Acompanhe nas redes sociais:

13 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 920 / 2017

08/05/2017 - 15:55:33

Gabriel Mousinho

Golpe na Lava Jato

Gabriel Mousinho

A decisão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal de soltar o ex-ministro José Dirceu, referência em todo esse processo de corrupção, abriu uma brecha para que outros envolvidos tenham o mesmo destino nos próximos meses, além de ameaçar futuramente os resultados da Lava Jato. Mas a presidente do STF, ministra Cármem Lúcia, não pensa assim, ao contrário de boa parte da população brasileira.

A decisão da Corte movimentou as redes sociais e o STF não ficou bem na foto, embora os ministros que decidiram pela concessão do habeas corpus justificassem que a prisão preventiva, já que os processos estão em grau de recurso, foi longa demais.

A maior preocupação, agora, é de que muitos envolvidos se abstenham de fazer delação premiada, acreditando que o mesmo remédio jurídico seja aplicado em casos semelhantes e que os resultados passem a ser também os mesmos.

Se existiram exageros nas decisões por parte do juiz Sérgio Moro, que elas fossem sanadas e reparadas sem a necessidade de comprometer todo um trabalho que descobriu e identificou o maior caso de corrupção existente no mundo. A soltura de José Dirceu abre passagem para Antonio Palocci e outros caixa-altas que mandaram durante um bom tempo neste país. 

O coordenador da força-tarefa da Lava Jato, o procurador da República Deltan Dallagnol disse ter “faltado coerência aos ministros” e argumentou que “a prisão é um remédio amargo”, porém “ necessário para proteger a sociedade contra o risco de recidiva, ou mesmo avanço, da perigosa doença exposta pela Lava Jato”, numa referência à corrupção

Saindo do PMDB

O deputado Cícero Almeida está de malas arrumadas para mudar de partido mais uma vez. Agora deve trocar o PMDB pelo PTN porque não quer ficar a reboque da família Calheiros, a mesma que lhe deu oportunidade de disputar mais uma vez a Prefeitura de Maceió. Esta será a nova vez que Almeida muda de partido.

Perdendo cargos

Votar contra a reforma trabalhista não agradou ao Palácio do Planalto e, por isso mesmo, alguns deputados alagoanos estão perdendo cargos no estado. Entre eles, Ronaldo Lessa, Cícero Almeida,Givaldo Carimbão, Rosinha da Adefal e Renan Calheiros. O governo, como se vê, partiu para cima dos considerados infiéis.

Pode sair

O governo de Michel Temer está preocupado com as posições assumidas pelo líder da bancada do PMDB no Senado, Renan Calheiros, que pode inviabilizar a aprovação da reforma trabalhista e futuramente da previdência social. Nos bastidores se comenta que Renan, mais cedo ou mais tarde, vai ser destituído da função.

Atirando

Raríssimas vezes se viu o senador Benedito de Lira criticar companheiros do Congresso Nacional, o que ele tem administrado com inteligência durante mais de 50 anos de vida pública. Mas esta semana Biu não resistiu e denunciou o colega Renan Calheiros de estar prejudicando a Comissão Mista do Orçamento, uma das mais importantes do Senado. Biu disse que Renan está a atrapalhar a formação da Comissão por questões meramente pessoais e pequenas.

Indigestão

Não convidem para a mesma mesa o ministro do Turismo, Marx Beltrão, e o prefeito de Teotônio Vilela, Joãozinho Pereira. A disputa pela liderança e votos na região pode fazer a comida indigesta.

Judiciário 

na mira

Depois da citação dos nomes dos ministros Humberto Martins e Benedito Gonçalves, do Superior Tribunal de Justiça, na Operação Lava Jato, novos lances devem acontecer com as delações da OAS, da própria Odebrecht e outras envolvidas no processo de corrupção. O inquérito está na fase de investigação e somente depois da obtenção de provas o ministro Edson Fachin vai decidir sobre a instauração ou não da ação penal.

Pisando na bola

Ninguém sabe por que o setor jurídico da Câmara Municipal não alertou a Mesa Diretora de que a lei que libera o estacionamento após compras dos usuários era inconstitucional. Foi um vexame para os consumidores depois de decisões judiciais que restabeleceram o pagamento do estacionamento. E uma humilhação para a Câmara de Vereadores de Maceió.

Esqueceram            de mim

Nas eleições de 2014 o então deputado João Lyra era um dos mais assediados. Afinal de contas, ele dominava o PSD em Alagoas e consequentemente era uma vitrine desejada, tudo por que numa aliança política aumentaria o tempo no rádio e televisão do candidato ao governo. E ele apostou tudo na eleição do governador Renan Filho, na esperança de que o pai resolvesse os problemas de falência de suas indústrias. Passados os anos, o governador Renan Filho apareceu, mas para anunciar que fará a maior reforma agrária em terras da Usina Guaxuma, exatamente as que pertenceram a João Lyra.

Linhas de risco

Uma composição para as duas vagas no Senado no próximo ano pode trazer resultados desagradáveis para algumas lideranças políticas em Alagoas, a exemplo do senador Renan Calheiros. Bombardeado por denúncias na Lava Jato, Renan vê que alguns antigos aliados preferem ficar longe dele. Um mau sinal para quem deseja, ardentemente, ser reconduzido ao Senado Federal.

Pé na tábua

Sabendo que sua vida política não será nada fácil no próximo ano, o governador Renan Filho tem feito ouvido de mercador quando ligam seu nome à Operação Lava Jato. Ele sabe que a repercussão é ruim, principalmente com as investigações que pesam sobre seu pai. Mostrando que está alheio a tudo isso, o governador enfia o pé na tábua no interior para garantir apoio de lideranças políticas ainda em cima do muro sobre as eleições de 2018. Ele anuncia construção de estradas, bases da Polícia Militar e envereda também em ações produzidas pela Secretaria de Agricultura.

Eleição garantida

Realizando um trabalho reconhecido por todos, o ministro Maurício Quintella garante, desde já, uma reeleição tranquila para deputado federal. Quintella tem aparecido como um grande tocador de obras federais em Alagoas e a cada dia ganha mais apoio político. Seu grupo deverá fazer um diferencial nas eleições de 2018.

Resgatando Traipu

O prefeito Eduardo Tavares em poucos meses de trabalho tem resgatado a imagem ruim de Traipu ao longo dos anos, que foi devastada por administrações corruptas e irresponsáveis. Com vasta experiência no serviço público e sendo um fiel seguidor da legalidade, ele tem transformado o município em um canteiro de obras, promovendo o desenvolvimento de um dos mais atrativos recantos turísticos do estado. Mesmo sendo filiado ao PSDB, Tavares tem atraído a atenção da classe política para trabalhar por Traipu, a exemplo do governador Renan Filho, que lhe tem dado o apoio necessário para desenvolver obras sociais na região.

.Serviço ineficiente

Quem for comprar um equipamento da Mondial, a exemplo de um liquidificador e se ele der um defeito, é recomendável tomar lexotan em dose dupla. Alguns representantes técnicos ficam mais de 30 dias com o aparelho sob a alegação de que as peças demoram a chegar e mesmo assim só dão alguma explicação se o cliente insistir.

Abuso de táxis

A SMTT deve fiscalizar com mais rigor alguns proprietários de táxis na capital que, mesmo se utilizando da faixa azul exclusiva para ônibus, ainda migram para outra faixa, contribuindo para os intermináveis congestionamentos na Avenida Fernandes Lima. Isso tem prejudicado sensivelmente os pobres motoristas que sofrem diariamente os transtornos do trânsito naquela região. 


Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia