Acompanhe nas redes sociais:

21 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 948 / 2017

22/11/2017 - 13:14:23

E agora, José?

JOSÉ MAURÍCIO

Pessoas de meu círculo de amizade, quando eram sondadas em anos passados sobre suas preferências no voto para Presidência da República, mesmo sem ter nenhuma ideologia política, justificavam votar em partido de esquerda pela posição que tinham na estatal distribuidora de energia elétrica em nosso estado. Eram cooptadas, pelo seu sindicato, a votarem no PT. Em outras palavras: incutiram-lhes terrível medo de que sua empresa fosse privatizada. Tinha que ser sugada até sua última gota de sangue. Basta dizer que em seu passivo, hoje, fora outras dívidas, inclusive com o próprio Estado de Alagoas que, em valores corrigidos, podem chegar a 1 bilhão de reais, consta uma dívida trabalhista de mais de dois bilhões de reais relativos ao Plano Bresser. São mais de 1.600 trabalhadores com direito a essa indenização onde 80% já se encontram aposentados. Se já era moribunda, passando de mão em mão de incompetentes, inclusive ligados ao próprio sindicato e ao Partido dos Trabalhadores(?), de tempos para cá vem sendo dirigida por “alienígenas” que vêm fazer turismo durante a semana hospedados nos melhores hotéis de nossa capital e retornar aos seus lares nos fins desta. Resultado de toda essa farra é o ridículo valor venal que será proposto em leilão para sua privatização, juntamente com outras cinco distribuidoras de energia nos estados de Roraima, Rondônia, Acre, Amazonas e Piauí. A bagatela de R$ 50.000,00 (cinquenta mil reais) por cada uma. Não leram errado: são, cinquenta mil reais, mesmo. Quem levar, terá que fazer aportes imediatos de R$ 2,4 bilhões nas seis empresas e investir R$ 5,4 bilhões em cinco anos para recuperar suas finanças. Aprovada pelo Conselho de Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI) da Presidência da República, a proposta foi publicada no Diário Oficial da União no último dia 9. A dívida total das seis empresas soma hoje R$ 20,8 bilhões, tendo a Eletrobras que arcar com R$ 11 bilhões deste débito.

Isso nos faz pensar em uma empresa tupiniquim, que nem nos tem abastecido devidamente de água e muito menos tornado satisfazível seu serviço de esgoto. Seus esforços mal têm dado para recuperar vazamentos na parte baixa da cidade. Moro na Gruta de Lourdes há quase quarenta anos e há muito mais tempo o sistema de esgoto dorme nas imediações do quartel. E ainda tem sindicato que cola em vidros de carro: Estatal Privatizada, População Prejudicada. E aos meus amigos da Ceal que teimaram em votar na esquerda, pergunto: e agora, José?

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia