Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 973 / 2018

29/05/2018 - 14:38:18

Sururu

Da redação

Sucessão indefinida

1 - Perdeu quem apostou que a anunciada candidatura do deputado Rodrigo Cunha ao Senado definiu a disputa majoritária em Alagoas. Sua entrada na briga por uma vaga de senador deve desencadear um novo cenário, até então inimaginável.

2 - Tudo vai depender das próximas pesquisas eleitorais para consumo interno, que podem mudar tudo, inclusive a disputa ao governo do Estado. Entre essas alterações não se descarta uma possível troca de Maurício Quintella por Marx Beltrão como segundo candidato a senador na chapa de Renan Filho ou até mesmo a saída dos dois da disputa ao Senado. 

3 - Mas a grande novidade – já admitida nos bastidores – será a possível entrada do senador Fernando Collor na briga pelo Palácio dos Martírios. Rui Palmeira seria o único adversário capaz de encarar uma disputa real com Renan Filho, mas sua decisão de continuar prefeito deixou a oposição na orfandade e a sucessão sem adversário.

4 - Com mais um mandato de senador pela frente, Collor nada tem a perder e pode entrar na briga para valer. Sua participação na sucessão estadual tem o aval de vários segmentos políticos e funcio-naria como primeiro round da grande disputa a ser travada no pleito de 2022. 

5 - Quem sair fortalecido da eleição deste ano dará as cartas no pleito de 2022. Para o bem ou para o mal, a disputa eleitoral de daqui a 4 anos definirá o grupo político que continuará mandando em Alagoas. E na batalha final estarão Collor e Renan Filho. 

Preço do etanol

Esta semana a imprensa local destacou em manchetes que o preço do álcool nas bombas registrou o maior aumento do País. Esqueceram de avisar aos leitores que em Alagoas o etanol tem o maior ICMS do Brasil (23%), empatado com Pernambuco, que tem igual alíquota. 

Como esta coluna informou na edição anterior, o álcool hidratado sai da usina por R$ 1,80 e chega ao consumidor por R$ R$ 3,557. No meio do caminho o preço do produto é aumentado em 41% pelas distribuidoras, mais 10% do lucro dos postos e, por fim, o ICMS de 23%. No final, entre a usina e o posto, o álcool carburante sofre aumento de 55%, o maior de todo o País. 

O mesmo raciocínio vale para os demais combustíveis comercializados em Alagoas. 

Vem pra Caixa...

Enquanto pressionava os lotéricos impondo cotas de produtos e serviços da Caixa, o então diretor do banco, Gilberto Occhi, cuidava de beneficiar a família com a concessão de novas lotéricas em Alagoas.

O hoje ministro da Saúde também usou dinheiro da Caixa em negociatas com Chico Vigário envolvendo a venda da lotérica de Atalaia, do filho de Occhi, para o filho do prefeito.

Revitalização

A Câmara de Maceió autorizou o prefeito Rui Palmeira a tomar empréstimo externo para obras de revitalização de vários bairros da Capital. Esse tema nos remete aos projetos de revitalização de centros históricos que viraram febre no Brasil, inclusive em Alagoas. 

Quem não lembra da revitalização de Jaraguá, nos governos de Lessa e Kátia Born, que torraram milhões de dólares em empréstimos externos e logo depois o bairro voltou à decadência. O mesmo aconteceu com a despoluição do Salgadinho, que engoliu milhões de reais e até hoje continua uma fossa a céu aberto. 

Além da vergonha pública, restou dessa época a triste imagem de Kátia Born mergulhando nas águas podres do riacho como marketing político da reeleição. Esses projetos só revitalizaram mesmo as contas bancárias de muitos gestores desonestos. 

Queda e coice

Não convidem para a mesma reunião o senador Benedito de Lira e o deputado Rodrigo Cunha, que virou uma pedra no calcanhar do Biu. Tudo por conta da candidatura de Cunha, que se credencia como possível mais votado entre os pretendentes ao Senado, ameaçando a reeleição de Lira. 

O senador ainda nem digeriu a decisão de Rui Palmeira de não disputar o Governo, o que o deixou sem palanque majoritário. Para seus opositores, desta vez Biu vai dançar, de verdade. 

Rei do gado

Um conhecido político alagoano está investindo pesado no Sertão de Alagoas, comprando tudo o que é de fazenda para criação de gado. Quer levar para a região sua experiência em Quipapá (PE), onde é conhecido como rei do gado. 

Barbas de molho

A decisão da Justiça de bloquear os bens da construtora Marroquim para garantir a quitação de dívidas com a Previdência deixou muita gente com as barbas de molho.

Afinal, outras empresas do setor – até então tidas como sólidas no mercado alagoano – quebraram nos últimos anos deixando dezenas de famílias em dificuldades. 

Tido como empresário sério, Mário Marroquim enfrenta problemas em Belém do Pará, mas em Alagoas continua honrando seus compromissos. Menos mal. 

Insones

As denúncias de corrupção contra o ex-presidente da Caixa e atual ministro da Saúde, Gilberto Occhi, têm tirado o sono do senador Biu de Lira e do filho Arthur. É que a dupla tem usado o orçamento da Saúde como suporte para aliciar o apoio político de prefeitos e vereadores.

Novo diretor 

O médico alagoano Darci Tavares Pinto assumiu o comando do Hospital de Urgência de Sergipe (HUSE), o HGE dos sergipanos. Seus conterrâneos de Pão de Açúcar desejam uma gestão de sucesso ao novo diretor do maior hospital público de Sergipe. 

Acredite se quiser 

Pesquisa divulgada pela TDL revela que Renan Calheiros lidera corrida ao Senado com 35% das intenções de voto, seguido de Marx Beltrão, com 24%. Em terceiro vem Biu de Lira com 20%. Rodrigo Cunha, último a confirmar candidatura, aparece em quarto lugar com 12% e Maurício Quintella é o lanterninha com 7% das intenções de voto.

Detalhe: o dono da TDL é o empresário Tadeu Lira, que vem a ser sobrinho de Biu de Lira. Após brigar com o tio por ter interesses contrariados, Tadeu se aliou a Marx Beltrão, de quem ganhou o cargo de administrador do Porto de Maceió. Hoje, Tadeu é o homem de confiança da família Beltrão. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia