Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 943 / 2017

17/10/2017 - 08:58:31

Gabriel Mousinho

Gabriel Mousinho

Cheiro de traição

As eleições de 2018 para o governo do Estado entraram mesmo na ordem do dia. Depois das declarações do presidente do Democratas, José Thomaz Nonô de que o PSDB onde se encontra o prefeito Rui Palmeira, não é confiável, o assunto tornou-se obrigatório nas rodas políticas. 

A desconfiança de Nonô de que a perigosa reaproximação de Téo Vilela com Renan Calheiros pode inviabilizar a candidatura de Rui, caiu como uma bomba e levantou uma suspeita que apenas se comentava nos bastidores.

Não é à toa que Nonô faz essas observações, levantando a preliminar de que é melhor prevenir do que remediar, embora o ex-governador Téo Vilela jure de pés juntos que nada existe no ar além dos aviões de carreira. Mesmo assim, a dúvida foi levantada e causa, sim, preocupação em grande parte do time do prefeito de Maceió. 

O que faz desconfiar é que na última eleição para o governo do Estado, Téo Vilela não moveu uma palha para apoiar um candidato que teria todas as condições de ganhar a eleição. Preferiu lançar um candidato que sabia ele não teria condições de ganhar o jogo, dividindo ainda mais o eleitorado disposto a votar no candidato adversário dos tucanos.

Por tudo isso, é caso de desconfiar, sim, e de o prefeito por as barbas de molho.

E precisa?

O Partido dos Trabalhadores de Alagoas está consultando o ex-presidente Lula para saber se pode compor com o PMDB do senador Renan Calheiros. E precisava isso?

Plenário quase vazio

A ex-prefeita Kátia Born está prometendo levar uns 300 companheiros do PSB para fortalecer o PDT de Ronaldo Lessa. Pelas fotos da adesão ocorrida na Assembleia Legislativa ao novo partido, vai ser difícil arregimentar tanta gente.

Cirurgia

No anonimato, o prefeito Rui Palmeira se submeteu no Hospital Arthur Ramos a uma cirurgia de vesícula. O procedimento foi considerado perfeito e Rui já está em plena recuperação, devendo retornar aos trabalhos na próxima semana.

Nem por sonho

As notícias de que Ronaldo Lessa ou Maurício Quintella poderiam ser um dos dois vice de Renan Filho não passam de sonhos mal arrumados e fofocas de mau gosto. Os dois têm cacife suficiente para se candidatarem a qualquer cargo em Alagoas.

Próximo do PDT

Kátia Born, amiga de longas datas de Alexandre Toledo, está tentando levar o ex-deputado federal e ex-prefeito de Penedo para o PDT. Seria um reforço considerável ao partido de Ronaldo Lessa.

Rejeição

Se dependesse da vontade da direção do PDT, Rafael Brito não assumiria a pasta do Turismo no governo de Renan Filho. Seu nome foi vetado pela cúpula do partido, mas mesmo assim foi empurrado garganta abaixo por Ronaldo Lessa.

Aqui, não

Em certo momento em cima do muro, Ronaldo Lessa queria ficar com secretarias no Estado e no município. Rui foi claro e objetivo: ou aqui, ou lá. Lessa preferiu fazer aliança com os Calheiros e servir de cabo eleitoral nas eleições do próximo ano.

Igual aos outros

Nada contra a peregrinação de Ronaldo Lessa entre a Prefeitura de Maceió e o Palácio do Governo para conversar sobre cargos, mas seu comportamento foi que surpreendeu a uma grande legião de amigos.

Prejuízo

De largada o deputado Ronaldo Lessa perdeu uma multidão de aliados ao fazer aliança com o PMDB dos Calheiros, principalmente na indicação de Rafael Brito para a pasta do Turismo. A reação se deu pelo fato de  o deputado te outros nomes para apresentar ao Palácio dos Martírios.

Quietinho

O deputado Ronaldo Lessa, que se notabilizou pela combatividade, hoje está quietinho. Entrou no varejo da política, negociando quantidade de cargos para se aliar aos inquilinos do Palácio dos Martírios.

Mau exemplo

Antes de ser eleito governador, Ronaldo Lessa combatia as indicações de Conselheiros para o Tribunal de Contas sem o preparo técnico necessário para o cargo. Quando assumiu o governo fez o mesmo que os outros, indicando o irmão Otávio Lessa para o cargo de conselheiro, confirmando o velho ditado que diz “faça o que digo, não faça o que faço”.

Voltando

Ausente de Alagoas durante muitos anos, Arnon de Mello Neto, filho do senador Fernando Collor, deve ser a mais nova atração política em 2018, quando deverá disputar uma vaga de deputado federal. Dependendo da coligação em que estiver, Arnon pode ter chance de emplacar um mandato.

Longe

O ex-deputado Elionaldo Magalhães arrumou as malas e foi para Portugal, onde deverá passar alguns meses. Mas, calma. Ele voltará em abril próximo para participar das eleições do próximo ano.

Alagoas em baixa

O ranking de competitividade dos estados, este ano, é muito preocupante. Uma pesquisa feita pelo Centro de Liderança Pública em parceria com a Tendência Consultoria e a Economist Intelligence Group mostra que Alagoas alcançou a pontuação de 33,1 e ficou em 24ª posição entre os 27 estados brasileiros. A publicação nacional aconteceu em 20 de setembro e o trabalho da organização não governamental CLP, é baseado na Mobilização, Educação e Gestão da Transformação, servindo os seus resultados, para estudos nos campos da atividade pública e privada.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia