Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 965 / 2018

04/04/2018 - 21:07:06

GABRIEL MOUSINHO

O risco de Quintella

Considerado traidor pelo grupo de oposição embora rechace o título, Maurício Quintella parece estar mesmo consciente de que vai enfrentar uma batalha que nem ele próprio sabe o desfecho disso tudo. Ao se aliar a Renan Calheiros e disputar uma vaga no Senado, o ministro dos Transportes sabe que está desagradando o presidente Michel Temer e que não poderá fazer sombra a quem lhe acolheu na aliança política, no caso o MDB. E Renan não abre mão disso. Trabalha feito um louco para se reeleger, sua única chance de não ter problemas, pelo menos por enquanto, na Justiça lá em Brasília.

Quintella, por sua vez, surpreendeu a todos do bloco de oposição, quando pulou do barco. O ministro já vinha preparando o terreno e soube até mesmo pelo senador Renan de que Rui Palmeira não disputaria as eleições para o governo. O ministro sabe que não poderá fazer sombra ao próprio senador Renan Calheiros para não ser atropelado durante a campanha política. É um jogo perigoso, mesmo porque ele sabe, mais do que ninguém, que a batalha eleitoral será intensa, com ele e Renan de um lado e Benedito de Lira, Alfredo Gaspar de Mendonça e até mesmo a possibilidade de Marx Beltrão estar do outro.

O que se enxerga de tudo isso é que político não tem bandeira, não é fiel a programas, não pensa num Brasil melhor, a não ser em si mesmo e nas oportunidades que surgem do dia para a noite.

Maurício Quintella tem, sim, um futuro promissor, mas vacila quando o tema é interesse pessoal e do grupo que estava ligado. Para ele, é melhor agora estar do outro lado, do clima do já ganhou onde possa se salvar do jogo eleitoral, do que mesmo se manter fiel às origens. É uma questão apenas de oportunidade, ficando do lado mais forte. Mas é muito perigoso e pode, com essa sua decisão, dar um tiro no pé.

Sem acreditar

Muita gente está pagando pra ver se Maurício sai mesmo candidato ao Senado. As pessoas acham que, na hora H, Maurício renuncia ao projeto e se mantém candidato à reeleição. O problema todo consiste no compromisso que Renan pai fez com Marx Beltrão e que a vinda de Quintella para o grupo estaria dentro dessas previsões. A situação é tão delicada que o governador Renan Filho já disse que votaria no Maurício, ou seja, definiu seus candidatos ao Senado. Será?

Histórico 

De um aliado do grupo de oposição sobre a decisão de Maurício Quintella se aliar aos Renans: “ele tem um histórico de traição. É só relembrar eleições anteriores quando abandonou João Lyra e atirou-se nos braços de Téo Vilela”.

Lá e cá

O que muita gente não está entendendo é porque Maurício Quintella depois de se aliar a Renan indicou o secretário de Infraestrutura do governo do Estado e continua com o mesmo cargo na prefeitura de Maceió.

Olho no futuro

O senador Fernando Collor tem consciência de que, em 2022, Renan Filho sendo reeleito, vai buscar seu mandato de senador. Por isso mesmo que o ex-presidente vai trabalhar para evitar surpresas futuramente.

Limpeza

É esperado que o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, faça uma mudança no seu secretariado nos próximos dias. Vai trabalhar com quem está do lado dele e afastar quem estiver do lado de lá.

Esperado

Já era esperado que Marx Beltrão levasse um drible de Renan Calheiros, ou está em curso um grande esquema até a definição dos candidatos. E aconteceu depois de Calheiros atrair Maurício Quintella para ser seu compa-

nheiro de chapa para o Senado pelo lado da situação. Resta Marx abandonar o MDB e se agarrar no PSD para sair como candidato majoritário ou esperar uma possível renúncia de Maurício Quintella.

Coragem

Mantendo sua candidatura ao Senado, alguns percalços devem acontecer daqui pra frente. Por exemplo: Marx Beltrão vai estudar a viabilidade ou não de votar em Renan Calheiros como o segundo voto para o Senado. Se não, Renan perderia uma boa fatia do bolo na região Sul do estado.

Pouca chance

Ficando ao lado de Renan Calheiros, Marx Beltrão teria que dividir o eleitorado com três candidatos ao Senado, tarefa muito difícil de obter êxito. Marx decide até a próxima semana onde vai ficar.

Surpresa de Lessa

O deputado Ronaldo Lessa vai tirar a prova dos nove quando começar mesmo a campa-

nha para as eleições deste ano. Surpreso, ele tomou conhecimento de que Maurício Quintella, agora candidato ao Senado, estaria pronto para apoiar Isnaldinho Bulhões para a Câmara Federal. Lessa, para quem não sabe, foi quem ajudou Maurício a ser vereador, presidente da Câmara e sua eleição para deputado federal. Se for verdade, é muita ingratidão, disse um amigo do ex-governador. 

Pra baixo

O Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) revelou dados que depõem contra o governo de Alagoas. No oba-oba do Estado ter se transformado num canteiro de obras, o órgão mostra que Alagoas teve o pior desempenho do país no último mês, eliminando 10 mil e 698 postos de trabalho. 

Carta na manga

Quando diz que ainda mantém sua pré-candidatura ao Senado, Marx Beltrão deve ter alguma carta na manga. O garoto não é tolo e sabia que, mais cedo ou mais tarde, seria afastado do projeto dos Calheiros. Marx tem potencial eleitoral, principalmente na região Sul do estado e isso pode fazer a diferença.

Vaga garantida

Para pessoas ligadas ao senador Benedito de Lira, a disputa para o Senado vai ser muito interessante, principalmente porque os outros candidatos irão brigar por uma vaga, já que a do Biu está garantida. O presidente regional do PP tem influência política em todo o estado e deverá ser o mais bem votado em outubro, como aconteceu nas eleições passadas.

Em alta

Para o presidente da Câmara, Kelmann Vieira, não existe tempo ruim. Ele superou as dificuldades encontradas, manteve o bom relacionamento existente entre os vereadores e ainda por cima tem dado prioridade ao funciona-

lismo da Casa de Mário Guimarães. O reajuste concedido aos servidores, bem demonstra o equilíbrio financeiro da Câmara como sua preocupação com o corpo administrativo da instituição. Kelmann será um grande reforço a quem se aliar para as eleições de outubro.

Exemplo de Traipu

Já o prefeito Eduardo Tavares, que deixa o comando de Traipu para tentar uma vaga na Câmara Federal, não tira o pé do acelerador. Nos últimos dias à frente do município, tem inaugurado obras, cumprido ao pé da letra com os recursos para a Saúde e Educação, além de trazer tranquilidade com a segurança dos traipuenses. Tavares é um dos prefeitos de maior respeitabilidade em Alagoas e tem muitas chances de ganhar as eleições.

Coração de mãe

O palanque para presidente do grupo da situação está como coração de mãe. Cabe todo mundo. No grupo dos Calheiros irão participar do palanque presidencial quase todos os partidos, numa mistura de jacaré com cobra d´água.

Só flores

Maurício Quintella que até bem pouco tempo fazia críticas pontuais na Educação e Segurança Pública, agora mudou de lado e já passa a defender o governo de Renan Filho. Coisas da política, dizem frequentadores do Palácio dos Martírios.

Julgamento

Embora esteja muito otimista com sua absolvição, Maurício Quintella vai ser julgado no dia 3 de abril pela 2ª Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) pela suposta prática de crime de peculato, que envolvem recursos na ordem de R$ 52 milhões do Fundeb, quando era secretário de Educação de Alagoas no governo de Ronaldo Lessa. “Estou confiante que o STF me absolverá não recebendo a denúncia do Ministério Público”, diz o ministro e candidato ao Senado Federal.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia