Acompanhe nas redes sociais:

18 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 921 / 2017

16/05/2017 - 07:05:00

Sessão pública em Delmiro Gouveia vai debater problema da seca

Deputado Ronaldo Medeiros visitou a região e pede mais atenção para irrigação

Maria Salésia [email protected]
Ronaldo Medeiros convoca população para debater problemas do Sertão

A seca que atinge o estado de Alagoas e a utilização do Canal do Sertão serão debatidos nesta sexta-feira, 12, em Delmiro Gouveia, município encravado no sertão de Alagoas e distante pouco mais de 300 km da capital Maceió. A sessão pública, proposta pelo deputado Ronaldo Medeiros, acontece a partir das 9 horas no Campus Sertão da Ufal daquela cidade. O deputado convoca a população a participar do encontro que vai contar  com a participação de órgãos ligados à causa. 

Segundo o deputado, a sessão pública será de grande importância para debater e esclarecer a utilização da maior obra hídrica do estado. Além do que, a seca, problema crônico que assola a região, também estará em pauta. “O povo de Delmiro e de toda a região estão convocados a participar, opinar, tirar dúvidas e juntos encontrarmos caminhos para minimizar os problemas do sertanejo”, convocou Ronaldo Medeiros.

Mesmo o sol escaldante do sertão, cenário árido e de pouca chuva não apagam a esperança do deputado que é ver o verde brotar as margens do canal, com lavoura irrigada. E foi durante visita à região no último dia 1º que Medeiros constatou que se o Canal do Sertão for bem utilizado será um instrumento de grande valor do povo sertanejo.

O parlamentar disse que durante a viagem pode observar que algumas iniciativas foram tomadas, mas ainda é pouco para o potencial que o projeto pode oferecer. E compara que não adianta ter a água, a terra, a semente se não tiver o instrumento que leve a água até seu destino final. “De nada adianta a água jorrar e o povo ficar apenas assistindo. É preciso investir e levar o produto a quem necessita”, argumentou.

O fato é que o Canal do Sertão aumentará a oferta de água para consumo humano, animal e atividade agrícola na região

Defensor da agricultura familiar, esta semana o deputado, ao lado do governador Renan Filho, participou da distribuição de sementes para a população que depende da agricultura familiar em Alagoas. “Quando incentivamos esse tipo de atividade, estamos incentivando a economia de toda uma região. Ao todo 11 mil famílias serão beneficiadas”, afirmou. 

O CANAL

A história do Canal do Sertão começou há mais de 20 anos, ainda no governo de  Geraldo Bulhões, em 1992. GB, como era conhecido o então governador, iniciou o projeto, mas foi paralisado e ficou abandonado por quase 10 anos.

Projetado para 250 quilômetros de extensão e abastecer a pelo menos um milhão de pessoas da região, o canal deveria custar R$ 1,5 bilhão, mas os entraves, falta de vontade política e corrupção encareceram a obra. Já foram gastos mais de R$ 2 bilhões e até o trecho 5 a obra está orçada em R$ 3 bilhões.  Além do que não há previsão de quando chegará ao fim. Hoje, pouco mais de 100 quilômetros foram concluídos e atende a 160 mil famílias. 

Vale ressaltar que o canal compõe o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) do governo federal e quando concluído, serão 250 km de abastecimento de água ao alcance de um milhão de pessoas, em 42 cidades, do Sertão ao Agreste de Alagoas.

Um fato que chama a atenção é que as empreiteiras Odebrecht, OAS e Queiroz Galvão que participaram da obra todas são alvos da Operação Lava Jato.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia