Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 928 / 2017

29/06/2017 - 18:57:10

Cresce número de dependentes químicos menores de idade

Menino acorrentado pela mãe morreu por cardiopatia; caso foi exibido pelo sbt

Sofia Sepreny Estagiária sob supervisão da Redação
Mãe acorrentou o filho para livrá-lo das drogas; não deu certo

Uma família de Alagoas foi destaque em programa nacional em reportagem exibida pelo SBT. A história acompanhada pelo programa Conexão Repórter desde 2012 mostra o caso de uma mãe que acorrentou seu filho de 12 anos por ser usuário de drogas e traficante.

“Pra não ver ele roubando, alguém batendo nele, ele fazendo coisa ruim, eu prefiro amarrar”, afirma a mãe do jovem. Malyson usava drogas desde os 10 anos de idade, no conjunto Cidade Sorriso, no bairro do Benedito Bentes.

Medidas extremas norteadas pelo desespero fizeram a mãe acorrentá-lo. Em março deste ano, após dois anos sem usar drogas, o menino morreu por cardiopatia congênita, o que fez o programa voltar lá pra relembrar a história do garoto e contar novos casos de menores dependentes químicos.

Em Alagoas, somente no primeiro trimestre deste ano, 227 menores de idade foram apreendidos. Segundo dados da Secretaria de Segurança Pública (SSP), 114 deles foram pegos com entorpecentes, o que representa metade do total.

E conforme a Secretaria de Estado de Prevenção à Violência, em 2016 foram encaminhados para as comunidades acolhedoras credenciadas pelo Governo do Estado 467 adolescentes, entre meninas e meninos para reabilitação.

Maceió tem seis 

áreas mais 

vulneráveis

De acordo com um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) divulgado na última semana, 5% da população mundial consumiu algum tipo de droga em 2015, o que se traduz em aproximadamente 250 milhões de pessoas, e pelo menos 190 mil morreram neste mesmo ano por causas diretas relacionadas com entorpecentes.

A população de usuários de drogas é um número que dificilmente diminui. A Seprev enfatiza que é muito difícil quantificar o número de menores usuários, pois são sempre “dois entrando nas drogas e um saindo”, por exemplo. 

De acordo com os estudos realizados pelo Observatório de Prevenção à Violência da Seprev, os territórios de alta vulnerabilidade que concentram grande parte das ações dos programas de ajuda a jovens dependentes químicos são: Vergel do Lago, Benedito Bentes, Jacintinho, Cidade Universitária, Tabuleiro dos Martins e Clima Bom. 

A falta de instrução, orientação e apoio institucional deixam os familiares destes usuários muitas vezes de “mãos atadas”, o que resulta em situações apresentadas pelo programa: mães sem orientação e sem saber o que fazer amarrando seus filhos para se livrarem do vício e dos perigos do tráfico. 

Em contato com a assistente social Renata Amorim, ela explicou como funciona um centro de acolhimento do Estado. “A vinda tem que ser por livre arbítrio, então o adolescente passa por uma triagem entre assistência social, psicólogo e enfermeiro. O primeiro contato com o adolescente e o assistente social é sozinho. Por diversos fatores, alguns adolescentes ainda omitem o uso e não se sentem a vontade para falar a respeito na frente de familiares”, afirma a assistente.

GRUPO DE AJUDA

Por isso, em Maceió, a Superintendência de Políticas Sobre Drogas dispõe de um grupo de mútua ajuda direcionado para os familiares/cuidadores. O grupo se reúne todas as terças-feiras das 14h às 16h30 e é composto por familiares de dependentes químicos que estão nas comunidades acolhedoras e dependentes químicos em recuperação. Os temas abordados são relacionados com a necessidade apresentada pelo grupo: codependência, dependência química, drogas e seus efeitos e etc. Além disso, ocorrem oficinas artesanais visando à autonomia, geração de emprego e renda, autoestima. Há também participações de palestrantes externos – com testemunhos dos dependentes químicos em recuperação; partilhas de convivência.

O grupo é acompanhado pelos técnicos da Reinserção Social: psicólogos e assistentes sociais, que ofertam apoio, sendo responsáveis por ministrar palestras.

As famílias são orientadas e trabalhadas em relação ao limite, fundamental para prevenir o uso de drogas e auxiliar na recuperação da dependência química, tomando decisões e adotando uma postura diferente pela reflexão, tornando-se fundamental a participação da família no processo de recuperação, entendendo, conhecendo e sabendo como lidar com o seu familiar dependente químico.

Ações de prevenção, recuperação e reinserção social para dependentes de álcool e outras drogas são imprescindíveis para a recuperação dos jovens. O governo de Alagoas tem algumas entidades de acolhimento para dependentes químicos. Uma delas é a Rede Acolhe que faz parte do Programa de Reinserção Social. 

O programa é uma iniciativa do governo que vai garantir aos dependentes químicos a inserção no mercado de trabalho. Ações deste projeto levam como base a Lei 7.865/2017, de autoria do deputado estadual Carimbão Júnior e sancionada pelo governador Renan Filho. O documento institui a política estadual de reinserção social para dependentes químicos recuperados, gerando vagas para contratos de trabalho. A Rede Acolhe oferece tratamento terapêutico gratuito para dependentes químicos em comunidades acolhedoras, onde os dependentes químicos passam até seis meses realizando o tratamento.

Ao todo, as 37 comunidades acolhedoras já beneficiaram mais de 25 mil dependentes químicos, afastando-os do cenário de uso das drogas e do ambiente de vulnerabilidade social.

Agentes da paz

Outro programa de reinserção social é o intitulado Anjos da Paz que abrange todo o estado para também ampliar as oportunidades de emprego aos ex-acolhidos. O programa funciona com equipes compostas de assistentes sociais e psicólogos que, em visita domiciliar, oferecem orientação e ajuda às famílias e/ou aos dependentes químicos sobre as possibilidades de recuperação, prevenção ao uso abusivo das drogas e encaminhamentos junto aos diversos equipamentos que se relacionam com o problema. Além de lidarem diretamente com o usuário, as equipes também prestam assistência aos familiares.


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia