Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 957 / 2018

30/01/2018 - 15:36:12

Meio Ambiente

Sofia Sepreny Estagiária sob supervisão da Redação

ixo

Mais de 95% do lixo encontrado nas praias brasileiras é composto por itens feitos de plástico, como garrafas, copos descartáveis, canudos, cotonetes, embalagens de sorvete e redes de pesca. Esta é uma das conclusões de um trabalho de monitoramento realizado desde 2012, em 12 praias, pelo Instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo (IO-USP), em parceria com o Instituto Socioambiental dos Plásticos (Plastivida), uma associação que reúne entidades e empresas do setor.

IMA em tempo real

Uma nova sala de monitoramento foi inaugurada, na sede do Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas (IMA/AL) para o acompanhamento em tempo real das demandas do órgão como cumprimento de condicionantes, validade das licenças emitidas, relatórios de queimadas e boletos gerados para pagamentos diversos. O sistema também dá condição de acompanhar as denúncias realizadas pela população, através do aplicativo IMA Denuncie. Além disso possibilita verificar a situação, com ou sem pendências, de cada empreendedor cadastrado como pessoa física ou jurídica.

Banho da Geladeira

Uma área entre São Miguel dos Campos e Marechal Deodoro, no interior de Alagoas, conhecida como “Banho da Geladeira”, foi interditada pelo Instituto do Meio Ambiente (IMA). A interdição se deu por mau uso do local pela população, o que estaria provocando contaminação no Rio Niquim.

Proteção aos corais

O governo da Austrália anunciou que reservou US$ 48 milhões para a proteção da Grande Barreira de Corais em 2018, o maior sistema do tipo no mundo e situado no nordeste do país. O dinheiro servirá para aumentar o número de funcionários que cuidam da região e a quantidade de barcos usados para combater a espécie estrela-do-mar-coroa-de-espinhos, uma praga para os corais. A verba também será destinada a trabalhos de incentivo e conscientização de agricultores com o objetivo de reduzir a contaminação gerada pela sua atividade e que termina no trecho do mar onde os corais estão.

Soja

Nos últimos 11 anos, desde que foi criada a Moratória da Soja (parceria entre ONGs, entidades, empresas agropecuárias e governo federal), apenas 1,2% do desmatamento na Amazônia foram provocados pela oleaginosa. Os dados foram divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente e fazem parte do relatório 2016/17 do Grupo de Trabalho da Soja (GTS), que monitora por satélite o plantio do grão na região do bioma envolvendo os estados de Mato Grosso, Pará, Rondônia, Amapá, Maranhão e Tocantins.

Segurança alimentar

Em fórum realizado em Berlim, o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, disse que a pecuária continua sendo um dos pilares da segurança alimentar mundial, mas ressaltou que produtos de origem animal têm “impacto excessivo” para o meio ambiente e clima. Na avaliação de Graziano, conforme cresce a demanda por carne e outros produtos da pecuária, em especial nos países em desenvolvimento, a questão da distribuição equitativa e eficiente dos benefícios dessa atividade econômica adquire cada vez mais importância.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia