Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 972 / 2018

22/05/2018 - 15:43:21

Pura hipocrisia

JOSÉ MAURÍCIO BREDA

A propósito das últimas notícias dando conta de crimes políticos cometidos durante o governo militar iniciado em 1964, lembrei de um diálogo que presenciei, há alguns anos, entre um jornalista e um oficial reformado do Exército nacional. Estávamos em dezembro de 2008 no velório de meu saudoso sogro Ib Gatto, no salão nobre da Academia Alagoana de Letras, quando o oficial falou para o grupo que Dr. Ib só o chamava de general e ele, sendo também escritor e acadêmico, dizia: Ib, fui reformado como coronel. Mas dizia que não adiantava, pois era costume do mestre apelidar carinhosamente as pessoas. Foi quando o jornalista, sem saber até então da formação militar do escritor, perguntou de chofre: “Coronel, qual foi o maior erro cometido pelo governo militar na revolução de 64?” O coronel não titubeou: “Foi não ter exterminado todos os comunistas terroristas da época. Estaríamos livres dessa corja que hoje se locupleta de nossa Nação. Sobrevivendo, conseguiram arrancar do erário vultosas indenizações por pretensos sofrimentos passados, esquecendo os atentados cometidos por eles próprios”. 

Esse diálogo se deu quando estávamos apenas no meio dos desastrados governos petistas. Algumas coisas valem a pena trazer à baila. Como viram, não tratei como ditadura o regime militar de 1964, como a esquerda não trata o governo cubano de ditadura. Da mesma forma o da Venezuela e outras ditadurazinhas espalhadas pelas Américas e África. Democracia é a palavra mais usada por esses pseudo-democratas, quando o regime que queriam e querem implantar em nosso país é exatamente o oposto. O assassinato da vereadora do Rio de Janeiro, pasmem, é tratado como um “atentado à democracia”. Diferentemente, as prisões de políticos oposicionistas de suas ditaduras nesses países, não o são. Chegam ao ponto de classificar a prisão do ex-presidente Lula como sendo política, quando se sabe que ele cometeu os crimes pelos quais responde. Mas, o fingimento não para por aí. Não defendo assassinato em nenhuma hipótese, mas os esquerdistas que acusam os militares brasileiros de terem cometido crimes políticos, são os mesmos que fazem apologia a Fidel Castro, a Ernesto Che Guevara, a Hugo Chávez e a seu pupilo e sucessor, Nicolas Maduro, quando sabem que, para realizar seus intentos, não vacilaram em torturar e matar seus opositores. Aos milhares. Sem esquecer Stalin. E exibem fotos, principalmente do impiedoso sanguinário Che Guevara, em seus gabinetes e camisas que vestem. A hipocrisia da esquerda dá-nos a medida certa do que seriam capazes de perpetrar se tivessem conseguido, à época, tornar realidade seus intentos. Não seriam apenas os cento e poucos atribuídos aos nossos militares, mas iriam rivalizar com seus gurus criminosos, alcançando cifras inimagináveis. E não esqueçamos a corrupção sistêmica que implantaram em nosso país. Como diz o cientista político Paulo Kramer: “Roubar para permanecer no poder e permanecer no poder para roubar”. O que a esquerda prega, é pura hipocrisia. A máscara que carregam, já não conseguem livrar-se dela. Incorporou-se às suas fisionomias.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia