Acompanhe nas redes sociais:

16 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 922 / 2017

22/05/2017 - 16:56:57

O que fazer para não ser alvo de ataques na internet

Mais de 300 mil computadores em mais de 100 países foram atingidos pelo mesmo vírus

Bruno Fernandes Estagiário sob supervisão da Redação
Tela de PC invadida; para voltar a acessar o sistema, usuário tem que pagar em bitcoin

A onda de ciberataques que assolou o mundo na última sexta-feira, 12, gerou muitas dúvidas entre especialistas e usuários comuns que não sabiam como agir. Mais de 300 mil computadores em mais de 100 países foram atingidos pelo vírus conhecido por WanaCrypt0r 2.0 e o Brasil não ficou de fora desse massacre virtual.

Órgãos públicos não só do Brasil, mas também de outros países, desligaram por completo seus servidores mestres a fim de resguardar os dados da população que até a manhã daquele dia eram considerados superprotegidos. 

Mas afinal, o que é esse vírus e o que ele faz para causar esse pânico entre as maiores empresas e os mais poderosos governos do mundo? De uma forma simples e resumida, o WanaCrypt0r é um tipo de ransomware que limita ou impede aos usuários o acesso ao computador e a seus arquivos solicitando um resgate para que eles possam ser acessados de novo. Este resgate é geralmente pago em uma moeda digital, frequentemente o bitcoin - 1 bitcoin equivale a R$ 6433,59 na cotação atual -, por ser totalmente virtual, é impossível seguir o rastro do pagamento e identificar os hackers.

Segundo especialistas, não existe uma maneira efetiva de proteger seu computador pessoal desse tipo de ataque, visto que a falha está em uma atualização do sistema operacional Windows, sistema operacional instalado na maioria dos desktops do mundo, porém existem truques para dificultar o sequestro de seus arquivos.

A reportagem do EXTRA conversou com o presidente da Comissão de Tecnologia da Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), Fernando Câmara, que deu algumas dicas de como o usuário comum, pode se prevenir desses ataques e manter seus arquivos a salvo.

Confira as dicas 

1 - Manter seus dispositivos todos atualizados: isto vai ajudar a corrigir constantemente erros e falhas dos sistemas de seus dispositivos. Uma boa forma de fazer isso de modo contínuo é adicionando novas funções e atualizações de segurança para cobrir os pontos vulneráveis.

2- Cuidado com redes públicas: utilizar redes públicas para recreação não é um problema, por si só, porém é preciso muito cuidado porque essa conexão entre sua máquina e a rede pode ser alvo de programas espiões, que podem captar suas senhas e dados. Por isso não é recomendado utilizar esse tipo de rede para transações bancárias e acessos de e-mails, especialmente profissionais. 

3- Altere suas senhas constantemente / Evite senhas fáceis: alternar as senhas de tempos em tempos evitará muitos problemas e tornará os acessos de suas contas mais restritos e seguros. Evite senhas como datas de aniversário tanto suas como de parentes próximos, pois hoje em dia quase todo tipo de informação é acessível através de redes sociais. Também é aconselhável que evite o uso de senhas sequenciais óbvias ou muito simples (ex.: “abcd”, “123456”, etc). 

4 - Mantenha ativo e atualizado um bom antivírus: um bom antivírus é uma ferramenta fundamental, especialmente para usuários leigos, sem muita experiência, porque via de regra atua de forma automática na proteção de seus dados digitais: não só previne que seu dispositivo seja alvo de ataques como repara estragos causados por vírus, e ainda pode bloquear acessos a sites suspeitos, arquivos maliciosos e principalmente do roubo de seus dados.

5- Cuidado com e-mails, mensagens e anexos: nem sempre estamos preparados para uma ameaça hacker, porém podemos evitar abrir e-mails suspeitos ou fraudulentos (tais como de sorteios do qual você não se inscreveu) ou mensagens com ofertas aparentemente impossíveis ou imperdíveis. É bom ressaltar que em nenhuma hipótese deve se baixar anexos de mensagens, e-mails desconhecidos, menos ainda baixar anexos de sites suspeitos.

O que fazer em 

caso de ataque

Caso já tenha sido vítima de uma invasão ou algo deste tipo, o especialista recomenda também que seja procurado um advogado, para que verifique as eventuais medidas jurídicas que você precisa adotar para sanar ou pelo menos minimizar os efeitos do ataque, porém, não esquecendo de fazer o registro policial da ocorrência, munindo a autoridade do máximo de informações e detalhes que estiverem ao seu alcance para prevenir muitos problemas futuros.  

Além das delegacias especializadas da Polícia Civil, também podem ser acionadas a Polícia Federal pois crimes de internet também são considerados crimes federais, ou procurar ajuda de organizações como a SaferNet, que constantemente colabora com investigações junto ao Ministério Público Federal e com a própria PF para desvendar esses crimes.

Durante o ataque, foram enviadas pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República na sexta-feira, 16, algumas recomendações para todas as instituições federais do País, com orientações que iam desde o backup total dos arquivos e até de isolar a máquina da rede ao primeiro sinal de infecção por malware.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia