Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 973 / 2018

29/05/2018 - 14:49:00

Meio Ambiente

Sofia Sepreny Estagiária sob a supervisão da Redação

Ibama

Agora o transporte de animais vivos ou abatidos só poderá ser feito mediante autorização de transporte e pagamento de boleto por meio do SISFauna, sistema de controle da fauna silvestre brasileira. A mudança feita pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Renováveis) é para evitar fraudes. Se o sistema não funcionar, o Ibama orienta para que a autorização seja emitida em qualquer unidade do instituto. A nova portaria foi publicada no Diário Oficial da União e substitui regra de 1997. A norma anterior exigia apenas a apresentação de Nota Fiscal emitida pelo Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Segundo o instituto, no entanto, notas falsas eram utilizadas para regularizar animais retirados da natureza.

Hortas urbanas

Comunidades de Maceió estão cultivando plantas medicinais e nutricionais. A iniciativa faz parte do projeto Varre Grota executado pela Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Aquicultura (Seagri) em parceria com Emater, Universidade Tiradentes (Unit), Universidade Federal de Alagoas (Ufal), associações dos moradores da Grota do Rafael e secretarias municipais da Saúde e do Meio Ambiente. Além de benefícios nutricionais, o projeto tem o propósito de incentivar a comunidade a cultivar alimentos saudáveis, além de fazer o uso das plantas medicinais, condimentares, aromáticas e não convencionais em sua dieta.

Corais da Amazônia

Localizado primeiramente na costa norte do Brasil, os corais da Amazônia cobrem uma área muito maior do que se imaginava.  Fragmentos do recém-descoberto recife de corais no Atlântico próximo à região da foz do rio Amazonas foram encontrados não apenas no Brasil, mas também em águas da Guiana Francesa. O problema é que essa região poderá receber plataformas de exploração de petróleo e depois dessa descoberta ficou ainda mais importante protege-las da indústria do petróleo. Com as fortes correntes que existem no mar da região, um derramamento de óleo nas plataformas situadas no Brasil poderia também atingir e danificar o recife na porção da Guiana Francesa

De Alagoas para o mundo

Um estudo feito por equipe de pesquisadores da Universidade Federal de Alagoas (Ufal)  que monitora o vírus Chikungunya no estado foi publicado numa revista científica de circulação internacional. O trabalho de acompanhamento epidemiológico permite uma constante vigilância sobre os surtos de arboviroses recentes, deixando o estado em alerta para epidemias emergentes.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia