Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 945 / 2017

31/10/2017 - 09:52:51

De árvore a cidade, Arapiraca comemora 93 anos

Da Redação

Nome de árvore imponente e frondosa, Arapiraca prospera a cada ano, fortalecendo suas raízes e criando alicerces firmes à sua população. De árvore à cidade, tudo começou com o fundador Manoel André Correia dos Santos, que em sua jornada, procurava uma fonte de água doce onde pudesse se instalar para tomar posse da propriedade Alto do Espigão, do Simão de Cangandú, adquirida em 1848, por seu sogro Capitão Amaro da Silva Valente Macedo, que residia no então Povoado Cacimbinhas, município de Palmeira dos Índios.

Quando realizava o primeiro desmatamento na área, auxiliado por trabalhadores, num dia de muito sol, Manoel André escolheu a árvore sombria, onde pudesse descansar ao meio dia.

Encostou no tronco e usou estas palavras: “Essa Arapiraca, por enquanto é a minha casa”. Foi o primeiro ponto de referência, uma semente que se transformaria século depois em polo econômico de Alagoas. 

O local começou a ser povoado na primeira metade do século XIX. Em 1864, Manoel André construiu a capela de Santa Cruz e escolheu como padroeira Nossa Senhora do Bom Conselho. Segundo uma tradição popular, a palavra Arapiraca tem origens indígenas e significa: “ramo que arara visita”. Depois de alguns tempos, com a vinda de outras famílias, a árvore Arapiraca ficou cercada por um povoado.

Arapiraca ficou conhecida, nos anos 70, como a “Capital do Fumo” por ser um dos maiores produtores de tabaco do país. De acordo com com estimativas de 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a cidade possui 234.185 habitantes, a segunda mais populosa do estado, só perdendo para Maceió. 

Como distrito, esteve subordinada, sucessivamente, a Penedo, Porto Real do Colégio, São Brás e Limoeiro. Desde os anos de 1980 experimenta um crescimento econômico com seu comércio e serviços. Além disso, o setor industrial do município tem apresentado relativo crescimento.

Foi elevada à categoria de município em 30 de outubro de 1924, constituindo-se de territórios desmembrados de Palmeira dos Índios, Porto Real, São Brás, Traipu e Limoeiro. completando, assim, 93 anos de história. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia