Acompanhe nas redes sociais:

15 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 919 / 2017

02/05/2017 - 09:05:57

Sururu

Hipocrisia

Da Redação

1 - O preço dos combustíveis no mercado varejista é livre em todo o país, e na competição entre os postos, cada um cobra o valor que achar conveniente. E é assim que deve ser - como manda a livre concorrência de mercado.

2 – Mas, na falta do que fazer, a Câmara de Maceió criou uma comissão de vereadores para investigar a causa dos diferentes preços de combustíveis cobrados em Maceió em relação a outras capitais do Nordeste.

3 - Por isso os empresários do setor não sabem mais como agir: se praticam preços semelhantes são denunciados por crime de cartel, e se cobram preços diferenciados também são acusados de explorar o consumidor.

4 - Mais faria a Câmara de Vereadores pela comunidade se focasse seu trabalho na edição de leis do interesse do povo e na fiscalização dos atos do Executivo.  É para isso que ela existe.

5 - Gastar tempo e dinheiro com interferências indevidas na atividade empresarial privada é tergiversar em suas tarefas constitucionais.

Um cidadão do bem 

Uma nota publicada quarta-feira, 26, na coluna Radar On-line tenta indispor o procurador-geral de Justiça de Alagoas, Alfredo Gaspar de Mendonça, contra o governador Renan Filho.  

Lembra a nota que o procurador foi secretário de Segurança Pública, na gestão de Renan Filho, e agora faz campanha contra o Projeto de Lei de Abuso de Autoridade, de autoria do senador Renan Calheiros.

Antes de desmerecer o procurador, os fatos o engrandecem ao revelar sua independência como cidadão e, sobretudo, como membro do Ministério Público Estadual, onde conquistou respeito e admiração dos alagoanos por sua marcante atuação como promotor de Justiça.  

Mérito

Mesmo que a reforma trabalhista não consiga desatar o nó do velho dilema da relação capital-trabalho, terá o mérito de acabar com a maléfica indústria das ações trabalhistas. 

Coisas de Alagoas

Ao julgar uma ação administrativa contra um servidor do TJ acusado de corrupção, 12 dos 15 desembargadores declararam-se suspeitos para atuar no processo. O caso foi enviado ao STF, que o despachou para o CNJ.

Transparência

O deputado Bruno Toledo faz muito bem em cobrar transparência na execução do Fecoep, programa de erradicação da pobreza financiado com dinheiro do povo. Desde sua criação, no Governo de Ronaldo Lessa, há denúncias de irregularidade na destinação desses recursos, que chegam a R$ 100 milhões por ano.

Condenado

O próprio Ronaldo Lessa foi condenado em 2012 por improbidade administrativa na gestão do Fecoep. “Foram desviados mais de R$ 50 milhões que deveriam ter sido destinados ao combate à pobreza que tanto assola o estado de Alagoas”, diz a decisão dos juízes da força tarefa do Tribunal de Justiça de Alagoas, ao condenarem o ex-governador 

Drogados

A desconfiança aumentou a partir da inclusão, no Fecoep, da rede “Acolhe Alagoas”, que cuida de dependentes químicos.  Há graves denúncias de que esse programa é usado como moeda de troca para angariar votos.

Biu escapa              da Lava Jato

Ao fechar o inquérito (nº 3515) da primeira delação de Alberto Youssef, a Polícia Federal não encontrou provas para indiciar o senador Biu de Lira nas denúncias do doleiro - “Não foi possível comprovar, com os elementos trazidos à investigação, a participação do senador no fato sob apuração”, diz o relatório da PF.

Viva Alagoas

Se chegar incólume ao final da Lava Jato, Biu de Lira ao menos salvará Alagoas da vergonha de ter toda a sua bancada no Senado envolvida no maior escândalo de corrupção da história desse país. 

Na dúvida....

Os outros dois senadores – Renan Calheiros e Fernando Collor -  foram denunciados em vários inquéritos, mas negam as acusações e juram inocência. Até o final das investigações terão o benefício da dúvida.

Paulo Jacinto

A água imprópria para uso que chega as torneiras em Paulo Jacinto tem comprometido a saúde da população. De coloração escura e com forte odor, o líquido não serve nem para uso doméstico. A Casal alega que o problema será resolvido assim que a limpeza da barragem for concluída.

Saia justa

O vazamnto de água em uma tubulação da unidade de mine-ração da Braskem no bairro da Cambona, na manhã desta quinta (27), acabou resultando em saia justa para a SMTT.

É que o órgao chegou a divulgar nota orientando a população a evitar o local porque se trataria de vazamento de gás.

 Algás, IMA e Braskem, contudo, afirmaram ser apenas água.

Água Branca

A Prefeitura de Água Branca vem pagando o preço do combustível mais caro que outros lugares. O posto de combustível vencedor da licitação recebe da prefeitura R$ 4,06, entretanto o mesmo posto cobra da Câmara de Delmiro Gouveia R$ 3,12 e aos consumidores na bomba R$ 3,89. A diferença é de quase R$ 1,00 a mais no valor que a prefeitura paga ao posto licitado.

Água Branca 2

O posto de combustível vencedor da licitação está localizado em Delmiro Gouveia, que fica distante 36 quilômetros entre a ida e a volta para Água Branca. Este é mais um ato administrativo que beneficia comerciantes de fora do município, já que boa parte da merenda escolar também é comprada em Maceió.

Água Branca 3

O atual prefeito Zé Carlos é comerciante radicado em Água Branca e por isso, segundo empresários locais,  deveria se esforçar para tentar fazer com os recursos do município circulassem no comércio local, gerando emprego e renda para a cidade. Esse procedimento do governo municipal já causou até problemas políticos internos na atual administração.

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia