Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 967 / 2018

17/04/2018 - 21:09:21

Sonhar, ousar e perseverar

Alari Romariz Torres

Esta semana vi um vídeo na internet cuja figura principal era um integrante da Operação Lava Jato, explicando porque não desistiu de combater a corrupção no Brasil.

Dois dias depois, ouvi pelo rádio que a Polícia Federal fez uma visita à Assembleia Legislativa de Alagoas, buscando provas a respeito de denúncias encaminhadas à nossa brilhante instituição.

Partindo desses dois acontecimentos, senti-me fortalecida e descobri que não devemos desistir de denunciar políticos corruptos que tomaram conta do nosso estado e vão passando para filhos e parentes a maneira errada de dirigir os destinos de Alagoas.

Para reforçar meu sonho, veio a prisão do Lula. Não porque ele seja responsável por tudo que vivenciamos nos últimos anos, mas eu não acreditava que ele fosse parar na prisão. A pressão popular era muito grande, tanto contra como a favor do metalúrgico que chegou à Presidência da República.

Assisti à sessão do Supremo Tribunal Federal onde foi julgado o habeas corpus que decidiria o futuro do ex-presidente. Parecia filme policial! Os ministros se transformam em personagens fictícios e tentaram convencer a população que seus discursos eram verdadeiros. Não sei para que temos as leis e a Constituição! Cada um as interpreta conforme seus próprios interesses.

Fiquei entusiasmada com três mulheres naquele momento: Raquel Dodge, Rosa Weber e Cármen Lúcia. Desempenharam seu papel com firmeza e correção. A cena cômica foi a reação do ministro Marco Aurélio quando começou a entender o voto da ministra Rosa Weber. Ficou irritado, quase pulou da cadeira e tentou desmerecer a opinião da valente mulher.

Enfim, venceu boa parte da opinião pública e o Lula foi preso! Faltam muitos serem punidos e um longo caminho a ser percorrido pela Lava Jato!

Tudo isso me traz confiança e força para continuar mostrando ao povo das Alagoas que ainda existem homens e mulheres corruptos agindo nos bastidores do poder, usando o dinheiro público em benefício próprio e comprando o voto popular.

Parece até que nada acontece no Brasil: vários políticos estão presos e muitos já indiciados. Eles, os parlamentares alagoanos, agem descaradamente, não respeitam a Justiça, não temem o Ministério Público nem a Polícia Federal!

Alagoas é um caso diferenciado! Já houve morte por conta dos desmandos, mas nada impede que as quadrilhas continuem agindo.     

Só se fala em eleições de 2018! Criaram um tal de Fundo Partidário que é uma verdadeira mina! E o dinheiro é público, isto é, vem do povo. Os donos dos partidos negociarão o grande valor destinado a eles de acordo com suas convicções. E os interesses por grana, muita grana, superam o idealismo.

As chances de um sonhador, que pense no bem do Brasil, ser candidato, são mínimas. Ele precisará de recursos para financiar sua campanha e não os terá. Muito menos apoio de correligionários.

E nós, sonhadores brasileiros, continuaremos lutando por dias melhores, denunciando as falcatruas realizadas pelos homens poderosos, sofrendo perseguições e, alguns até morrendo!

Não liguem para os tolos que insistem em mostrar à sociedade o que existe nos bastidores das casas públicas, dizem os supostos donos do poder. E acrescentam: ela é velha, não sabe o que diz! Não vai dar em nada! Ganharemos as eleições e continuaremos enganando o povo!

Mas, para alívio nosso, existe uma Lava Jato que conseguiu prender vários políticos corruptos! Existe uma Raquel Dodge, responsável por atitudes dignas de respeito! Temos uma Polícia Federal que, apesar de sofrer ameaças, cumpre seu papel. Sem falar no Ministério Público, órgão que desempenha muito bem o seu papel.

Vamos continuar sonhando com um país limpo, ousando nas atitudes de denunciar os crimes cometidos contra o patrimônio público e perseverando no difícil caminho que levará Alagoas e o Brasil para o quase inatingível paraíso do bem!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia