Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 941 / 2017

03/10/2017 - 14:39:39

Sururu

Da Redação

Jogo pesado

1 - Em 2018 Alagoas terá uma eleição com pouco dinheiro, muita cobrança do eleitor e a Lava Jato nos calcanhares de vários candidatos. Quem sobreviver até lá terá que se compor com os Calheiros ou estará fora do jogo. 

2 - Nesse barco deverão estar Ronaldo Lessa, Marx Beltrão e Téo Vilela, sob o comando do senador Renan Calheiros e do filho governador, cuja reeleição ninguém questiona, sobretudo com Rui Palmeira fora da disputa. 

3 - Vilela, Marx e Lessa aspiram disputar as duas vagas de senador, ocupadas por Renan Calheiros e Benedito de Lira, que tentarão a reeleição. Dos cinco candidatos, três sobrarão e para não ficar sem mandatos, terão que se aliar ao grupo mais forte. 

4 - Nessas circunstâncias, para acomodar todos os interesses em jogo, o grupo deve repetir o acordão político de 2014 que garantiu a vitória de Renan Filho ao governo e a reeleição do senador Fernando Collor, cujo mandato vai até 2022. 

5 - No fundo, Lessa e Marx Beltrão estão jogando alto para garantir a reeleição à Câmara Federal, enquanto Biu de Lira, que está preocupado em ree-leger o filho Arthur, pode até disputar uma vaga na Assembleia estadual. 

6 – Ajustadas todas as contas, as duas vagas no Senado deverão ficar com Renan Calheiros e Téo Vilela, tudo dentro do cronograma traçado em 2014, e que deverá prevalecer na próxima eleição. 

7 – A única pedra no caminho – se pedra houver - atende pelo nome de Fernando Affonso Collor de Mello. 

Ato irresponsável

O coronel Paulo Marques, subcomandante do Corpo de Bombeiros, cedeu um caminhão para desfilar com os jogadores do CSA, segunda-feira, 25, deixando a cidade à mercê da sorte. Detalhe: a viatura é a única da corporação com grande capacidade de transportar água para combater incêndios. 

Anizão voa alto

O vereador Anizão, de Murici, será o representante no Nordeste da União dos Vereadores do Brasil.Terá como missão construir a unidade dos vereadores em prol de suas entidades estaduais e fazer o elo com a UVB. A posse ocorrerá durante o Encontro Nacional de Legislativos Municipais em Canela – Rio Grande do Sul, dia 8 de novembro.

Uma mão lava a outra

Não passou despercebido dos alagoanos o ato do governador Renan Filho liberando R$ 14 milhões dos cofres públicos para socorrer o Tribunal de Contas do Estado. É a velha política patrimonialista que vigora desde os tempos coloniais. E o povo que se exploda. 

Longe da miséria

Os usineiros de Alagoas - que ainda restam - não param de culpar a seca e o governo pela derrocada do setor. Por incompetência,  fecharam metade das usinas, quebraram o banco do Estado (Produban) e deixaram milhares de fornecedores na miséria. De olho nos cofres públicos, todo ano renovam o surrado discurso social do desemprego em massa e da quebradeira geral. Muitos desses senhores que fecharam suas usinas moram hoje em Londres e Paris, bem distante da miséria que ajudaram a produzir.

La boca

Um magistrado frequentador assíduo das noites maceieonses foi visto no último fim de semana saindo de um bordel da Jatiúca em visível estado de embriaguês. O lupanar é velho conhecido da Polícia Civil, foi fechado algumas vezes por suspeita de prostituição e tráfico de drogas, mas seus donos devem ter amigos na Justiça. 

Impunidade

O Tribunal de Justiça de Alagoas adiou, mais uma vez, o julgamento do deputado João Beltrão, acusado de mandar matar o cabo José Gonçalves da Silva Filho, crime ocorrido há 21 anos, em maio de 1996. 

Beltrão – que exerce o terceiro mandato de deputado – também será julgado pelo TJ como mandante do assassinato do bancário Dimas Holanda, ocorrido em abril de 1997, há 20 anos. 

Os dois crimes estavam prestes a cair na impunidade, mas o Pleno do TJ decidiu recentemente acatar as denúncias do Ministério Público, interrompendo o prazo de prescrição. 

Difícil é reunir todos os desembargadores para julgar o deputado. Talvez daqui a 20 anos o julgamento seja concluído. 

Mal pagador

O deputado Cícero Almeida foi condenado a pagar R$ 200 mil de indenização a um corretor de imóveis de quem comprou um apartamento na Ponta Verde e desistiu do negócio sem pagar a multa contratual. 

Mal pagador inveterado, Almeida também deixou vários trabalhadores da Rádio Jornal sem salário e sem emprego. Ele havia arrendado a emissora, mas deu calote em todo mundo e fechou a empresa. 

Um comunista 

no poder 

Alagoas, que já deu três presidentes da República, deve voltar ao comando do país com Aldo Rabelo como vice de Geraldo Alckmin. Rabelo, que trocou o PCB pelo PSB do falecido Eduardo Campos, navega em todos os mares e tem apoio de vários partidos. 

Notícia falsa

Está circulando no WhatsApp uma entrevista fictícia com um traficante publicada na coluna do cineasta e jornalista Arnaldo Jabor, no jornal O Globo, há mais de 11 anos.

A mensagem que se espalha pelo aplicativo de mensagens, no entanto, toma a entrevista como verdadeira e a atribui a Marcos Willians Herbas Camacho, o Marcola, líder do Primeiro Comando da Capital (PCC).

É tudo nulo

Quatro ministros do STF disseram a O Globo que depoimentos e provas da JBS podem ser anulados.

Anonimamente, eles se dispuseram até mesmo a atuar como advogados de defesa dos membros da ORCRIM, apontando brechas para enterrar os inquéritos. Um desses ministros comemorou:

“Vai ser tudo anulado. Quem vai ter coragem de condenar? Como confiar nessa delação? Tudo tem um lado bom. Isso foi bom para botar um freio de arrumação no absurdo que estava sendo feito”. (O Antagonista). 

Lula na cadeia

Na última segunda-feira 25, o ex-presidente Lula apresentou ao juiz Sérgio Moro os recibos do aluguel de sua cobertura. 

Na quinta-feira, 28, o proprietário do imóvel disse que os recibos foram forjados.

Um dos dois tem de ser preso: ou Lula, por fraude processual, ou Glaucos Costamarques, por falso testemunho. (Diogo Mainard). 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia