Acompanhe nas redes sociais:

24 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 961 / 2018

01/03/2018 - 19:33:02

“Estão usando meu irmão de bode expiatório”, diz Bahia Boiadeiro

Segundo SSP, Baixinho Boiadeiro teria executado Tony Pretinho

José Fernando Martins [email protected]
Neguinho Boiadeiro foi assassinado

Quase uma semana depois de a família Boiadeiro liberar à imprensa uma nota elogiosa às autoridades policiais sobre o resultado das investigações do assassinato do vereador de Batalha Adelmo Rodrigues de Melo, conhecido como Neguinho Boiadeiro, parece que opinião mudou. Se na semana passada, o vereador da mesma cidade, Sandro Pinto, acabou detido durante operação sob suspeita de tramar a execução de Boiadeiro, nesta, a história tomaria um rumo diferente. 

Em coletiva de imprensa realizada na quarta-feira, 28 de fevereiro, a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP-AL) deu informações sobre a morte do também vereador de Batalha Tony Carlos Silva de Medeiros, o Tony Pretinho, que foi assassinado em dezembro do ano passado, um mês depois de Boiadeiro. Segundo a cúpula da SSP, quem teria executado Tony Pretinho foi José Márcio Cavalcante, o Baixinho Boiadeiro, com a ajuda do comparsa Thiago Mariano, ambos considerados foragidos. 

Baixinho é filho de Neguinho Boiadeiro e teria agido por vingança, já que teria certeza da participação de Pretinho na morte do patriarca.

Uma das provas apontadas pela Polícia Civil seria a pistola de 9mm usado na execução de Pretinho, a mesma que Baixinho Boiadeiro usou para atirar contra José Emílio Dantas, minutos depois da morte do pai, no dia 9 de novembro do ano passado. Dantas, conhecido como Zé Emílio, é pecuarista e filho do ex-prefeito Zé Miguel, assassinado em março de 1999. Apesar de ter sido ferido por Baixinho Boiadeiro, Zé Emílio sobreviveu. 

Porém, a tensão entre Boiadeiro e Pretinho já vinha desde 2016. Quando Tony Pretinho foi executado, matérias na imprensa diziam que o vereador teria delatado Emanuel Messias de Melo Araújo, o Emanuel Boiadeiro, 30, que acabou morto em outubro de 2016 após confronto com policiais na cidade de Belo Monte. Pretinho teria contado que Emanuel, irmão de Boiadeiro, andaria fortemente armado pelas cidades sertanejas. A ação policial teria como objetivo prender uma quadrilha de roubo a banco. 

Foragido desde o atentado contra Zé Emílio, Baixinho Boiadeiro pede para à Justiça que sua prisão seja revogada. No começo de fevereiro, ele divulgou na internet um vídeo onde mostra supostas provas da existência de funcionários fantasmas e laranjas na Assembleia Legislativa de Alagoas (ALE-AL). Todo o esquema de desvio de dinheiro público seria arquitetado pelo presidente do Legislativo, Luiz Dantas, que nega veemente a acusação. 

Segundo comissão de delegados que investiga os crimes de Batalha, Baixinho Boiadeiro estaria vendendo seus bens para juntar dinheiro e cometer novos crimes. Tanto é que, à imprensa, o delegado Fábio Costa reiterou que a população pode contribuir com a polícia sobre o paradeiro dos foragidos por meio do Disque Denúncia.

Acusações à família Dantas

A família de Baixinho Boiadeiro rechaçou as acusações dos delegados. “Meu irmão tem prova de onde estava no dia do crime e vão ter que provar”, disse Maria da Conceição, conhecida como Bahia Boiadeiro ao EXTRA. Ela também não viu coerência sobre Tony Pretinho ter ligação com a morte de Emanuel Boiadeiro: “Nunca sequer foi citado”. 

Quanto à informação de que Baixinho estava vendendo bens da família, ela explicou: “O único imóvel que ele tinha vendeu e compramos uma carreta. Os outros estão todos lá. Essa polícia deveria procurar os verdadeiros culpados ao invés de um bode expiatório”. 

Bahia sempre foi firme em afirmar que a família Dantas estaria envolvida na morte de seu pai. Também tem denunciado represália da polícia, como aconteceu no começo de janeiro. Policiais civis invadiram a residência da sogra de Boiadeiro em busca de Baixinho Boiadeiro. “Entraram para nos matar. Não fizeram isso porque tinha criança em casa. Ficaram com a armas apontadas para mim”, contou Bahia. O portão de residência foi arrombado pela Polícia durante a operação de busca. 

“Rastrearam o telefone celular do meu irmão e acharam que ele estava em casa. Mas quem estava usando aquele aparelho era eu”, contou na ocasião. 

Neguinho Boiadeiro teria a intenção se eleger prefeito de Batalha. Ainda conforme Bahia Boiadeiro, ele e Tony Pretinho estariam formando um grupo político com chances de tirar a família Dantas do Executivo. “Foi pelo poder que mataram meu pai”, desabafou. 

A rivalidade entre as famílias Dantas e Boiadeiro remonta ao início da década de 1990.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia