Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 952 / 2017

20/12/2017 - 08:40:29

Gabriel Mousinho

Gabriel Mousinho

Destino incerto

Ao virar réu no processo da suposta prática de corrupção, o ex-governador Téo Vilela praticamente dá adeus ao projeto de voltar a concorrer ao Senado Federal nas próximas eleições.

Não que Téo não possa, já que o processo jurídico vai demorar até uma sentença definitiva pela Justiça Federal, mas, sobretudo, pelo desgaste na sociedade alagoana e a exposição até da família do ex-governador.

Ser acusado de recebimento de propina para um político que já foi senador e governador por dois mandatos e ter passado por esses cargos como ficha limpa, é realmente constrangedor para Vilela, que deverá dedicar seu tempo para trabalhar em sua defesa.

Os indícios do recebimento de propina são grandes, por isso o juiz Ricardo Luiz Barbosa, da 2ª Vara Federal, decidiu por acatar a denúncia do Ministério Público. Com Téo outras 11 pessoas estão no mesmo barco e que exerceram posições de destaque na época em que ele era governador do Estado.

É triste ver um político da estatura de Téo, que chegou até a presidente do PSDB, um dos maiores partidos do Brasil, metido numa enrascada dessa. Vilela é acusado de ter supostamente recebido R$ 2 milhões em propina.

No canto da parede

Ninguém pode prometer a integridade física de ninguém, mas a disposição do senador Renan Calheiros de defender a paz no município de Batalha não passou apenas de vontade política. Depois do assassinato de Neguinho Boiadeiro, a família, mais precisamente a filha Bahia Boiadeiro, responsabiliza Renan, o presidente da Assembleia Legislativa, Luiz Dantas, seu filho Paulo Dantas e a prefeita de Batalha, Marina Dantas pelo assassinato.

Candidato                ao Senado

O ministro Maurício Quintella pode ser a surpresa nas eleições majoritárias do próximo ano. Ele pode fazer uma dobradinha com o senador Benedito de Lira e enfrentar o senador Renan Calheiros nas urnas e consequentemente seu parceiro na chapa majoritária em 2018. Quintella está fazendo avaliações e consultando suas bases eleitorais, além de ouvir principalmente o prefeito Rui Palmeira, que poderá ser o candidato do grupo ao governo do Estado.

Olho nos espertos

Alguns empresários estão reclamando da falta de pagamento de faturas na Secretaria de Saúde do Estado, mas o secretário Christian Teixeira vê a situação por outro ângulo. Existem muitos processos que precisam ser analisados com cuidado e por isso mesmo a demora nos pagamentos é uma questão de precaução, afirma o secretário.

Escolha do vice

Nos bastidores do grupo de oposição, é quase unanimidade a escolha do vereador e secretário de Infraestrutura, Ib Breda, como o companheiro de chapa de Rui Palmeira, embora ele não tenha a tão famosa musculatura política necessária para participar de um embate dessa natureza.

Apoio

Pode parecer uma pedra no sapato, mas o próprio presidente Michel Temer, mesmo desgastado nacionalmente, é um grande cabo eleitoral para qualquer candidato, principalmente a Maurício Quintella. Temer não deixa de ter forte influência nas bases como presidente da República.

Mais forte

Com as denúncias contra o ex-governador Téo Vilela que seria um virtual candidato ao Senado, crescem as chances de Maurício Quintella entrar no vácuo. Desgastado e  com problemas com a Justiça, Téo deve dar marcha à ré na sua pretensão.

Acordo

Como a situação de Téo Vilela não é das melhores, já existem boatos de que o ex-governador estaria negociando apoio ao sobrinho Pedro Vilela e poderia anunciar sua saída da disputa da eleição majoritária no próximo ano.

Antipatia 1

Circula nos bastidores do Palácio do Governo que, se dependesse do governador Renan Filho, não teria nenhum acordo com o deputado Ronaldo Lessa. A parceria teria sido exigida pelo senador Renan Calheiros.

Antipatia 2

Aos mais próximos o governador Renan Filho tem confidenciado que não precisa do deputado Ronaldo Lessa para se reeleger. Um sintoma disso é a nomeação do novo presidente da Arsal, apadrinhado por Lessa. Até agora, ao contrário dos outros presidentes, a matéria dorme em berço esplêndido na Assembleia Legislativa e não existe sequer data para o candidato ser sabatinado pelos deputados.

Enrolado

Não é só o ex-prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus, que está envolvido em corrupção em Alagoas. Outros ex e prefeitos atuais estão enrolados até o gogó. Muita gente ainda vai parar na cadeia nos próximos meses.

Paciência

O Partido dos Trabalhadores espera sentado a oferta do governador Renan Filho sobre sua participação na administração estadual. Já perdeu as esperanças da Secretaria de Educação e quer ver se salva cargos no segundo escalão. Se for contemplado no primeiro, ficará com secretaria inexpressiva do ponto de vista político.

Perdeu forças

Desde quando o apoio do PT ao PMDB de Alagoas foi fechado através do senador Renan Calheiros com o ex-presidente Lula, o partido perdeu forças no estado. Pode transparecer ter força para a opinião pública, mas nos bastidores sabe que o assunto já estava sacramentado. É pegar alguns cargos, ou largar.

Sui generis

Fazia tempo que não se via um ex-administrador do Porto de Maceió entrar com uma ação trabalhista contra a própria instituição. Pois é. É o caso de Nilton Tadeu Lira Neto, mais conhecido como Tadeu Lira. Depois que foi defenestrado da Administração do Porto, entrou com uma ação trabalhista contra a Companhia Docas do Rio Grande do Norte – Codern, à qual o Porto de Maceió é vinculado, cobrando a bagatela de R$ 60 mil. O processo trabalhista é o de nº 0001445-86.2017.5.19.0007. Taí, Marx Beltrão.

Bola da vez

É lamentável, mas em nome das eleições do próximo ano, o eficiente diretor do Detran, Antônio Carlos Gouveia, deve ser substituído nos próximos dias. É nova composição política adotada pelo Palácio dos Martírios. Transformado nos últimos dois anos com um trabalho sério, ninguém sabe o qual será o futuro do Detran.

Planejamento                em Traipu

Depois de acabar com o lixão da cidade, promover a cultura e a educação, reforçar a segurança no município, o prefeito de Traipu, Eduardo Tavares, reúne toda a equipe da Secretaria de Saúde para a construção das propostas do plano municipal até 2021. O planejamento está sendo feito pela equipe da secretária Edi Salles e projeta saúde de qualidade para a população de Traipu. O município localizado às margens do Rio São Francisco dá exemplo de como se administrar com seriedade e competência.

Alvo da PF

A empresária Lucilene Peixoto, quem diria, está envolvida até o pescoço na Operação Kali, que apura as trapalhadas do ex-prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus, enrolado em supostos desvios de recursos públicos. Lucinha Peixoto, como é mais conhecida na alta roda da sociedade alagoana, é um dos alvos preferidos da Polícia Federal e, para quem não sabe, é uma empresária próspera no ramo da construção civil com a única empresa alagoana que produz concreto no estado. 

O roubo foi grande

Se for feita uma avaliação de quanto roubaram dos cofres públicos, somente com a apreensão de mais de R$ 360 mil entre reais, dólares e euros, dá pra se ver até onde essa quadrilha chegou. Além de Matheus também estão atrapalhados os laranjas que esconderam imóveis em seus nomes para beneficiar o chefe da quadrilha.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia