Acompanhe nas redes sociais:

19 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 934 / 2017

14/08/2017 - 19:49:02

Desinteresse por bens da Laginha faz preço cair

Nova praça do leilão termina dia 14 de agosto

José Fernando Martins [email protected]
A aeronave modelo Carajá está sendo leiolada com lance mínimo de R$ 204 mil

ram um decréscimo em cima dos valores de avaliação. O motivo da desvalorização, segundo a assessoria da leiloeira Superbid, é porque a 1ª praça da hasta, finalizada na sexta-feira, 4 de agosto, ficou sem arremate. 

Uma outra praça já está em andamento até a próxima segunda-feira, 14. Um dos principais ativos à venda é o terreno e imóvel onde funcionava a sede da Laginha Agroindustrial, localizada no bairro Jacarecica, em Maceió. O lote está ofertado inicialmente em R$ 9,5 milhões, sendo que antes, o valor era de R$ 15,7 milhões. 

Também estão sendo leiloados um apartamento localizado no bairro Ponta Verde, em Maceió, com valor inicial de R$ 390 mil, antes R$ 650.000; uma sala comercial, com preço inicial de R$ 87 mil, primeiramente avaliada em R$ 145 mil; e uma aeronave modelo BEM-820C Carajá, com lance inicial de R$ 204 mil e que anteriormente tinha lance mínimo de R$ 340.500,00. 

Se mantidos os preços originais, a Massa Falida receberia cerca de R$ 17 milhões. Com os novos valores, a arrecadação pode atingir por volta de R$ 10,2 milhões. A intenção da Justiça é usar o valor arrecadado para pagamento de credores, fornecedores de serviços, instituições financeiras e tributos fiscais. 

O relator do processo da Laginha, desembargador Tutmés Airan de Albuquerque Melo, informou ao EXTRA que a queda dos valores é  usual. “A estratégia de quem vive de leilão é assim: eles não compram na primeira praça para na segunda conseguir um preço menor. Para evitar que os bens sejam vendidos em preço vil, nós estabelecemos um piso de 60% abaixo da avaliação inicial”, disse. 

A reportagem também entrou em contato com o advogado Fábio Lima, que assessora o comitê de credores da Laginha. “Nossa posição é de conseguir o máximo de valor para a liquidação dos aditivos da massa e assim satisfazer os credores, em especial, os trabalhistas. O leilão mostra uma melhora no andamento do processo. Mas, estamos monitorando os valores. Se acharmos que a quantia é um valor vil, que não corresponde o imóvel, acionaremos a Justiça”.  

Primeira praça

A primeira rodada do leilão de bens da Massa Falida da Laginha, que reúne as antigas empresas doex-usineiro João Lyra, encerrada no dia 4, conquistou o interesse de um único comprador. Do ofertado, somente a aeronave modelo EMB-820C Carajá, ano 1985, avaliada em R$ 340.500,00, recebeu um lance, mas sem arremate.

A proposta do comprador foi de pagar 1,5% a mais do valor sugerido, totalizando R$ 345.607,50. A aeronave também foi o item com mais visitas: 5581. No entanto, todos os bens foram reinseridos para uma nova praça da hasta e vão ficar à disposição do público até o dia 14 de agosto. 

O processo da massa falida da Laginha está sendo conduzido pelos magistrados Leandro de Castro Folly, Philipe Melo Alcântara Falcão e José Eduardo Nobre Carlos.

O leilão está sendo conduzido pelos leiloeiros Renato Schlobach Moysés e Osman Sobral e Silva, matriculados nas Juntas Comerciais de São Paulo e de Alagoas, respectivamente. 

Os lances poderão ser ofertados pela internet, no site da Superbid (www.superbidjudicial.com.br). Presencialmente, pode-se participar em São Paulo, na Av. Eng. Luís Carlos Berrini, nº 105, 4º andar, bairro Vila Olímpia.

Polêmica

O leilão de bens da Massa Falida quase foi  impedido  por Antônio Jose Pereira de Lyra, filho de João Lyra, que entrou com um agravo de instrumento no Tribunal de Justiça pedindo a sustação da hasta. 

Não foi a primeira vez que filhos de João Lyra tentam barrar as vendas dos bens do patriarca. Os futuros herdeiros de Lyra travam uma batalha na justiça desde quando o antigo administrador João Daniel Fernandes tentou leiloar as sucatas do grupo JL e encaminhar a venda das usinas Vale do Paranaíba e Triálcool, em Minas Gerais.

Contudo, o agravo foi negado pela Justiça e o leilão prossegue normalmente. 

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia