Acompanhe nas redes sociais:

17 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 933 / 2017

07/08/2017 - 20:16:59

Jorge Oliveira

Jorge Oliveira

Homenagem 

a corrupção 

Rio - O reitor Jairo José Campos, da Universidade Estadual de Alagoas (Uneal), está em maus lençóis depois que anunciou uma notícia que parecia brincadeira, mas que se confirmou como verdadeira pela sua própria boca. Ele vai dar o título de Doutor Honoris Causa ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Filiado ao PCdoB, Campos foi ameaçado de morte se de fato realizar tal proeza a um cidadão condenado por chefiar uma organização criminosa. A decisão dele deixou o meio acadêmico do estado estarrecido. Outros agraciados advertem que cogitam devolver os títulos indignados com a homenagem a esse senhor condenado pela justiça. 

O reitor está com medo e já foi à polícia prestar queixa. Avisou também ao governador Renan Filho que corre risco de vida, mas mesmo assim ele mantém a decisão de condecorar Lula. No estado a revolta é geral, a notícia caiu como uma bomba. Fala-se inclusive em protesto de rua para evitar que a universidade cometa essa excrescência, indecência. Essa extravagância extrema de bajulação utilizando-se de um órgão sustentado com o dinheiro público para cometer um ato de absoluta submissão. 

Depois dessa atitude de servilismo explícito, o reitor deveria fazer uma nova proposta ao seu conselho: a criação de uma cadeira que iria ensinar aos seus alunos a teoria da corrupção em um dos estados mais miseráveis da federação. Quem sabe se num futuro próximo Alagoas não estaria exportando essa matéria prima brasileira para o resto do mundo. 

Até agora ninguém se responsabilizou por essa ideia esdrúxula e pusilânime de condecorar o ex-presidente Lula. O reitor, depois das ameaças de morte, vive igual a barata tonta com medo de ser emboscado em um estado que tem fama de cumprir o que promete. E o telefonema não deixa dúvidas: “Se você fizer essa homenagem, no outro dia você morre”, disse a voz cavernosa, do outro lado da linha, para a secretária do reitor que repassou o recado abusado ao chefe. 

E mais: o matador anônimo já avisou também que vai caçar um por um todos que fazem parte do Conselho Superior da Uneal e que acataram a sugestão do reitor para aprovar a tal honraria que estaria marcada para agosto, quando o ex-presidente faz uma viagem de campanha pelo Nordeste e um pit-stop em Maceió para visitar alguns de seus aliados. Se isso de fato acontecer, o reitor não terá mais sossego, pois vai precisar de segurança diariamente para evitar que alguém atente contra a sua vida. E o governo terá que disponibilizar policiais 24 horas por dia para protegê-lo com ônus para os cofres públicos, consequência de um ato despirocado de um professor trapalhão.

Personagens

Na terra de Graciliano Ramos, Jorge de Lima, Aurélio Buarque de Holanda, Nise da Silveira, Audálio Dantas, Cacá Diégues, Ledo Ivo e outros nomes, que honram o estado onde nasceram, é difícil engolir essa decisão da universidade que vai de encontro ao que pensam os alagoanos éticos e honestos sobre os seus personagens que fizeram histórias na arte e na literatura mundo afora. Uma das solenidades de títulos Honoris Causa da universidade ocorreu em 2014, quando notáveis do estado que contribuíram para a cultura foram homenageados: 

Destaque

O jornalista e escritor José Marques de Melo; Audálio Dantas, ex-presidente da Federação Nacional dos Jornalistas; a antropóloga Luitgarde Cavalcante; Moacir Palmeira; o historiador Moacir Sant’Ana; os advogados e ex-presidentes da OAB Marcello Lavenère e Hermann Assis Baeta; o poeta José Geraldo Marques; o antropólogo e historiador Dirceu Acioli Lindoso; e o professor Douglas Apratto.

Encontro

No futuro, na parede da faculdade, esses notáveis vão aparecer ao lado de Lula, o ex-presidente condenado por corrupção e indiciado em mais outros quatro processos. Como todos os agraciados normalmente marcam sempre encontros casuais, pode se imaginar desde já que lá na frente a confraria agende o próximo convescote para um dos presídios de Curitiba. Acorda, Alagoas!

Aparelhamento

Um fato como esse só acontece quando o estado está aparelhado. E a Uneal é a prova disso. Administrada por um militante do PCdoB, o reitor está confundindo um órgão público com uma célula partidária. Esquece, por exemplo, que em um campo universitário convive todas as tendências ideológicas. Portanto, a decisão de condecorar o ex-presidente Lula teria que passar também pelos diretórios dos alunos porque eles fazem parte da comunidade acadêmica.

Truculência

A ideia de homenagear o Lula é descabida no momento em que ele ainda responde a mais quatro processos. Além disso, é inconcebível que uma honraria como essa seja prestada a um cidadão que já foi condenado e está ameaçado de ser preso. Mas a cegueira política e a visão estreita de um reitor quadrado e inadequado às funções, podem levar Alagoas ao ridículo diante de tanta aberração cultural. 

Festinha

Se a petezada quer realmente homenagear o seu líder pela sua passagem pelo estado que promova uma festinha na sede do partido regada a bons aperitivos e uma boa bebida para que todos compartilhem do bom gosto do ex-presidente nessa área da degustação. 

Resistência

O alagoano precisa resistir a um ato tresloucado desse do reitor da Uneal e se manifestar pelas redes sociais contra essa insensatez de homenagear um condenado por corrupção. As universidades que no passado outorgaram esses mesmos títulos ao ex-presidente hoje amargam a decepção de conviver com esse passado triste de não ter critério seletivo para esse tipo de homenagem.  

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia