Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 931 / 2017

20/07/2017 - 21:34:05

Cristiano Matheus era líder de quadrilha, afirma PF

Ex-prefeito é acusado de desviar R$ 6 milhões da educação de Marechal Deodoro

José Fernando Martins [email protected]
PF faz devassa nos endereços de Cristiano Matheus em busca de provas da corrupção

O ex-prefeito de Marechal Deodoro, Cristiano Matheus, seria o beneficiário do Bolsa Família mais rico do país. Isso porque Matheus não tem nenhum bem registrado em seu nome, a não ser uma motocicleta. Ou seja, um pai de família sem renda e moradia própria. 

Mas, mesmo assim, o político goza uma vida de luxo com direito a carros finos, viagens em jatos e coleção de posses, como fazendas, postos de combustíveis e residências. A informação é do delegado da Polícia Federal, de Pernambuco, Márcio Tenório.

Matheus foi o alvo da Operação Astaroth (em alusão ao demônio fenício da vaidade), deflagrada pela PF nos estados de Alagoas, Maranhão e Pernambuco, nesta quinta-feira, 20, em busca de provas para comprovar o desvio de R$ 6 milhões da Prefeitura de Marechal Deodoro, verba que deveria ser investida na educação.

Durante coletiva, delegados foram sucintos: “Cristiano Matheus encabeçava uma organização criminosa que lesava o patrimônio público e todos seus bens estão no nome de ‘laranjas’”. Conforme o superintendente da PF, em Alagoas, Bernardo Gonçalves, Matheus ainda pode ser preso durante o andamento das investigações. 

“A Justiça considerou não haver necessidade de prisão preventiva no momento, mas nada impede que ele seja preso no decorrer dos fatos. A investigação deve ser encerrada em 30 dias, mas há extensão desse prazo”, explicou ao EXTRA. 

Para o delegado Márcio Tenório, as documentações apreendidas já formam um rol de provas substanciais. “Nem mesmo ele fora da cadeia poderia fazer algo para reverter tudo que nós já temos e sabemos”, disse. 

A quadrilha também fazia o esquema de lavagem de dinheiro. Cristiano Matheus teria um patrimônio plural, com terrenos, fazendas, residências e postos de combustíveis em Alagoas e outros estados.  “No Maranhão, por exemplo, ele possui uma fazenda e dois postos. Já em Pernambuco, outra fazenda. O restante dos bens está espalhado por cidades alagoanas”, revelou Tenório. 

No total, a operação contou com cerca de 100 policiais federais. Foram apreendidos documentações, quatro veículos de luxo, a quantia de 11 mil euros, mídias digitais, uma arma e computadores. 

Demônio Vaidoso

A operação cumpriu nove dos 17 mandados de busca e apreensão e de sequestro de bens em Maceió, Santana do Ipanema, Marechal Deodoro e Pão de Açúcar. A investigação foi para comprovar o desvio de verbas oriundas do Programa Nacional de Apoio ao Transporte Escolar (PNATE), Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) e Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb). 

De acordo com a PF, 14 pessoas, familiares, ex-assessores e funcionários de Cristiano Matheus estavam envolvidos no esquema fraudulento. Matheus governou Marechal Deodoro por quase dois mandados, de 2009 a 2016, sendo que em setembro do último ano, foi afastado do cargo também por denúncia de corrupção. 

A decisão foi proferida pela magistrada Isabele Carvalho de Oliveira, da 2ª Vara da Justiça Federal, atendendo um pedido do Ministério Público Federal em Alagoas (MPF/AL), que também exige o ressarcimento de mais de R$ 102 milhões aos cofres públicos devido a rombo no erário da cidade. 


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia