Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 933 / 2017

03/08/2017 - 21:25:11

Procura-se Jacob Brandão

Página no Facebook faz paródias sobre o ex-prefeito de Mata Grande

José Fernando Martins [email protected]

De um lado está o ex-prefeito de Mata Grande, José Jacob Gomes Brandão, um foragido da justiça, que vivencia uma situação tensa por acusações de corrupção. Do outro encontra-se o eleitor enganado, que com a ajuda da internet e muita criatividade, consegue fazer humor com a situação. Nesta semana, o EXTRA ALAGOAS se deparou com a fanpage do Facebook chamada “Eu Quero Jacob Brandão na Cadeia”.  Nela, o autor, não identificado, faz quadrinhos com diálogos simples, porém críticos, sobre os supostos desvios de dinheiro público realizado pelo ex-gestor. 

Em uma montagem, Jacob Brandão aparece com uma crise de sinceridade com um balão com a seguinte fala: “Eu roubo medicamento dos pobres”. A declaração faz alusão à investigação do Ministério Público do Estado (MPE) deflagrada em junho que desbaratou um esquema de desvio de recursos na área da saúde. Na denominada Operação Sepse, o Grupo Estadual de Combate às Organizações Criminosas (Gecoc) prendeu o ex-prefeito Fábio Rangel, de Girau do Ponciano. Atualmente, Jacob Brandão e Márcia Coutinho, de Passo de Camaragibe, estão foragidos.  

Outra montagem satiriza a possível ida de Brandão à prisão. Nele aparece o pai do ex-gestor, durante diplomação do então prefeito, dizendo: “vai ficar numa cela especial. É show, papai!”. Ao lado, Brandão responde: “é o diploma que ganhei para roubar dinheiro e remédio do povo pobre”. E até o ex-prefeito de Canapi, Celso Luiz, aparece na brincadeira em um diálogo forjado com Brandão. Celso, que hoje está “morando” no Presídio Baldomero Cavalcanti, diz: “venha logo”. E Brandão responde: “Eu tô com medo, Celso”. 

A página ainda fornece um número de serviço para denunciar o paradeiro do ex-prefeito foragido. Segundo especificado, é só ligar para a 17ª Criminal da Capital e “dedurar” Brandão.

OS CRIMES

Nas irregularidades apuradas pelo Gecoc, ficou comprovado que José Jacob Gomes Brandão, Fábio Rangel e Márcia Coutinho assinaram procedimentos licitatórios que beneficiaram a RR Distribuidora, autorizando pagamentos de verbas públicas em favor da referida empresa sem que qualquer mercadoria tivesse sido fornecida ou serviço prestado.

O prejuízo causado já ultrapassaria as cifras de R$ 3 milhões. E tal valor foi confirmado ao Gecoc por uma pessoa que aceitou o benefício da colaboração premiada e decidiu revelar o esquema criminoso. Em depoimento prestado, o delator revelou que foi convencido por um empresário a montar uma empresa de fachada com o objetivo apenas de vender notas fiscais frias em troca de uma determinada quantia em dinheiro. 

Tal empresa deveria fornecer supostamente medicamentos para as prefeituras de Mata Grande, Passo do Camaragibe e Girau do Ponciano. No entanto, ela jamais vendeu os remédios, apesar de emitir nota fiscal em valores altíssimos. A operação prendeu ainda uma ex-secretária de Saúde de Girau do Ponciano e um representante da RR Distribuidora, empresa que pertence ao empresário que aceitou colaborar com as investigações.

A operação foi  deflagrada em junho nas três prefeituras. Após o cumprimento das medidas cautelares à época, centenas de documentos foram recolhidos e eles serviram de base para que o Gecoc pudesse aprofundar as investigações.

Na ocasião, o empresário Josimar Campos de Araújo também foi alvo da operação e havia contra ele um mandado de prisão temporária. Josimar é apontado como proprietário da JC Campos Distribuidora, a principal empresa envolvida no esquema. Ele não foi encontrado em sua residência e também continua foragido, uma vez que o pedido de prisão temporária foi convertido em preventiva em função da fuga do acusado. 

BUSCAS

O EXTRA conversou com um dos integrantes do Gecoc, o promotor Antônio Luiz dos Santos Filho, que informou que as buscas aos ex-prefeitos continuam. Questionado se ambos podem estar fora de Alagoas, Filho alegou que o mais provável é que os políticos estejam sendo acobertados por parentes. “São pessoas influentes e com poder”, destacou. O ex-prefeito Jacob Brandão, de Mata Grande, ingressou com um habeas corpus no dia 20 de julho, no Tribunal de Justiça para tentar evitar a prisão. 


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia