Acompanhe nas redes sociais:

26 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 947 / 2017

15/11/2017 - 12:10:21

Jorge Oliveira

Barra, cidade sem lei e sem ordem, entregue à especulação imobiliária

Jorge Oliveira

Barra de São Miguel, AL - Em pouco mais de quatro anos, a Barra de São Miguel deixou de ser um lugar aprazível para se morar e passear para se transformar numa cidade sem ordem e sem lei, onde a especulação imobiliária passou a ocupar todos os espaços, destruindo nascentes e interrompendo o percurso dos rios. Os morros estão sendo devastados pelas incorporações para aterrar loteamentos à beira mar. As ruas, sem pavimentação, viraram depósito de lixo e as praias vivem sujas. Os serviços públicos não funcionam e frequentemente a cidade fica às escuras em seguidos blecautes.

O que se comete na Barra de São Miguel é um terrível crime ambiental acobertado pela administração local, que despreza totalmente o apelo popular e faz ouvido de mercador para as reclamações sobre os danos que se pratica contra a cidade, que já não ostenta mais o título de uma das melhores para se morar. 

Há dois anos iniciaram-se as obras de um Centro de Convenções às margens da estrada que dá acesso a cidade. De lá para cá nada andou. No local, raros operários passam o dia fingindo que trabalham para alimentar o sonho de um empreendimento dispensável, já que todos os setores sociais da cidade são precários, não funcionam a contento. Portanto, esse elefante branco é dinheiro público jogado fora.

As ruas acumulam sujeira e lama nos dias de chuva. Poças d’água atraem o mosquito da dengue, levando risco à população local. No verão – que começa agora – as ruas empoeiradas, sem pavimentação, atormentam os moradores e afastam os turistas que se sentem incomodados com a falta de limpeza da cidade e acúmulo de lixo nas ruas. O Rio Niquim, uma das atrações da Barra de São Miguel, para onde vão dezenas de pessoas para piquenique de fins de semana, sofre agora com um grande loteamento liberado pela IMA (Instituto do Meio Ambiente), cujos diretores deveriam se envergonhar em autorizar tamanha área para especulação e ainda ter o nome do órgão ao lado da placa do incorporador Ouro Verde Praia.

Esse loteamento, o maior até hoje da Barra de São Miguel, chegou a ser embargado, mas não se sabe quais os motivos que levaram o IMA liberar a área para a venda de terrenos. Com o aterro do loteamento, dificilmente o Rio Niquim sobreviverá a essa ação predatória da especulação com a cumplicidade dos órgãos governamentais.

Como se tudo isso não bastasse, os tarados sitiaram a cidade de tal forma que as mulheres hoje têm medo de passear pela praia do Barra Mar, próximo ao Kenoa. Na falta de policiamento, os bandidos estão atacando jovens e senhoras que fazem caminhada matinal pela areia da praia da cidade. Há, inclusive, registro de estupros e agressões a turistas naquela faixa da praia, entre a cidade e a pousada internacional.  Não existe policiamento e nem os apelos dos moradores são atendidos para acabar com essa indecência num dos locais mais procurados e bonitos de Alagoas.

Não é difícil concluir que a administração municipal não funciona e nem o governo está preocupado com a imagem do estado lá fora quando faz vista grossa para crimes como esses à luz do dia. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia