Acompanhe nas redes sociais:

25 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 955 / 2018

11/01/2018 - 18:12:06

Execução de Neguinho Boiadeiro completa dois meses

Família pede para que Polícia feche o cerco contra os Dantas

José Fernando Martins [email protected]
Neguinho Boiadeiro

A família do vereador Adelmo Rodrigues de Melo (PSD), o Neguinho Boiadeiro, assassinado ao sair da Câmara Municipal de Batalha, cobra das autoridades policiais um trabalho mais ostensivo acerca de Marina Dantas (MDB) e seus familiares. Para a filha de Boiadeiro, Maria da Conceição Cavalcanti de Melo, conhecida como Bahia Boiadeiro, existe uma diferença de tratamento por parte da Polícia Civil com os dois clãs. 

Um exemplo seria a intensa segurança em torno da família Dantas após o atentado no município. Do outro lado, os Boiadeiro, conforme Bahia, se veem desemparados e temendo pela própria vida. A rotina da família mudou. Dormem em casas de conhecidos sempre fazendo revezamentos. Agora têm a esperança de conseguir proteção especial por parte do Estado.

Na quinta-feira, 4, policiais civis invadiram a residência da sogra de Boiadeiro em busca de José Márcio Cavalcante, o Baixinho Boiadeiro, que está foragido acusado de tentativa de homicídio contra José Emílio Dantas, 48, filho do ex-prefeito do município, Zé Miguel, morto a tiros em 1999. “Entraram para nos matar. Não fizeram isso porque tinha criança em casa. Ficaram com a armas apontadas para mim”, contou Bahia. O portão de residência foi arrombado pela Polícia durante a operação de busca. 

“Rastrearam o telefone celular do meu irmão e acharam que ele estava em casa. Mas quem estava usando aquele aparelho era eu”. O advogado da família, Raimundo Palmeira, apontou irregularidades, não só da atitude policial, mas também sobre as acusações contra Baixinho Boiadeiro. “Meu irmão, ao ir ao hospital no dia do assassinato do meu pai, passou pela rua da casa de José Emílio, o viu sorrindo e começou a troca de tiros”, relatou a irmã. 

Conforme Palmeira, a cena não configuraria uma tentativa de execução e nem de uma emboscada. “Neste caso, a vítima saiu praticamente imune. E para se caracterizar tentativa de homicídio é preciso que se prove que alguém ou algo o impediu de consumar o crime. A questão de se falar que houve tentativa é apenas um indiciamento provisório”, argumentou.

A defesa também já reforçou o pedido de habeas corpus para Baixinho. “Como diz a família, ele não se considera um foragido, e sim, tem medo de ser executado. Sabemos como é a situação carcerária do estado. Também aguardamos a decisão da medida de proteção para a família que depende do Conselho de Segurança”.

Quanto à invasão policial, Palmeira destacou que “o mandado de busca e apreensão foi expedido no dia 20 de dezembro por um juiz plantonista”. “Quando nos foi informado sobre essas circustâncias, achamos muito estranho. Um arrombamento é permitido só quando há resistência. E a busca só pode ser efetuada fora do repulso noturno. O tempo de expedição do mandado também já teria expirado”.

DISPUTA ELEITORAL

Neguinho Boiadeiro teria a intenção se eleger para prefeito de Batalha. Conforme Bahia Boiadeiro, ele e Tony Carlos Silva de Medeiros, o Tony Pretinho, também executado em Batalha, um mês depois da morte de Neguinho, estariam formando um grupo político com chances de tirar a família Dantas do Executivo. “Foi pelo poder que mataram meu pai”, desabafou Bahia. 

“O que a família Boiadeiro quer é que as ações policiais, como apreender telefones celulares, também sejam feitas com os Dantas, que são apontados como suspeitos pelo mando do crime”, acrescentou Palmeira. O assassinato de Neguinho Boiadeiro completou dois meses na terça-feira, 9. O caso segue sem solução. 

Como já conversado com a reportagem do EXTRA, Paulo Dantas, marido da Marina Dantas, prefeita de Batalha, negou que a família tenha qualquer participação no crime.  “Não tínhamos rivalidade política já que nunca competimos em nenhuma eleição diretamente. Nossa família não é violenta e sempre procura por Justiça à base de leis”.

Em razão dos assassinatos, a Secretaria de Segurança Pública (SSP) enviou uma tropa de militares para o município para garantir a  segurança enquanto investigadores colhem informações para elucidar os crimes. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia