Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 926 / 2017

18/06/2017 - 17:30:42

Meio Ambiente

Sofia Sepreny Estagiária sob supervisão da Redação

Rio Camaragibe

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou esta semana a Usina Santo Antônio pelo lançamento de efluentes líquidos sem a devida autorização no Rio Camaragibe. Os dejetos estão ocasionando poluição hídrica com mortandade de peixes na zona rural do município de Matriz de Camaragibe. O MP pode coibir a conduta dos diversos agentes envolvidos na poluição do rio. O Ministério realizará uma audiência, previamente no dia 22 de setembro para discutir as condutas necessárias para investigação pelo Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) e Instituto do Meio Ambiente (IMA) junto ao investigado, a Usina Santo Antônio.

Jiboia na Serraria 

O Batalhão de Polícia Ambiental (BPA) capturou uma jiboia escondida numa residência no início desta semana. No fundo da casa, no bairro da Serraria, em Maceió, havia algumas árvores frutíferas. Durante o resgate, a guarnição explicou ser comum os animais saírem das áreas de mata em períodos chuvosos para procurar abrigos próximo a residências. A orientação para situações como essa é que a população acione os órgãos competentes para evitar acidentes. A jiboia capturada foi levada para o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis (Ibama).

Leptospirose  

A falta de saneamento básico refletiu em três mortes em algumas cidades de Alagoas. O alagamento de ruas e casas em vários pontos do estado devido às chuvas fortes agravou o número de casos suspeitos de leptospirose. Foram 15 ocorrências só no período pós-chuvas e até o momento três pessoas morreram.

Extinção de abelhas 

Sem as abelhas, você teria que abrir mão do suco de laranja e da geléia de morango no café da manhã, das amêndoas, maçãs, mangas, abobrinhas, tomates, kiwis, melancias - e de inúmeros outros alimentos. Esses insetos têm diminuído bastante suas populações principalmente nos Estados Unidos e na Europa. Mas também por uma série de estudos que detalham os serviços que prestam ao ecossistema, incluindo sua capacidade de aumentar em cerca de 25% o rendimento das colheitas - e, consequentemente, dos alimentos que comemos.

Agricultura e desastres 

Novos números divulgados pela Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO) indicaram que 23% de todos os danos e prejuízos causados por desastres de média e grande escala no mundo foram registrados na agricultura de países em desenvolvimento no período de 2006 a 2016. No caso da seca, a agricultura respondeu por até 80% dos danos no mesmo período, uma indicação do severo impacto dos desastres naturais no setor agrícola e na segurança alimentar. De acordo com a nova publicação da agência da ONU, tecnologias agrícolas específicas para reduzir o risco nas propriedades rurais são mais efetivas no momento de desastres.

Turistas estrangeiros  

A Comissão de Meio Ambiente (CMA) aprovou nesta semana o projeto de lei do Senado que autoriza o governo federal a criar Áreas Especiais para Desenvolvimento Turístico (AET). A intenção é aumentar a competitividade do Brasil como destino de turistas estrangeiros. Essas áreas especiais que terão benefícios tributários e administrativos deverão atender a uma série de requisitos, como potencialidade turística e facilidade de acesso a portos e aeroportos internacionais, além de contar com um plano de exploração da área, acompanhado de estudos de viabilidade técnica e econômico-financeira.

Poluição em Paris 

Uma mulher parisiense está processando o governo francês por “danos provocados a sua saúde” pela poluição do ar e quer uma indenização de 140 mil euros (cerca de R$ 514 mil). Clotilde Nonnez, uma professora de ioga de 56 anos, diz ter vários problemas respiratórios desenvolvidos durante os mais de 30 anos em que morou na capital francesa. Ela alega que eles se tornaram mais agudos em dezembro do ano passado, quando Paris teve níveis recordes de poluição. Apesar de o ar na cidade ter quase o dobro de partículas finas em suspenso (as chamadas PM2.5) do que o índice máximo recomendado pela Organização Mundial da Saúde (OMS), Paris está longe de ser a mais poluída da Europa.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia