Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 977 / 2018

26/06/2018 - 19:11:12

JORGE OLIVEIRA

Misericórdia! O coração da esperança já não bate na Santa Casa

JORGE OLIVEIRA

Maceió - O doutor Wanderley, como todos conhecem, é uma espécie de unanimidade, uma celebridade em Alagoas. Sério, competente, humilde, é um profissional a serviço do bem. Já abriu o peito de mais de vinte mil pessoas, realizou mais de vinte transplante e preparou cerca de 80 especialistas na arte da cirurgia cardíaca. Suas intervenções médicas não distinguem rico de pobre, até porque o coração – felizmente – não tem raça, credo, nem cor ideológica. 

Este homem, José Wanderley Neto, que até então todos os alagoanos consideravam intocável pela sua contribuição à ciência brasileira e por sua altivez, honestidade, caráter, sofreu um revés na sua vida: foi desrespeitosamente despejado da Santa Casa de Misericórdia. Veja: eu falei misericórdia, que no mestre Aurélio quer dizer: clemência, bondade, comiseração, compaixão, doçura, humanidade e indulgência.

O que teria levado Wanderley a ser exortado da Santa Casa de Misericórdia, perguntar-se-iam os mais desavisados? Ou para ser mais direto, os mais de vinte mil pacientes de Wanderley que passaram pelas suas mãos delicadas de cirurgião e viram renascer uma nova vida. Inveja de uns, perseguição política de outros? Ou simplesmente arrogância e prepotência de uma entidade que não está apta a conviver com o contraditório dos questionamentos profissionais? 

No dia 14 (quinta-feira), quando um vídeo escapuliu do controle do doutor Wanderley e foi parar na internet, o povo alagoano ficou entorpecido com a notícia. Viu um doutor de semblante tranquilo, como é da sua natureza, calmo e sereno, como é do seu estilo, avisar a população que havia sido despejado da Santa Casa de Misericórdia. O coração de todos nós bateu em descompasso. Ninguém quis acreditar que Wanderley mostrava-se à população para avisar que seu bisturi já não estava a serviço da Santa Casa.

Numa carta em que se dirige aos alagoanos, depois da trágica notícia, o doutor Wanderley disse:

“Durante esse período não medimos esforços para salvar vidas e acalentar os corações dos que mais necessitam de assistência, o alagoano pobre e dependente do SUS. São pessoas que precisam da essência filantrópica do hospital e abnegação de sua equipe médica. 

Estivemos sempre, eu e toda a minha equipe de médicos e demais profissionais de saúde, superando os desafios e obtendo conquistas para a cardiologia alagoana, e, agregando ensino, pesquisa e assistência. (...) Colocamos Alagoas no mapa científico do Brasil ao realizar contribuições relevantes e originais que serviram de modelo para o país, a exemplo do programa de transplante de coração, iniciado há 25 anos, com histórias de vida emocionantes. 

Mas, revestido com a falácia Financeira, o espírito original e norteador das ações clínicas e institucionais da Santa Casa, que é a filantropia, se perdeu com o comando ditatorial de uma gestão predatória, que busca eliminar os que não concordam com o afastamento da instituição do seu motivo SER, definido desde quando foi fundada há mais de 150 anos, que é cuidar dos mais desfavorecidos e prestar um serviço de excelência e humanizado para toda população alagoana”. (Carta, na íntegra, na rede social).

Casta

Wanderley, inegavelmente, é peça do desmonte Brasil, constituído por uma linhagem de empresários privilegiados que pensam primeiro em seus interesses pessoais. Não é preocupação desses egocêntricos um médico como Wanderley que se preocupa com a medicina, que usa a ciência em prol dos mais pobres, dos mais necessitados, daqueles marginalizados pela sociedade. Para essa casta, insensível, que visa apenas o dinheiro da medicina mercantilista, Wanderley é um ponto fora da curva.

Um guia

O doutor Wanderley é referência nacional e internacional pela sua qualidade profissional e pelo desempenho na sua especialidade. O doutor Jatene, ex-ministro da Saúde, e um dos papas em cardiologia, tinha em Wanderley um confidente, com quem se comunicava frequentemente para trocar ideias e informações sobre o avanço da medicina cardíaca no mundo.

Simplicidade

Mas o nosso notável cardiologista não é apenas um médico que atravessou as fronteiras de Alagoas e do Brasil. Ele tem o seu nome lembrado entre os melhores cardiologistas do mundo. O doutor Wanderley também tem outras qualidades. Uma delas, a mais essencial, é o seu olhar social para a medicina, a sua simplicidade e a criatividade para transformar coisas difíceis em coisas simples, parte do seu êxito como médico respeitado e admirado.

Interior

Estudante pobre do Colégio Guido, onde chegou com bolsa de estudo, nascido em Cacimbinhas, pequeno município de Alagoas, o doutor Wanderley já fez incursões na política. Foi vice-governador de Alagoas e candidato a prefeito de Maceió. Acreditava, como acredita até hoje, que a política, quando exercida com honestidade e seriedade, é instrumento de transformação. Ademais foi também secretário da Saúde e é professor universitário. Prefere, portanto, dedicar-se à medicina acrescentando à sua lista de pacientes do SUS, normalmente pessoas marginalizadas, desenganadas e esquecidas em hospitais públicos.

Marca

Doutor Wanderley sempre foi a marca registrada da Santa Casa de Misericórdia quando se discutia excelência no tratamento cardíaco. Infelizmente, desde a semana passada, o coração da esperança já não bate mais naquela casa hospitalar. E, por isso, essa referência acaba melancolicamente em um centro de saúde que precisava de uma grife para se diferenciar dos outros hospitais com qualidade e eficiência.

Lastimável

A estreita visão de quem comanda uma casa de saúde como a Santa Casa é que leva ao perigoso caminho da “gestão predatória”, como assinala Wanderley em sua carta de despedida. O estado de Alagoas, contudo, é pródigo em desprezar e até esquecer seus personagens que contribuem para a ciência, literatura e para cultura geral. No caso do doutor Wanderley pode-se atribuir essa indiferença ao seu trabalho na saúde a uma visão medíocre e tirânica de quem está no pedestal da mediocridade. Ou aqueles gênios que não voltam mais à garrafa. São normalmente pessoas absolutistas que negam a capacidade de seus auxiliares para permanecerem no topo da intolerância e do poder.

Jogo baixo

Desesperados com a repercussão, a administração da Santa Casa apelou. Jogou baixo ao colocar imagem na rede social da invasão da casa de Wanderley por policiais federais, uma operação de rotina que só demonstrou a honestidade e a lisura do cirurgião em uma investigação arquivada. E pensar que o doutor ainda prestava serviço a essa casa de dedos duros é, no mínimo, uma falta de bom senso. 

E agora José?

Como na poesia de Carlos Drummond de Andrade (“E agora José?”)  e na música de Paulo Vanzolini (“Levanta sacode a poeira dá a volta por cima volta por cima”), o doutor Wanderley não tem dúvidas do que é capaz. É um homem arrojado e perseverante. Por isso mesmo o alagoano vai sempre contar com os seus serviços. Pena me dá dos medíocres e prepotentes. Esses, sim, são irrecuperáveis. E quando caem, não tem Vanzolini que os levantem.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia