Acompanhe nas redes sociais:

19 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 965 / 2018

04/04/2018 - 21:05:01

Meio Ambiente

Sofia Sepreny da Costa

Coala brasileiro

 O primeiro coala brasileiro nasceu na última terça-feira, 27,  em São Paulo. O bebê coala é filho (ou filha) de um casal de coalas australianos que chegou no Aquário de São Paulo em 2016. Na Austrália, os coalas estão em risco de extinção.

Metais pesados

 A fauna marinha da região gélida das ilhas Kerguelen (um grupo de ilhas localizadas no extremo Sul do oceano Índico) também é mais uma região contaminada por metais pesados. A localidade habitada por seres humanos mais próxima das Kerguelen é Madagáscar, a mais de 3.300 km de distância de lá —mas nem esse isolamento foi capaz de impedir a contaminação por mercúrio e cádmio. O resultado não é apocalíptico (há níveis de contaminação mais altos em espécies da Antártida, por exemplo), mas trata-se de mais um sinal de como não há canto da Terra em que os dejetos industriais humanos não tenham feito estrago.

Inovação na agricultura

Um agricultor de Arapiraca inovou ao criar um equipamento muito utilizado na agricultura, o microaspersos. João Raimundo dos Santos, 66,  fez um microaspersos artesanal, com palitos de pirulito, ferro e arame. O equipamento é um sistema de irrigação sustentável e foi apelidado de “Chuva de Doçura”. A criação do objeto  pode fazer a diferença para trabalhadores do campo que, muitas vezes, não têm, sequer, o dinheiro para a compra de sementes para iniciar o plantio.

Protetor solar

 Alguns ingredientes de protetores solares são nocivos para os corais marinhos e estão relacionados à descoloração dos recifes. Isso criou uma campanha global pela criação de protetores menos nocivos ao meio ambiente, como biodegradáveis. Os produtos químicos dos protetores solares, que se desprendem do corpo ao nadar ou chegam ao mar pelo saneamento depois do banho, são um problema “maior que a mudança climática” para os corais, de acordo com Craig Downs, diretor-executivo do Laboratório Ambiental Haereticus, em Clifford, Virgínia. Uma equipe descobriu que a oxibenzona, um elemento químico encontrado nos protetores solares, é tóxica para as algas que vivem nos corais. Além disso, um outro estudo concluiu que os protetores promovem infecções virais nos corais. Estima-se que até 14 mil toneladas de protetor solar sejam depositadas nos oceanos do mundo a cada ano.

Tsunamis

 Muros estão sendo construídos no Japão como uma forma de tentar evitar que outro tsunami aterrorize a região como aconteceu há sete anos. As paredes têm 12,5 metros de altura e substituíram os quebra-mares, que mostraram-se ineficazes. Em toda a costa japonesa há agora cerca de 395 quilômetros de muros de concreto, construídos por 6,8 bilhões de dólares, para tentar barrar as águas do mar do Japão caso elas, de novo, sejam insufladas pelos ventos a ponto de se tornarem perigosas aos humanos.

Lixo

 Segundo estudos realizados nos últimos anos, a produção de lixo no mundo deve ter um aumento de 1,3 bilhão de toneladas para 2,2 bilhões de toneladas até o ano de 2025, de acordo com as estimativas do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (Pnuma). Especialistas da entidade já afirmam que a gestão dos resíduos se torna cada dia mais imprescindível para que o planeta caminhe para um desenvolvimento sustentável.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia