Acompanhe nas redes sociais:

22 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 951 / 2017

19/12/2017 - 16:40:22

Meio Ambiente

Sofia Sepreny da Costa

Dessalinizadores 

Mais de 90% da água disponível do nordeste é imprópria para o consumo devido à alta concentração de sal. Para ficar própria para o consumo humano e animal, são necessários alguns processos de filtragem. Com isso, apenas 40% é aproveitado, enquanto o restante é descartado. Para isso o governo de Alagoas criou o Programa Água Doce.  Mais de 50 sistemas de dessalinizadores foram entregues no estado e foram perfurados mais de 600 poços em comunidades carentes dos municípios sertanejos. 

Tecnologia 

Um monitoramento via satélite da população de botos nos rios da Amazônia, no Brasil, Bolívia e Colômbia está sendo feito simultaneamente pela World Wild Fund for Nature (WWF).  O monitoramento é realizado por pequenos aparelhos instalados nos animais como “piercings”, que enviam informações sobre o seu posicionamento várias vezes ao dia. Assim, será possível obter dados sobre padrões de distribuição dessas populações e desenvolver trabalhos de conservação mais eficientes das espécies e do ecossistema onde vivem.

Pneus 

Uma campanha para recolhimento de pneus em Alagoas retirou de circulação 2.945 pneus inutilizáveis nas cidades de Maceió, Marechal Deodoro, Rio Largo e Pilar. A ação aconteceu nos últimos dias 1 e 2. Segundo levantamento da Defesa Civil Estadual, no primeiro dia de campanha 621 pneus foram recolhidos em Maceió; 188 em Rio Largo; 122 em Pilar; e 737 em Marechal Deodoro. 

Ataque de              morcegos 

No fim do ano passado o coordenador de políticas públicas do Greenpeace no Brasil, disse que houve um aumento de 29% no desmatamento na região Norte e que nos últimos quatro anos foi a terceira vez que o desmatamento aumentou na Amazônia e isso é apontado como possível motivo para os ataques de morcegos transmissores da raiva a seres humanos no Amazonas. 

Dieta 

Um estudo que analisou dados de 37 países (64% da população global) comprovou que uma dieta mais saudável contribui para a redução de gases causadores do efeito estufa, diminui o uso do solo e corta taxas de eutrofização (quando o excesso de matéria orgânica na água a polui). A adoção da dieta em países de renda alta contribuiu para uma diminuição de 13% a 24% de gases causadores do efeito estufa; de 9,8% a 21,3% em eutrofização; e de 5,7 a 17,6% de uso do solo. Já nos países de renda média alta, as diminuições foram, respectivamente, de 0,8 a 12,2%; de 7,7 a 19,4%; e de 7,2% a 18,6%. Foi considerado como ponto de partida para o estudo o momento imediatamente anterior à adoção das diretrizes dietéticas em cada país.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia