Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 940 / 2017

27/09/2017 - 08:51:26

Baixo São Francisco registra presença do matrinxã

Pescadores já haviam relatado capturas da espécie na região; O registro mais recente foi na cidade de Piranhas

ASSESSORIA
Matrinxã reaparece após 40 anos desaparecido na região

O matrinxã, peixe que não era encontrado nas águas do Velho Chico há mais de 40 anos, está de volta no trecho do rio em Alagoas graças aos peixamentos promovidos pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) na região. A presença da espécie na pesca artesanal, no Baixo São Francisco alagoano, foi registrada durante pesquisa que monitora a ictiofauna local realizada pela Companhia em parceria com o Laboratório de Ictiologia da Universidade Federal de Sergipe (UFS). A revista científica “Aquaculture, Aquarium, Conservation & Legislation – International Journal of the Bioflux Society” publicou artigo sobre o referido estudo.

“O retorno do peixe, de importância comercial na região, é resultado dos peixamentos realizados há décadas no Baixo São Francisco pela Codevasf, por meio do Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Itiúba (5ª/CII), localizado em Porto Real do Colégio (AL). Isso mostra a importância dessa atividade para a conservação das espécies nativas do rio São Francisco”, avalia o engenheiro químico e Doutor em Biotecnologia Marcos Vinícius Teles Gomes, analista em Desenvolvimento Regional da Codevasf em Alagoas.

Alguns pescadores já haviam relatado capturas pontuais do matrinxã em localidades do Baixo São Francisco. O registro mais recente foi no povoado de Entremontes, na cidade de Piranhas (AL). O aluno Thiago D’avilla, do Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Conservação da UFS, chegou a registrar a presença do peixe na pesca artesanal de Entremontes em seu trabalho de mestrado.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia