Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 955 / 2018

16/01/2018 - 11:23:12

Festa de Bom Jesus deixa religiosidade de lado

Evento centenário vira um negócio LUCRATIVO em Penedo

Por Gabriela Cabral

Nos dias 13 e 14 de janeiro acontecerá a 134ª edição da festa de Bom Jesus dos Navegantes de Penedo, mas as comemorações já começaram desde domingo (7) com atrações culturais. O grande e obscuro negócio entre prefeitura e empresas vencedoras da licitação mostra que a religiosidade do evento perdeu espaço e se tornou um lucrativo negócio.

Em dezembro, a Prefeitura de Penedo surpreendeu a todos ao informar que vendeu o espaço da festa para uma empresa, ou seja, vendedores ambulantes da cidade teriam que procurar a tal empresa e pagar para poder comercializar no espaço. De lá para cá, nem o prefeito Március Beltrão e nem ninguém do município falava o nome da tal detentora dos direitos de comercialização da festa.

O que se sabe é que existe apenas a licitação de empresa Taluan Produções para fornecer equipamentos de som e estrutura de palco e camarotes no custo total de R$ 2, 4 milhões - valor sem as bandas inclusas. O que levantou questionamentos de todos sobre o contrato. 

O pregoeiro responsável pelas licitações, Rosevaldo Silva, durante entrevista deu as informações sobre o contrato, alegando que estão dentro do prazo de publicação da licitação no Diário Oficial. “A empresa vai ser responsável pela segurança total da festa, banheiros e vendas das bebidas na parte de baixo do evento. Ela vai pagar R$ 35 mil para prefeitura para fazer esse trabalho”, disse ele.

A revelação do valor baixo que custou o espaço surpreendeu os ambulantes penedenses, que se quiserem usar o espaço nobre do evento terão que pagar R$ 40 mil ou a empresa venderá as autorizações para ambulantes de fora do município para virem trabalhar na festa. 

“Eles venderam o espaço da festa a preço de banana. Eu trabalho como ambulante há 12 anos e ano passado só tivemos que pagar R$ 60. A empresa pediu para arrumarmos dez capeteiros e que o grupo pagasse R$ 40 mil para poder trabalhar na festa. É um absurdo, é humilhante isso. Só com esse valor, eles já pagam a prefeitura”, disse o capeteiro Carlos Oliveira.

A festa de 2016 também teve obscuridades no contrato. Na época, o contrato com a mesma empresa Taluan Produções não tinha detalhamento do que estava sendo acordado no valor de R$ 6 milhões. O então vereador Alcides Andrade (Cidoca) cobrou que a prefeitura prestasse contas, mas teve o pedido ignorado até o fim do seu mandato. 

A organização da festa estima um público de 60 mil por noite. De 10 a 13 deste mês haverá a peregrinação com a imagem de Bom Jesus dos Navegantes e no último dia terá a procissão pelas ruas da cidade, seguindo para o Rio São Francisco e encerrando com uma missa campal. Os shows da programação artística estão agendados para os dias 12 e 13. Entre as apresentações estão Gustavo Lima, Jonas Esticado, Psirico e a dupla Maiara e Maraísa.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia