Acompanhe nas redes sociais:

21 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 936 / 2017

28/08/2017 - 19:38:40

Pedro Oliveira

Tal pai, tal filho

Pedro Oliveira

Praticamente vi o prefeito de Maceió, Rui Palmeira, nascer. Estava com seu pai no interior (1976) quando tivemos que voltar às pressas, pois Suzana tinha entrado em trabalho de parto. Minha ligação com a família sempre foi muito próxima, independente de qualquer vinculo institucional que sempre mantivemos. Acompanhei de perto seu caminhar vitorioso pelas avenidas da vida. A infância e adolescência entre Maceió e Brasília, a vida acadêmica com louvor e especialização em Direito Tributário e Finanças Públicas e a sua vontade insistente em servir a Alagoas. Recebeu de berço os ensinamentos que moldaram o seu caráter, de pais que lhe transmitiram o vigor de um lar com dignidade, respeito ao outro e a honestidade como lema. 

Em 2006 foi eleito deputado estadual obtendo 21.752 votos, sendo o primeiro colocado em sua coligação. Lembro que durante o seu mandato eclodiu o escândalo da “Operação Taturana”  que teria desviado R$ 302 milhões dos cofres da Assembleia Legislativa. Rui Palmeira foi um dos poucos parlamentares não envolvidos no escândalo, que resultou inclusive na prisão e no afastamento do mandato de deputados estaduais. E foi veemente defensor da apuração rigorosa dos fatos, mesmo diante da pressão dos envolvidos nos crimes apontados pelo Ministério Público. Teve um mandato atuante mesmo em um parlamento esfacelado.

Em 2010 optou por concorrer às eleições ao cargo de deputado federal tendo sido um dos mais votados, sendo o parlamentar alagoano mais jovem na história da Câmara dos Deputados. Teve um mandato brilhante e sempre voltado para o interesse público. Defendeu as Reformas Tributária e Política, em prol da desoneração do setor produtivo e do aperfeiçoamento do sistema político brasileiro, assim como também cobrou mais investimentos em Alagoas por meio do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal. Sempre atuante e atento aos desvios de conduta de agentes públicos, votou contra a flexibilização e contra o segredo nas licitações das obras do governo preparatórias para a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016, não compactuando com a alteração feita na Lei 8.666, contrariando o governo petista que muito queria essas flexibilizações, com o intuito de desviar verbas, como em outras obras. Ao concluir seu mandato foi considerado entre os vinte parlamentares com melhor avaliação no país.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia