Acompanhe nas redes sociais:

20 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 937 / 2017

04/09/2017 - 20:49:18

Sururu

Da Redação

200 anos de atraso

1 - Os usineiros de Alagoas nem ao menos iniciaram a moagem da safra 17/18 e já começaram a pressionar o governo para isentar as usinas de pagar ICMS.

2 – Alegam risco de fechamento de novas unidades industriais e desemprego em massa de trabalhadores no campo e nas cidades. Esse argumento social da manutenção de empregos é falso e vem desde os tempos dos engenhos banguês.

3 – O setor está em crise, mas a culpa não é do ICMS e outros tributos. Até porque os usineiros sempre arrumaram desculpas para não pagar impostos. Entra governo e sai governo e sempre surgem medidas para justificar a sonegação.

4 – Até 1987, as usinas respondiam por 60% da arrecadação de impostos em Alagoas. Naquele ano, ocorreu o famigerado acordo dos usineiros, que reduziu a tributação a quase zero. E nem assim impediu a decadência e a quebradeira de usinas, por má gestão do setor e queda no preço internacional do açúcar.

5 – Trinta anos depois, metade das 26 usinas alagoanas fechou as portas, milhares de trabalhadores perderam o emprego, 10 mil plantadores de cana quebraram e o Estado - sem arrecadação - entrou também em colapso.

6 – Junto com os políticos que sempre financiaram, os usineiros formaram uma elite incompetente e predadora que engessou o desenvolvimento de Alagoas e culminou com 200 anos de atraso.

7 – Dois séculos de exploração produziram um Estado quebrado, um projeto de classe média fragilizado, meia dúzia de milionários e um exército de miseráveis.  

Decadência

O Estado pagou ontem (31) o salário dos servidores que ganham até R$ 2.340,00, faixa que representa mais de 60% dos 75 mil funcionários ativos e inativos. Nos muni-cípios e no setor privado, a média salarial não chega a dois mínimos, o que revela a decadência da outrora classe média alagoana. 

Supersalários

Renan Calheiros está recolhendo assinaturas para instalação, no Senado, de uma Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar os supersalários pagos com dinheiro público nos três Poderes.

O senador afirmou que, a cada dia, novos casos de recebimento de supersalários “estarrecem” o país e defendeu que o papel do Parlamento é centrar esforços para evitar que isso se repita em todo o país.“É importante encontrar mecanismos para que essas pessoas, nos três Poderes, que receberam acima do teto constitucional, devolvam tudo o que receberam nos últimos cinco anos”, declarou.

Canalha do Ano 

De todas as homenagens recebidas por Lula no Nordeste, incluindo até um falso título de doutor honoris causa, a mais justa e mais digna do ex-presidente foi prestada por Alagoas.

Lula da Silva foi agraciado em Maceió com o diploma de “Canalha do Ano”, título concedido por uma confraria de políticos sem qualquer compromisso com o futuro de Alagoas.

Em sua coluna diária no jornal Gazeta de Alagoas, o jornalista José Elias informa que a honraria será entregue ao ex-presidente pelo sindicalista Adelmo dos Santos, conhecido no estado pela alcunha de “compadre de Lula”.

O titulo concedido a Lula é uma gozação criada pelo “Clube dos Canalhas de Alagoas”, que se reúne todo ano para escolher o mais “canalha” do grupo. Mas, tratando-se de Lula, esse título deveria ser levado a sério, muito a sério.

Afinal, o ex-presidente e sua gangue sucatearam o Brasil e entregaram o país mergulhado na maior crise moral, política e econômica de sua história recente.

Morte encomendada

O inquérito policial que investiga a morte do empresário pernambucano Sérgio Falcão, ex-dono da falida Construtora Falcão, revelou que um empresário alagoano seria o mandante do crime. Em Maceió, a notícia deixou muita gente com as barbas de molho. 

Cabo Luiz Pedro 

O Tribunal de Justiça de Alagoas suspendeu, de novo, o julgamento da apelação do ex-deputado Luiz Pedro, condenado a 26 anos de prisão, em regime fechado, pelos crimes de homicídio qualificado, sequestro e formação de quadrilha. 

É o terceiro adiamento e foi motivado por um pedido de vistas do desembargador José Carlos Malta Marques que alegou ter dúvidas em alguns pontos processuais do voto do relator, o desembargador Sebastião Costa Filho. Não há data para o novo julgamento.  

De adiamento em adiamento o ex-cabo da PM vai escapando da cadeia e frustrando a expectativa da família de Carlos Roberto Rocha Santos.  O bárbaro crime já levou à morte, por depressão, a mãe e o pai da vítima, que morreram sem ver o assassino do filho na cadeia.  

Marajás da toga

O portal Poder360 pesquisou as remunera-ções de juízes em atividade em todos os Tribunais de Justiça do país em julho. Teve sucesso na apuração dos dados em 15 deles, nos quais 4.655 magistrados (73% dos casos analisados) recebem acima dos R$ 33.763, teto constitucional do funcionalismo 

público.

Os 15 TJs analisados gastaram R$ 229,6 milhões com pagamentos acima do teto. Se todos tivessem recebido, no máximo, R$ 33.763, o montante desembolsado seria de R$ 157,2 milhões. Ou seja, economia de R$ 72,4 milhões apenas em julho de 2017. 

Caiu no Radar

O ministro Marco Aurélio desmembrou o inquérito que investiga Fernando Bezerra Coelho, Renan Calheiros e Renan Filho. Como o último é governador de Alagoas, seu processo deve tramitar no STJ.

O inquérito investiga o repasse de R$ 1,2 milhão da Odebrecht para o PMDB de Alagoas após a aprovação de legislação favorável à Braskem S/A, braço da empresa na área de energia.

No despacho, o ministro também concede mais trinta dias para a Polícia Federal concluir as apurações. 

(Lauro Jardim, O Globo) 

Fundo do poço

O número de empresas inadimplentes no país vem caindo desde 2016 e segue na mesma tendência também em 2017. Pesquisa do SPC Brasil revela que no último mês de julho, frente a igual período de 2016, houve uma alta de 3,31% na quantidade de empresas negativadas – em julho de 2016 a variação havia sido de 8,65%. Na comparação entre julho e junho, a variação foi de 0,08%.

Tchau PCC

“Ataque do PCC foi cancela-do porque Maceió não tem a estrutura necessária para o evento”. Assim o maceionse encerrou a quinta-feira, ironizando os boatos de que haveria ataques da facção criminosa no aniversário de sua fundação, 31 de agosto.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia