Acompanhe nas redes sociais:

23 de Setembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 934 / 2017

14/08/2017 - 19:29:54

Gabriel Mousinho

Não chame o bispo

Fica difícil acreditar na propaganda do governo de Alagoas quando diz que o Estado comemora a redução de assassinatos nos últimos anos. As estatísticas dizem exatamente o contrário.

Pelos números, o ano de 2017, até o final do mês passado, foi o mais violento do que os dois anos anteriores e com um agravante: Maceió já teve um percentual de 44,6% de crimes de morte a mais do que em 2016.

Dias atrás o governador Renan Filho usou a mídia para dizer como fato positivo que o mês de julho foi o menos violento desde 2008. Mas o governador parece ter se atrapalhado com os números. As estatísticas demonstram e mostram que até o mês passado a violência foi maior do que 2015 e com 4,4% mais assassinatos do que 2016, conforme feito no início da semana pelo Diário do Poder.

Como não está podendo controlar a violência, é necessário se conter com dados falaciosos, mesmo porque o alagoano não é besta e nem burro. Nesse caso, chamem o bispo. Aliás, chamem a polícia, já que até o bispo foi assaltado em sua residência no sábado passado.

Segundo escândalo 

Parece que o astral do governador Renan Filho não anda nada bom. Esta semana pipocou o segundo escândalo do seu governo. O primeiro teria sido o pagamento indevido a professores da Ufal onde o secretário-adjunto, Ediberto Omena, está envolvido até o pescoço, mas se mantém no cargo. O segundo, agora bem mais brabo, na própria Secretaria de Saúde e com supostos desvios de 180 milhões de reais em maracutaias em licitações.

Pilatos

Como o escândalo foi pra arrombar, o governador Renan Filho preferiu mergulhar e não se pronunciar sobre a operação da Polícia Federal, pelo menos até à última quarta-feira. Com mais um desses, os Calheiros vão ter mesmo que arquivar o projeto de continuar no governo e se reeleger ao Senado.

Collor no caminho

A política alagoana pode dar uma reviravolta nos próximos dias. Um plano B. Se Rui adiar sua candidatura ao governo, Fernando Collor pode assumir o posto. Nos bastidores ninguém quer apostar numa candidatura do ex-presidente, mas também ninguém duvida de que isso possa acontecer.

Opção

Outro nome que tem sido lembrado é o do ministro Maurício Quintella, que tem subido sua cotação nas pesquisas de opinião. Quintella poderia, caso Rui decida não sair candidato, puxar a chapa majoritária. Trabalhador, competente e ético, Maurício já tem sua reeleição garantida.

Recorde

O deputado Cícero Almeida vai mesmo bater o recorde de mudança de partido. Insatisfeito no PMDB, assim como Marx Beltrão, ele deve migrar para o Podemos, novo partido que já tem vários participantes, inclusive o ex-presidente da OAB, Omar Coêlho de Mello. 

O rombo na Sesau

O governo precisa ir a fundo na punição dos agentes públicos que supostamente participaram do assalto aos cofres públicos com a bagatela de 237 milhões de reais, 180 deles na administração atual. É por isso e por outras coisas que faltam medicamentos e equipamentos para a saúde dos alagoanos, a exemplo do Hospital Geral do Estado que no início da semana precisava de tubos para a realização de hemogramas.

Candidatura              em Piranhas

Uma nova força pode mudar o panorama político de Piranhas. Cansado de velhos grupos que sempre dominaram a região, o nome do empresário Roberinho, do PSB, desponta como uma alternativa que pode mudar os destinos do município. Com grande penetração junto às lideranças políticas e de fácil trânsito junto ao empresariado e vereadores locais, Roberinho é uma aposta para mudar o quadro eleitoral do momento e que pode ser a surpresa nas próximas eleições.

Tchau, Calheiros

Ao votar contra as denúncias ao presidente Michel Temer, o deputado Cícero Almeida contrariou o seu padrinho político Renan Calheiros e já aponta como inevitável sua saída do PMDB. Como queria voltar a ser prefeito de Maceió e precisaria do apoio dos Calheiros na capital, Almeida usou o prestígio nas eleições do ano passado e depois caiu fora. Como Renan pai e Renan Filho já haviam prestado serviço, não era necessário Cícero Almeida continuar no PMDB.

Definhando

Aos poucos, ao contrário do que muitos dizem, o PMDB vai definhando em Alagoas, perdendo alguns integrantes bons de voto. Marx Beltrão é um deles, seguido de Cícero Almeida. Para compensar, o governador Renan Filho e o senador Renan Calheiros, investem no interior do estado.

Pobre Alagoas

O governador Renan Filho seguiu o pai e agora é um ferrenho opositor do presidente Michel Temer. Alagoas pode amargar o esquecimento do governo federal e afundar de vez maiores perspectivas do povo alagoano. A salvação poderá ser parte da bancada federal, que está trabalhando para novos investimentos no estado.

Trabalho reconhecido

O superintendente da Sima, Fred Lins, tem se destacado na gestão do prefeito Rui Palmeira pela forma como tem atendido as demandas de iluminação pública na cidade. Da cota do ministro Maurício Quintella, Fred tem recebido elogios, sobretudo pelo conhecimento técnico da área que dirige. Semana passada recebeu em seu gabinete o prefeito Rui, o deputado Ronaldo Lessa e o ex-superintendente da Sima, Daniel Bernardes.

De mal a pior

O governo do Estado anuncia a construção de vários hospitais em Alagoas, mas não cuida nem dos que tem. A situação do Hospital Geral do Estado é tão grave que até o secretário de Saúde, Chistian Teixeira, transferiu pra lá o seu gabinete. Mas não tem jeito se o governo não investir pesado no setor.

Reforço político

Reeleito presidente da Câmara Municipal de Maceió para o próximo mandato, o vereador Kalmann Vieira é considerado um grande reforço para as eleições do próximo ano. Ao deixar o PMDB, o presidente deixou uma lacuna no partido difícil de ser preenchida. Vieira marcha com Rui Palmeira e o grupo disposto a enfrentar Renan Filho em 2018.

Preocupação

Enquanto não anda com as obras de duplicação da AL-101 Norte, parada desde algum tempo, o governador Renan Filho investe na periferia da cidade, com a construção de escadarias. Vê aí uma maneira de tirar do prefeito Rui Palmeira, como se isso decidisse uma eleição na capital.

Agradecimento

A Associação Comercial distribuiu outdoors pela cidade agradecendo ao senador Benedito de Lira pela sua posição assumida na reforma trabalhista. Diz a associação que “o setor produtivo alagoano agradece ao senador Benedito de Lira e ao Senado Federal pela aprovação da modernização das Leis do Trabalho”.

Calo

Parece que o maior calo do senador Renan Calheiros na corrida para Senado é mesmo o ministro Marx Beltrão. O deputado tem aproveitado sua passagem pelo Ministério do Turismo para abastecer municípios de seu interesse político. Essas ações têm preocupado o clã dos Calheiros.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia