Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 968 / 2018

24/04/2018 - 22:37:47

JORGE OLIVEIRA

Lula não parou o Brasil

JORGE OLIVEIRA

Rio - Eu não sei se você sente a mesma coisa, mas acho que o Brasil mergulhou na sua pior decadência moral desde que o Partido dos Trabalhadores assumiu o poder. Tudo que está aí foi provocado pelos petistas: o Temer, a Lava Jato, o Lula, a Dilma, a Gleisi, o Zé Dirceu, o MST, o Stédeli, os empreiteiros, os doleiros, o mensalão, os contraventores, a violência, o Cabral, o Pezão, enfim, tudo que se refere a patifaria o PT está envolvido. 

Parece que a turma do PT subiu em um foguete e lá de cima, ao avistar a terra, mirou o Brasil e jogou uma chuva de imoralidade que contaminou todo mundo. Do mais simples servidor ao mais alto escalão da república, todos foram molhados por essa chuva indecente. A anarquia é geral: os ministros dos tribunais superiores vivem se ofendendo a cada sessão; os amigos do Temer são presos; um ministro do STF solta o Maluf; e um bando de militantes ameaça a presidente do STF vandalizando a sua residência.

Conclui-se, portanto, que a esculhambação é geral e o despreparo dos nossos governantes é alarmante. Tudo é feito no improviso. Veja, por exemplo, a intervenção no Rio de janeiro. Foi só as tropas do Exército chegarem às comunidades que os milicianos e os traficantes decidiram matar mais policiais e intensificar os tiroteios que normalmente acabam com a morte de inocentes. Há quase um mês nem rastro dos criminosos da vereadora Marielli. O Exército adota nas favelas a estratégia de ocupação da ONU em países sitiados por guerra ou devorados por fenômenos naturais como vulcão, temporais, terremotos ou outro tipo de tragédia, operações inúteis para combater a criminalidade carioca. 

Ora, já se sabia que a violência no Rio não iria acabar da noite para o dia com os brucutus do Exército nas comunidades. A cidade está acéfala de governante. O Pezão não existe, virou marionete. Recolheu-se e assiste a cidade afundar sentado em uma poltrona repetindo que ainda é “o governador e quem manda no estado é ele”, como um maluco no pátio de um hospício. O prefeito está mais preocupado com a caixinha dos cultos evangélicos do que com a administração da cidade. É uma calamidade imaginar que o Rio de janeiro está entregue às traças e seu povo em desalento, sem salários, sem segurança, sem saúde, sem escola e sem governo. 

Todos foram contaminados pela chuva da imoralidade petista. O Pezão e o Cabral, o chefe da organização criminosa, eram aliados de Lula. A Dilma tratava o Pezão como um bichinho de estimação, como se aquele homenzarrão, de orelhas arroxeadas e de pés avantajados fosse de um planeta distante. Várias vezes elogiou a sua atuação como governador até aparecer o escândalo da Lava Jato que botou a metade do secretariado na cadeia. Essa turma do MDB fluminense foi forjada pelo PT e o seu escultor chama-se Lula da Silva que não cansava de enaltecer o Cabral como o mais “honesto” e o mais “sério” da história do estado.

Os cofres

O PT avacalhou o país desde que começou a esvaziar os cofres públicos. O pessoal do andar de baixo seguiu o exemplo dos de cima e começou a meter a mão também. Atualmente o que mais se ouve na cidade é a sirene da Polícia Federal acordando empresários e políticos bandidos. 

Bagunça

A coisa está tão bagunçada que os ministros do STF já não têm convicção dos seus votos. A principal Corte do país está receosa de julgar o habeas corpus para soltar os criminosos do PT com medo de represália. Pressionados pelos militantes lulistas, seus ministros temem ser hostilizados nas ruas por exercerem o direito legitimo de julgar réus já condenados em segunda instância. O pior é que isso é só o começo. Ainda vem chuva grossa por aí.

A visita

Um bando de senadores visitou a cela onde Lula está preso. Todos saíram de lá elogiando as instalações, mas não passaram nenhum recado para o público sobre a condição do presidiário lá dentro. Alguns parlamentares petistas disseram apenas que o ex-presidente está sendo bem tratado, mas se negaram a conversar sobre o assunto que trataram com ele e quem seria o provável substituto de Lula nas eleições deste ano já que ele está inelegível para concorrer.

Presídios

Que bom seria que esses senadores tivessem a mesma preocupação com milhares de outros presidiários que vivem em celas imundas e infectas no país. Familiares desses presos ficariam aliviados que os senadores denunciassem as condições sub-humanas desses presos – homens e mulheres –  em várias penitenciárias, onde os motins ocorrem quase diariamente com mortos e feridos.

Fica

A julgar pelos últimos julgamentos do STF, Lula vai ficar um bom tempo na cadeia. Especula-se que pelos crimes que ainda vai responder, a sua permanência no cárcere deve passar dos 10 anos, o que significa um sexto que cumprirá da condenação que pode chegar aos 60 anos. Assim, com os atuais 73 anos, Lula deve dar adeus às suas pretensões políticas porque ao sair do cárcere o mundo já mudou e o PT talvez nem exista mais como partido de massa.

Herdeiros

Não existe herdeiro político do Lula, pois ele nunca se preocupou em fazer seu sucessor dentro do partido. Quando teve oportunidade de fazer isso, criou a Dilma para transformá-la depois em marionete. E assim o fez. Durante o governo dela, Lula é que comandou o país até ela deixar o Palácio do Planalto com uma popularidade que chegava aos estratosféricos números de 90%.

Calmaria

A frustração de Lula na prisão é muito grande, segundo comentário de alguns dos parlamentares que estiveram com ele em Curitiba. Ele acha que o Brasil todo iria para as ruas protestar contra a sua prisão, o que não ocorreu. Depois do circo armado no prédio do sindicato dos metalúrgicos, onde ele incitou à violência, nada mais ocorreu nas ruas do país. Reina calmaria de um canto a outro. Se os julgadores do Lula tinham receio de uma insurgência, agora perceberam que tudo não passava de blefe da turma do PT que usava a internet para aterrorizar os ministros do STF.   

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia