Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 946 / 2017

07/11/2017 - 11:22:42

Arte africana chega às escolas católicas de Maceió

Sofia Sepreny Estagiária sob supervisão da Redação
Rogério “Caracol” incentiva a prática da capoeira junto a crianças de todas as idades

O preconceito ainda muito presente na sociedade atual ficou de lado quando se trata da cultura da capoeira, pelo menos em algumas escolas de Maceió. Um grupo de professores de capoeira está divulgando e valorizando a cultura na capital alagoana, independente de religião. 

Rogério Hora, conhecido como Rogério “Caracol”, professor de capoeira e criador de projetos de incentivo ao aprendizado do esporte para crianças, está ajudando outros capoeiristas a disseminarem a cultura, a arte e todos os benefícios que este esporte pode proporcionar. 

“A modalidade deste esporte traz um benefício muito grande para o desenvolvimento de uma criança. Seu contexto trabalha elementos corporais, rítmicos, musicais, históricos e culturais, fora a formação moral, física e cognitiva do indivíduo”, relata Rogério. 

Um dos projetos para as crianças é a aula de capoeira dentro de escolas católicas, é deste modo que o preconceito ficou de lado e a valorização da cultura em modo geral prevaleceu. Outro projeto são aulas particulares para crianças da classe média alta, um público que a capoeira não conseguia alcançar tão facilmente. 

Rogério comenta ainda haver dificuldades a serem enfrentadas, visto que o esporte é associado a determinado tipo de religião, criando assim um obstáculo e discriminação.

“A associação da capoeira com o candomblé prejudica a disseminação da cultura e a valorização da arte em todas as classes sociais. É isso que eu estou tentando mudar; as pessoas precisam valorizar o esporte em si, independente de religião”, diz.

O estilo esportivo da capoeira acaba sendo prejudicado ao ser erroneamente associado à religião do candomblé. A capoeira deveria ser considerada além de esporte, uma manifestação de cultura popular brasileira, afinal também foi arma de resistência de um povo, e com isso envolve um resgate histórico.

Além de ser considerada uma manifestação cultural, o esporte atua com a totalidade do corpo, como os grandes grupos musculares, aumentando a elasticidade, capacidade cardíaca, respiratória a mobilidade de articulação.

“Caracol” é nascido e criado na Bahia, hoje com 34 anos, tem um currículo de mais de 20 anos de prática. Durante essa trajetória, adquiriu graduações e experiências que resultaram na sua dedicação a ensinar. Hoje ele se encontra no nível superior, como professor da área.

Capoeira no 

campo psicológico

Além dos benefícios físicos, a capoeira é utilizada para trabalhos e tratamentos psicológicos. Diversos terapeutas ocupacionais indicam a prática da capoeira para crianças com Transtorno do Espectro Autista, déficit de atenção e timidez por exemplo. A capoeira desperta e estimula algumas qualidades das crianças como a atenção e percepção, criatividade, autocontrole e astúcia, cooperação e o sentido de sociedade, disciplina e o respeito. 

“Outra vantagem da Capoeira para a criança é que não gera nenhuma frustração com relação à competição, pois o objetivo a ser alcançado é sempre o da autossuperação e não da superação sobre os demais companheiros”, complementa Rogério.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia