Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 969 / 2018

02/05/2018 - 16:00:59

Mortes por câncer avançam em todo o País

Doença é a que mais mata em 10% dos municípios brasileiros

Maria Salésia com assessoria [email protected]
Quantidade de municípios por estado onde o câncer é a maior causa de óbitos

Os dados são alarmantes e servem de alerta para a população. Dos 5.570 municípios brasileiros, 516 têm o câncer como principal causa de morte. Apesar do alerta, Alagoas e Amapá foram os únicos estados que não se encaixam nessa situação, além do Distrito Federal, que não se divide em municípios. Nesses casos, a principal causa de óbito está relacionada às doenças do aparelho circulatório. Mesma sorte não teve o Rio Grande do Sul que é o estado com o maior número de municípios onde o câncer é a primeira causa de morte.

O levantamento foi feito com base nos números oficiais mais recentes do Sistema de Informações de Mortalidade (SIM). De acordo com a análise do Observatório de Oncologia do movimento Todos Juntos Contra o Câncer (TJCC), em parceria com o Conselho Federal de Medicina (CFM), a doença avança a cada ano e, com a manutenção dessa trajetória, em pouco mais de uma década as neoplasias serão as responsáveis pela maioria dos óbitos no Brasil.

De acordo o documento, em todo o país, as mortes por câncer representam 16,6% do total. 

As estatísticas são referentes a 2015 e trazem também a situação de assistência nos estados a portadores de câncer. Segundo a presidente da Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia (ABRALE), Merula Steagall, a expectativa é de que o estudo contribua para um melhor planejamento das ações de controle, prevenção e tratamento da doença no Brasil.

“O aumento da mortalidade pela doença aqui está relacionado, também, às dificuldades enfrentadas pelo paciente para o diagnóstico e para o acesso ao tratamento. Diversos tipos de câncer são preveníveis e outros têm seu risco de morte significativamente reduzido quando diagnosticados precocemente” alertou Merula.

Diante dos números, especialistas afirmam que é importante discutir o avanço do câncer.

Na visão do CFM, é preciso envidar todos os esforços para conter essa epidemia e manter a obediência às diretrizes e aos princípios constitucionais que regulam a assistência nas redes pública, suplementar e privada no Brasil.

Outro dado importante da pesquisa é que a maior parte das cidades onde o câncer já é a principal causa de morte está localizada em regiões mais desenvolvidas do País, justamente onde a expectativa de vida e o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) são maiores. Dos 516 municípios onde os tumores matam mais, 80% ficam no Sul (275) e Sudeste (140). No Nordeste, estão 9% dessas localidades (48); no Centro-Oeste, 34 (7%); e no Norte, 19 (4%).

Das 9.865 mortes registradas nas 516 cidades, a maioria foi entre os homens (57%). Seguindo a tendência do grupo, em 23 estados os homens lideram o número absoluto de mortes. É o caso de Alagoas onde 60% das mortes foram de homens e 40% de mulheres. Em 21 cidades brasileiras não houve sequer registro de óbito entre as mulheres. Apenas no Ceará e em Mato Grosso do Sul elas foram maioria nos registros de óbitos. Em 62 municípios as mortes registradas em 2015 foram iguais para os dois sexos.

ASSISTÊNCIA

Em relação a estabelecimentos de saúde habilitados para tratamento do câncer, Alagoas possui cinco Unidade de Assistência de Alta Complexidade em Oncologia (Unacon).

O jornal EXTRA manteve contato com a assessoria de comunicação da Secretaria de Saúde de Alagoas para saber sobre os números de Alagoas, mas a informação foi de que “os dados epidemiológicos sobre o câncer são fornecidos pelo Instituto Nacional do Câncer (Inca). Para obter as informações favor entrar em contato com a Assessoria do Inca”, disse ao repassar números de telefones e e-mail do órgão.

Pesquisa do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca), do Ministério da Saúde, de fevereiro deste ano, estima que 5.050 pessoas em Alagoas podem ser diagnosticadas com câncer ainda em 2018.  Segundo o documento, a estimativa é que, do total, 630 sejam de próstata; 560 de mama; e 320 de cólo de útero. Somente em Maceió, a previsão é que 1.840 novos casos sejam descobertos. No entanto, a maioria dos casos poderia ser evitada se as pessoas tivessem hábitos saudáveis. É que, para especialistas, o impacto do dia a dia é maior do que a genética.

E para evitar a receita é simples: basta ter hábitos saudáveis de vida, alimentação, que é comer alimentos frescos sem ser enlatados, maior consumo de frutas e verduras, e diminuir o consumo de carne vermelha, além de fazer exames de prevenção, ter o peso ideal e praticar atividade física.

FIQUE SABENDO

Câncer é o nome genérico para um grupo de mais de 200 doenças. Embora existam muitos tipos de câncer, todos começam devido ao crescimento e multiplicação anormal e descontrolado das células. A enfermidade também é conhecida como neoplasia. A ciência médica que estuda o câncer se denomina Oncologia e é o oncologista o profissional que trata a doença.  Os cânceres que não forem tratados causam doenças graves e morte.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia