Acompanhe nas redes sociais:

13 de Novembro de 2018

Outras Edições

Edição nº 917 / 2017

17/04/2017 - 09:52:14

Meio Ambiente

Bruno Fernandes

Piscina do Amor 

Um monitoramento feito na tarde de segunda-feira, 10, por técnicos do Gerenciamento Costeiro do Instituto do Meio Ambiente (IMA-AL) na Piscina do Amor, localizada na enseada da Pajuçara, em Maceió, identificou branqueamento em uma parte considerável dos corais da região. De acordo com o coordenador de Gerenciamento Costeiro, Ricardo César, o branqueamento ocorre quando algum estresse, geralmente relacionado à temperatura ou qualidade da água, faz com que os corais expulsem as algas microscópicas que vivem em simbiose com eles.

Zona Costeira 

A nova versão do Plano Federal de Gerenciamento Costeiro (PAF), coordenado pelo Ministério do Meio Ambiente, vai incluir ações para combater o acúmulo de lixo na costa brasileira. Com seus mais de 8,5 mil quilômetros, o litoral do país precisará fazer um diagnóstico para avaliar o impacto das milhões de toneladas de resíduos sobre o meio ambiente marinho e propor ações para reduzir os danos ambientais. Em fase de elaboração, o novo PAF prevê, ainda, a criação de um programa de monitoramento da linha de costa e avanços no zoneamento ecológico-econômico costeiro (ZEEC) e no Projeto Orla. Os dois instrumentos são fundamentais para reduzir a degradação do litoral.

Amazônia em tempo real

Pesquisadores do Instituto Mamirauá, organização ambiental que é mantida com recursos do governo federal, estão instalando câmeras, microfones e sensores de movimento embaixo da copa das árvores na região central da Amazônia. Eles querem compartilhar, em tempo real, imagens e sons de mamíferos, aves e répteis, o que vai ajudar a conhecer melhor as diferentes espécies que habitam a região. O projeto ainda está em fase inicial de testes: os pesquisadores terminaram de instalar os primeiros dez módulos nos últimos dias.

Febre Amarela

Pela primeira vez desde o início do século XX, a humanidade está em vias de testemunhar a extinção de um primata. A febre amarela pode extinguir uma subespécie de guariba que figura entre os cinco macacos das Américas que estão no grupo de maior risco de todo o planeta. Antes de a febre chegar e provocar a maior mortalidade de macacos da Mata Atlântica que se tem registro no Brasil, restavam apenas cerca de 250 bugios-ruivos-do-norte. Pelas estimativas dos primatologistas, há entre dez e 15 pequenos grupos desses primatas, todos numa região ao norte do Rio Jequitinhonha, que se estende pelo Nordeste de Minas, o Norte do Espírito do Santo e o Sul da Bahia. Essa zona está dentro da região por onde a febre se alastrou entre 2016 e 2017.

Samarco

O Comitê Interfederativo que fiscaliza os trabalhos de reparação dos danos causados pela tragédia de Mariana (MG) manteve a multa aplicada à mineradora Samarco pelo descumprimento de acordo que previa a retirada dos rejeitos na Usina de Candonga, em Santa Cruz do Escalvado. A empresa terá que pagar R$1 milhão, mais R$50 mil por dia de atraso na remoção dos sedimentos. Há no local cerca de 10 milhões de metros cúbicos de lama. A multa foi aplicada em fevereiro, quando o Comitê Interfederativo avaliou que o prazo para a retirada dos sedimentos nos primeiros 400 metros a partir do barramento da Usina de Candonga não havia sido cumprido conforme pactuado em um Termo de Transação e Ajustamento de Conduta. No entanto, a mineradora recorreu. O recurso foi julgado há duas semanas e negado.O resultado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) no último dia 7.

Zona da Mata 

Considerado um dos principais rios da Zona da Mata Alagoana, a situação do Paraíba do é crítica. A longa estiagem e as retiradas de água acima da quantidade permitida, feita por agricultores locais, provocou uma crise hídrica que vem afetando o abastecimento na região, por isso, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL) cobrou, na segunda-feira, 10, medidas urgentes da Companhia de Saneamento de Alagoas (Casal) e da Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos (Semarh). Qualquer flagrante de captação ilegal deverá haver a imediata suspendeção do serviço. As ações, que terão o apoio do Batalhão da Polícia Ambiental (BPA), começarão já nos próximos dias.

Prêmio Octávio Brandão 

A Braskem, Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (ABES/AL) e o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de Alagoas (Sindjornal) lançaram o 13º Prêmio Octávio Brandão de Jornalismo Ambiental. Serão aceitas matérias publicadas ou veiculadas entre 23 de maio de 2016 a 7 de maio de 2017, que registrem denúncias e/ou soluções na luta pela melhoria das condições ambientais do estado e no desenvolvimento de tecnologias ligadas às ciências do meio ambiente em Alagoas.  Para saber mais basta acessar o endereço eletrônico premio.sindjornal.org.br

Comentários

Curta no Facebook

Siga no Twitter

Jornal Extra nas redes sociais:
2i9multiagencia