renan Filho. 

Em se tratando de Fernando Collor, tudo pode acontecer. 

Frases da semana

“Quem manda no STF é o grupo a favor dos corruptos”. 

Jurista Modesto Carvalhosa 

“O STF passa a ideia de que ser corrupto vale a pena”. 

Jurista Miguel Reale Jr

“Mais importante do que quem o STF vai soltar é quem vai prender os ministros do STF”. 

Jornalista Rodrigo Constantino 

STF solta todo mundo

A Segunda Turma do STF resolveu liberar em massa investigados do PT, do PMDB e do PSDB.

Os ministros já devem estar com passagens marcadas para o exterior, deixando um cenário de terra arrasada no Brasil. (O Antagonista). 

Golpe do PCdoB

O ataque do STF à Lava Jato ainda não acabou. Segundo O Globo, o PCdoB “pediu  para que o ministro Marco Aurélio Mello decida de forma monocrática sobre a legalidade da prisão em segunda instância”.

Se ele fizer isso, Lula será solto. E o Brasil explode. (Diogo Mainardi)

Vamos rir                     dos políticos

O Pleno do STF decidiu pela inconstitucionalidade da lei que proibia sátira contra políticos em época de eleição. O voto do ministro Celso de Mello foi decisivo:

“O riso deve ser levado a sério e junto ao humor são verdadeiras metáforas da sociedade. São renovadores, esclarecedores e por isso que são temidos pelos detentores do poder”.

Errata

Na edição 977, o EXTRA divulgou na capa que o ex-secretário de Gestão Pública e Finanças de Penedo, Marcos Beltrão, é acusado de corrupção. No entanto, Beltrão é acusado pelo Ministério Público do Estado (MPE-AL) de sonegar documentos, situação que não se encaixaria, em termos jurídicos, no crime de corrupção. Reiteramos que Marcos Beltrão, irmão do atual prefeito de Penedo, Marcius Beltrão (PDT), foi ouvido pela reportagem na construção da matéria dando sua versão sobre os fatos. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia