Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 955 / 2018

16/01/2018 - 11:25:14

SAÚDE MENTAL

Mais sobre o                             Janeiro Branco ...

Janeiro é o primeiro mês do ano. 

Logo  depois  do réveillon a pessoa faz uma retrospectiva, o que fez e que o deixou de fazer no ano anterior. E a saúde mental?

Portanto, a proposta do Janeiro Branco é instigar a pessoa a pensar sobre a sua própria saúde mental. Quais os sentidos da vida; como está a qualidade do relacionamento (seja amoroso, com a família ou com amigos e colegas), como está o equilíbrio emocional. Se a pessoa é ou não verdadeiramente feliz.

É uma campanha que nasceu em 2014 para que se fale e se planeje ações com o objetivo de se adquirir saúde mental, apesar das adversidades em que todos estão inseridos. É um momento de reflexão.

Quanto?

Você sabe o que é oniomania? Pois é, a palavra é meio esquisita e representa um comportamento, na maioria das vezes por mulheres (mas os homens também podem apresentar), que é o de comprar compulsivamente, sem critério ou consciência. Atinge cerca 3% da população. A pessoa não resiste à tentação de comprar. É um transtorno e no ato da compra a pessoa sente sensação de prazer e satisfação.

Quanto ? II

Quando é impedida de comprar, a pessoa costuma relatar sensações de angústia, frustração e irritabilidade. A maioria apresenta sentimento de culpa, vergonha ou remorso no término do ato.

Quanto ?  III

As compras compulsivas, que

 podem ser de grande valor ou não, leva uma pessoa a sérios problemas psicológicos (depressão), ocupacionais (no trabalho), familiares, financeiros e também nas relações amorosas.

Quanto ? IV

Muitas vezes, a pessoa deixa de comprar coisas essenciais para comprar supérfluo, (inclusive de grande valor). O tratamento? Psicoterapia. 

Vamos falar!

A mídia, de modo geral, ainda tem tabu ao destacar uma reportagem sobre depressão e principalmente quando ocorre um suicídio. Geralmente se romantiza o fato ou não destaca o que se deve destacar. Talvez, com receio de que outras pessoas possam cometer o mesmo ato.  De acordo com a literatura sobre o tema, é necessário, sim, falar sobre o fato.

Vamos falar! II

No ano passado, a Organização Mundial de Saúde (OMS) recomendou aos países membros que incluíssem, em suas metas, elaborar, disseminar e praticar ações voltadas a discutir sobre depressão. Por quê? A cada segundo uma pessoa comete o suicídio no mundo.

No Brasil a média é de 28 pessoas. E qual a principal causa? Exatamente a depressão. Cerca de 5% das pessoas no mundo apresentam algum tipo de depressão e no Brasil o índice vai para 9%.

As causas são variadas: pode ser genética, psicológicas (histórico de vida de cada sujeito), ambientais (estressores), bioquímicas (cerebrais) e orgânicas (alguma doença).

Vamos falar! III

Das pessoas que apresentam os sintomas graves de depressão, entre 10

% a 15% cometem o suicídio, exatamente aquelas que não procuraram por ajuda de um psiquiatra ou psicólogo. Daí a importância da psicoterapia. 

Vamos falar! IV

No processo de tentativa de suicídio, há, pelo menos, três níveis: o pensar, o planejar e o executar. Portanto, é fundamental que a família, os colegas e amigos percebam os primeiros sinais para que o fato não seja concretizado.

Que sinais sãos esses? O principal deles é a baixa autoestima. A pessoa negligencia, inclusive, a higiene pessoal.  Ela apresenta apatia, tristeza profunda e difusa (sem que haja um fato específico, como, por exemplo, um luto, seja ele por motivo da perda de um ente querido, seja por separação judicial do cônjuge, ou por um problema financeiro).

Vamos falar V

A partir de quatro semanas que a pessoa apresenta incapacidade de ter uma vida normal, ou seja, interagir com os colegas e amigos, ir a um cinema, praia, realizar as tarefas do colégio/faculdade ou do trabalho, enfim, pode estar sendo desenvolvido o processo depressivo agudo. É necessário, portanto, que a pessoa procure um psicólogo para iniciar o tratamento psicoterápico.

Vamos falar VI

Muitas vezes a própria família e os colegas contribuem, sem querer, para que o caso se agrave, ou seja, quando diz para a pessoa que o problema “dela” é uma “besteira”, é “tolice”, que “ela tem tudo” (carro, casa com piscina, etc.), enfim. O julgamento só piora a situação do processo depressivo porque a pessoa se sente culpada. Apesar de “ter tudo” ...

Vamos falar VII

É aconselhável que o amigo, colega ou parente, apenas escute a pessoa a falar sobre o que está incomodando, seja o que for, sem nenhum julgamento, e, a convença   a procurar um psicólogo. O mais importante é a pessoa se sentir acolhida. Não existe culpado quando a pessoa comete o suicídio. 

Vamos falar VIII

É mito dizer que a pessoa que esteja sofrendo num processo depressivo não fala. Fala sim. Geralmente é: estou dando muito trabalho para as pessoas; eu não valho nada; estou sendo um “peso” para alguém e coisas semelhantes.

A pessoa que tenta ou comete o suicídio, não quer morrer. Ela quer acabar com o sofrimento. Dai a importância de ser acolhida, de ser escutada e de fazer psicoterapia.

HGE e tentativas de suicídio

Esta semana o Hospital Geral do Estado (HGE) divulgou dados sobre tentativa de suicídio, relativos ao período de janeiro a novembro do ano passado. Foram 290 casos, dos quais 174 mulheres e 116 homens.

Apesar dos dados serem precisos, os números em Alagoas ainda são subnotificados. Por quê. Além do HGE há outros hospitais que, com certeza, atenderam casos seme

lhantes.

Psicanalisando ...

O neurótico suporta a lei; o psicótico ignora a lei e o perverso burla a lei. 

(A.S.)

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia