Acompanhe nas redes sociais:

14 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 954 / 2018

09/01/2018 - 15:13:53

Prêmios para delatores, delatados e delinquentes

JOSÉ ARNALDO LISBOA MARTINS

Neste ano de 2018, certamente, nós teremos muitas incertezas: política, econômica, jurídica e social. Certamente, iremos inaugurar o ano com muitas dúvidas sobre o futuro do nosso Brasil. Tudo faz crer que teremos muitas outras prisões de pessoas importantes, porém é muito provável que tenhamos, também, vendas de muitas sentenças e muitas solturas de presos. O dinheiro vai rolar solto! É provável que ainda tenhamos algumas “delações premiadas”, fazendo com que as pessoas façam suas denúncias, já que foram incapazes de manter segredos entre seus correligionários, colegas ou amigos. Antigamente a gente sabia que existiam “pessoas de confiança”, mas tais figuras já não existem, já que estamos num torvelinho de corrupções, quando as traições são muito frequentes entre os humanos. Os contratos verbais ou mesmo escritos, mesmo quando registrados em cartório, já não prestam para nada. Acabaram-se as promessas, sejam elas simples ou solenes. Ninguém confia mais em ninguém. Antigamente um segredo era mantido entre as pessoas, mas as coisas mudaram e as “delações premiadas” fizeram com que as esposas, os filhos, os parentes e os correligionários deixassem de confiar uns nos outros. Estamos no mundo do “salve-se quem puder”. No Brasil, restabeleceu-se a covardia e a sujeira, fazendo com que aparecessem denunciantes, às vezes mentirosos, já que uma “delação premiada” pode lhe dar o direito da liberdade com as mentiras que são ditas. Como está sendo a tal da “delação premiada”, certamente haverão vinganças por parte dos prejudicados, com futuros assassinatos. Aguardem!

Com o advento da corrupção desenfreada, a honestidade deixou de ser uma das virtudes dos homens e das mulheres, para se tornarem prêmios para quem delata, já que passa a haver, para eles, a diminuição da pena ou do castigo do delator. É uma vergonha quando um corrupto ou um ladrão declarado tem sua pena diminuída só porque fez uma “delação premiada”, ficando como não tendo cometido crime. A nossa Justiça arranjou um jeitinho brasileiro para não punir um corrupto, com a tal de “delação premiada.”.  O Brasil está podre e fedendo com tantos desmandos, com tanta incompetência, com tanta desonestidade e com tanta canalhice dos nossos governantes. Ainda bem que estamos encontrando um juiz federal que merece o respeito de todos os brasileiros, que é o Dr. Sérgio Moro. Quanto aos senhores ministros das Côrtes Superiores, não esperamos boas coisas vindas deles, pois já estamos nos deparando com prisões domiciliares e tornozeleiras eletrônicas, em lugar de grades, nas prisões. 

Já está na hora dos brasileiros tomarem vergonha e fazerem uma limpeza moral em todas as nossas instituições, a começar pelo Poder Judiciário. Já está na hora de darmos um basta na corrupção que se instalou em todas as atividades brasileiras. Os delatores, os delatados e os delinquentes estão nas mesmas prisões domiciliares e, em pouco tempo, serão soltos para novas delinquências. pois o crime se instalou neste país. A Justiça está dando prêmios aos criminosos, para que eles, quando livres, possam gastar o que roubaram e não foram punidos. Que vergonha!!!

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia